Chacina do Complexo da Penha: Entidades de direitos humanos apelam à CIDH pelo fim da violência policial

Enviado por / FonteEnviado ao Portal Geledés

O Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade), Instituto Marielle Franco, Geledés – Instituto da Mulher Negra, Observatório de Favelas, Justiça Global e Casa Fluminense denunciaram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) a Chacina do Complexo da Penha, ocorrida nesta terça-feira, 24 de maio, durante uma megaoperação policial no Rio de Janeiro. O comunicado enviado à CIDH apela pela garantia de proteção dos moradores da comunidade e pelo monitoramento extensivo das situações de violência relatadas. Até o momento, os dados da letalidade são: 23 mortos e 07 feridos na Chacina do Complexo da Penha.

21 pessoas mortas foram levadas para o Hospital Getúlio Vargas. 

01 corpo de uma mulher foi levado diretamente para o Instituto Médico Legal (IML)

01 pessoa morta foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento do Complexo do Alemão com 08 tiros

07 feridos foram levados para o Hospital Getúlio Vargas

Essa extrema violência reflete o resultado da política de segurança pública do atual Governador do Estado do Rio de Janeiro, Claudio Castro, que desde o seu antecessor, Wilson Witzel, não respeita a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou o cumprimento do Estado da ADPF 635, conhecida como ADPF das Favelas. Até o momento, o Governo do Estado não apresentou nenhum plano de redução da letalidade policial; não instalou equipamentos de GPS e sistemas de gravação de áudio e vídeo nas viaturas policiais e nas fardas dos agentes; e como resultado desta atual chacina, não estabeleceu limites da força letal. Como efeito, corpos pretos, favelados e periféricos vivenciam constantes cenas de terror e, até mesmo, suas casas tornam-se lugar de medo e insegurança para todas as famílias.

Segundo relatos, agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), entraram no Complexo da Vila Cruzeiro às 04h00 da manhã aos tiros com helicópteros e caveirões blindados como apoio. A operação ocorreu durante todo o dia e, mesmo com ativa movimentação das organizações da sociedade civil instando o poder público pelo cessar fogo, a operação seguiu seu curso terrorista. Neste sentido, as organizações signatárias urgem à CIDH e as demais organizações internacionais de direitos humanos pelo monitoramento constante da violência policial no Brasil. É inadmissível a continuidade da política de segurança atual que segue contra os princípios básicos dos direitos humanos, como o direito à vida e à moradia, além da proteção Estatal. É preciso nomear: esta Chacina é mais uma demonstração do racismo estrutural presente nas ações da polícia brasileira.

Lamentamos pelas vidas perdidas e nos solidarizamos com as diversas famílias do Complexo da Penha, que em mais um dia, vivenciaram e suportaram a presença do Estado em seus territórios com violência, mortes, escassez e lágrimas. Diante do exposto, compartilhamos as solicitações à CIDH:

a) Que se pronuncie publicamente sobre esse caso, por meio de comunicado e monitore as situações de violência relatadas neste documento;

b) Demande a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro a realização de perícia técnica no local, com elaboração de relatórios sobre balísticas e possíveis sinais de torturas nos corpos garantindo o dever de publicidade da atuação estatal;

c) Demande que o Ministério Público Estadual (RJ) e Federal que investiguem a operação policial responsável por esta chacina, incluindo a necessidade específica de observar possíveis sinais de alteração das cenas dos crimes, bem como o impedimento de que moradores e ativistas se manifestem a respeito do ocorrido;

d) Que o Ministério Público Estadual (RJ) e Federal prestem informações às famílias das vítimas da chacina e as mantenha informadas acerca das investigações;

e) Considerando o que foi determinado na ADPF 635 a respeito da absoluta excepcionalidade na realização de operações policiais, isto é, a premissa de que tais incursões só devem ocorrer em situações extraordinárias de perigo imediato e concreto à vida, que não pode consistir em alegação genérica sobre a atual situação calamitosa da segurança pública do Estado do Rio de Janeiro e/ou sobre a necessidade de repressão ao tráfico de drogas e à criminalidade, alegações que fundamentam as violações de direitos humanos subjacentes à política de segurança pública no Brasil. Pede-se que o estado do Rio de Janeiro seja notificado a respeito da não observância dos critérios determinados na ADPF 635;

f) Mantenha comunicação direta com o governo brasileiro questionando sobre as medidas adotadas para o enfrentamento da violência policial, considerando os inúmeros casos publicizados pela imprensa brasileira e pelas organizações da sociedade civil supracitadas.  

Copy para as redes

O Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade), Instituto Marielle Franco, Geledés – Instituto da Mulher Negra, Observatório de Favelas, Justiça Global e Casa Fluminense denunciaram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) a Chacina do Complexo da Penha, ocorrida nesta terça-feira, 24 de maio, durante uma megaoperação policial no Rio de Janeiro. O comunicado enviado à CIDH apela pela garantia de proteção dos moradores da comunidade e pelo monitoramento extensivo das situações de violência relatadas. Até o momento, os dados da letalidade são: 23 mortos e 07 feridos na Chacina do Complexo da Penha.

Essa extrema violência reflete o resultado da política de segurança pública do atual Governador do Estado do Rio de Janeiro, Claudio Castro, que desde o seu antecessor, Wilson Witzel, não respeita a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou o cumprimento do Estado da ADPF 635, conhecida como ADPF das Favelas. Até o momento, o Governo do Estado não apresentou nenhum plano de redução da letalidade policial; não instalou equipamentos de GPS e sistemas de gravação de áudio e vídeo nas viaturas policiais e nas fardas dos agentes; e como resultado desta atual chacina, não estabeleceu limites da força letal. Como efeito, corpos pretos, favelados e periféricos vivenciam constantes cenas de terror e, até mesmo, suas casas tornam-se lugar de medo e insegurança para todas as famílias.

+ sobre o tema

Famílias de baixa renda podem solicitar parabólica digital gratuita

Famílias de baixa renda de 439 municípios podem solicitar...

CNDH denuncia trabalho escravo em oficinas de costura em São Paulo

Uma comitiva do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH)...

20 anos do ECA: iniquidades e violência são grandes desafios

O escritório do Fundo das Nações Unidas para a...

Senado aprova fim de revista manual a visitantes em presídios

Projeto da senadora Ana Rita (PT-ES), aprovado na CCJ,...

para lembrar

Regina Casé, a Globo e a suposta denúncia da violência policial

A mãe de DG foi ao Esquenta, mas não...

Parlamento branco comprova que ‘mentira cívica’ não foi desfeita

Em 2013, somente 55 (10,7%) dos 513 deputados federais...

A favela, a polícia e a violência que se inverte

A cultura de corrupção que envolve hoje parte da...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...
-+=