Conceição Evaristo recebe Medalha Pedro Ernesto na Câmara Municipal do Rio

A escritora mineira Conceição Evaristo (70) será homenageada pela Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, na próxima terça-feira (1º), às 18h. Conceição receberá a medalha Pedro Ernesto, principal comenda oferecida pela Casa a quem mais se destaca na sociedade brasileira ou internacional. A autora da homenagem é a vereadora Marielle Franco (PSOL).

Por Mônica Francisco, do Jornal do Brasil 

Doutora em Literatura Comparada pela UFF, Conceição Evaristo nasceu em uma família de mulheres negras cozinheiras, faxineiras e empregadas domésticas. Uma das principais expoentes da literatura Brasileira hoje, traz em seus escritos profundas reflexões sobre raça e gênero, revelando a desigualdade velada em nossa sociedade, em textos marcados pela ancestralidade afro-brasileira e suas potencialidades.

A cerimônia será no Palácio Pedro Ernesto e celebrará o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha (comemorado no dia 25 de julho). Batizado de #EuMulherNegraResisto!, o evento contará também com a participação de outros cinco importantes nomes de influentes mulheres negras:

Flávia Oliveira, jornalista e economista (O Globo), Jurema Werneck, diretora da Anistia Internacional no Brasil, Mãe Meninazinha de Oxum, Iyalorixá, Patrícia Oliveira, membro do Mecanismo de Combate à Tortura do Rio e irmã de vítima da violência do Estado, e Ruth de Souza, atriz e primeira mulher negra do teatro, do cinema e da televisão brasileira.

O evento também faz parte do calendário da campanha 25 Dias de Ativismo Pela Vida das Mulheres Negras.

“Conceição Evaristo tinha que constar das bibliografias escolares. Seus textos contam a nossa história, a história das mulheres negras. A morte, a violência urbana, a pobreza, a gravidez precoce, a prostituição, as situações cotidianas… Sua narrativa é cortante, resgata nossa ancestralidade, contagia corações e mentes. Um exemplo de resistência e poesia. Precisa ser celebrada, conhecida e reverenciada”, afirmou a vereadora Marielle Franco .

Esta homenagem vem mais do que evidenciar a contribuição de uma literata às artes, mas de visibilizar a trajetória de uma intelectual que contribui para a autoestima e para que as mulheres negras sobretudo, se apropriem de sua identidade, trajetória e história, tendo os lugares de memória e as experiências de afeto como elemento importantíssimo.

A homenagem à escrito com a Medalha Pedro Ernesto será no Plenário da Câmara Municipal do Rio, na Cinelândia, Centro da cidade, às 18h desta terça-feira (1º).

* Mônica Francisco é pesquisadora, consultora na ONG Asplande e colunista no Jornal do Brasil

+ sobre o tema

A cor do pecado: no século xix, a sensualidade da mulher negra

______________________   Resumo Esta pesquisa tem por objetivo principal analisar a presença...

Série fotográfica registra a beleza dos penteados da cultura nigeriana

A fotografia documental geralmente apresenta poucas cores e a...

Os Musicos do Lixão. “Eles nos mandam lixo e devolvemos-lhes música”

Landfill harmonic - La armonía del vertedero - Orquesta...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Padê Poema 55 – Cuti

Padê Poema 54 - Cuti Padê Poema 53 - Cuti ...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Conceição Evaristo é eleita a nova imortal da Academia Mineira de Letras

A escritora Conceição Evaristo, 77, foi eleita nesta quinta (15) membro da Academia Mineira de Letras, na cadeira número 40, já ocupada por Afonso Pena Júnior e...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=