Chimamanda Ngozi Adichie: “Não estava em meus planos ser um ícone feminista”

Mas é o que ela virou. Ganhou fama com sua palestra “Todos deveríamos ser feministas” e continua atuando como escritora celebrada, entre sua Nigéria natal e os Estados Unidos. Nesta conversa reflete sobre os rumos da sua figura pública e questões como raça, identidade, a evolução do MeToo a relação com os homens e o poder das mulheres no século XXI.

Por Pilar Álvarez, do El País

Ela é sempre parada nos aeroportos, e não é por sua fama. Chimamanda Ngozi Adichie (Enugu, Nigéria, 1977) mantém seu passaporte nigeriano para ser fiel a suas raízes, mas isso começa a pesar. Mudou-se para os Estados Unidos há mais de uma década. Vive em Maryland com seu marido e sua filha de quatro anos, a quem ensina a usar uma linguagem que lhe foi vetada quando criança. Viaja com frequência à Nigéria, onde vivem seus pais e seus irmãos. Lá é uma diva recriminada por defender a homossexualidade, a escritora mais célebre, a quem pediram um resgate quando seu pai foi sequestrado. Tornou-se um ícone feminista a contragosto, depois que uma das suas palestras Ted foi vista em todas as partes, fazendo dela a autora de um livro global, que as escolas da Suécia distribuem entre os adolescentes. Descobriu com sua filha que educar no feminismo não é tão fácil como pregava, que ainda há brinquedos para meninos, divertidos, e para meninas: “As estúpidas bonequinhas”. Passou pela Espanha há algumas semanas para participar de um encontro sobre estereótipos organizado pelo EL PAÍS. E depois se sentou para conversar com este jornal a respeito do MeToo, de raça e de identidade. Fala com ironia, ri muito e alto. É uma contadora de histórias. E tem muito a dizer.

Leia a entrevista completa aqui


Leia também

Chimamanda: a voz do feminismo critica o racismo e defende homens feministas

Chimamanda Ngozi Adichie: “O Brasil tem um problema de raça, pessoas negras não têm acesso a posições de poder”

 

+ sobre o tema

Mulheres negras invadem Câmara Municipal em São Paulo

Parecia um desfile de moda: negras lindas, de turbantes,...

Ultimos dias para inscrições do curso: Mulheres Negras e Dignidade Humana

O CESEEP e o GELEDÉS estabeleceram parceria para o...

Como o governo ataca as mulheres

Não é de hoje que as mulheres conquistam seus...

Homossexualidade pode levar a pena de morte em 5 países

O casamento entre duas pessoas do mesmo sexo é...

para lembrar

Motorista de van xinga homossexual e depois passa com o veículo por cima dele três vezes

Policiais da 74ª DP (Alcântara) investigam a morte de...

2° Mostra da Mulher Afro discute violência contra a mulher negra

O Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes (CFCCT) realiza...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=