Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Artigo produzido por Redação de Geledés

Geledés – Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de fevereiro para contribuir com as discussões sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente da ONU. Esta reunião que Geledés participa em Genebra é uma continuação do trabalho que já vinha ocorrendo em 2023 e ocorre graças ao fato de o instituto ter status consultivo junto à ONU (ECOSOC).

A participação no processo da nova declaração é crucial, uma vez que permite que várias delegações dos Estados Membros, representantes da sociedade civil e do Fórum Permanente da População Afrodescendente expressem suas considerações em relação ao texto em andamento.  

Mais uma vez, como a única organização da sociedade civil das Américas presente, Geledés teve a oportunidade de apresentar suas sugestões e preocupações sobre uma variedade de questões pertinentes à população afrodescendente. Até o momento, tal trabalho incluiu o debate sobre a interseção entre o racismo e as novas tecnologias, com foco particular no perfilamento racial.

Essas discussões sobre o texto ocorrerão em pelo menos mais duas ocasiões ao longo deste ano. Na busca por concretizar medidas que tenham impacto positivo na esfera dos direitos da população afrodescendente, especialmente no Brasil, Geledés continuará acompanhando de perto o trabalho realizado pelo Grupo de Trabalho responsável pela elaboração do texto.

As propostas que Geledés vêm negociando a cada reunião deste grupo de trabalho incluem consolidar as menções a Durban no documento da nova declaração; vontade política dos Estados-partes para concretizar as disposições contidas na nova declaração; erradicação da pobreza; participação nos assuntos públicos e participação política; racismo religioso; papel da juventude afrodescendente; violência policial; educação em direitos humanos para superação da violência policial; empoderamento econômico da população afrodescendente.

+ sobre o tema

para lembrar

Geledés recebe a maior condecoração do Ministério das Relações Exteriores

Geledés - Instituto da Mulher Negra recebeu ontem, em cerimônia do Palácio...

Na pandemia, Viviani descobriu sua vocação de professora

Antes da pandemia, Viviani de Sousa Gomes, de 41...

A costura das máscaras se tornou o sustento da família de Janaína

Costureira e moradora da Cidade Tiradentes, bairro periférico de...

Um chamado aos brancos: o Brasil passa fome!!! Participe com doações para a campanha “Tem Gente com Fome, dá de comer”

Em 1996, quando aos 20 e poucos anos essa branca aqui que vos fala aportou na sede do Geledés, Sueli Carneiro, filósofa, sócio-fundadora da...

“Há um racismo velado, naturalizado, e por muitas vezes explícito na escola”, diz Elenir Fagundes Freitas

Assim como milhares de crianças negras, Elenir Fagundes Freitas, enfrentou situações de racismo no ambiente escolar. Logo na primeira série, na hora da fila,...

“As negras na América Latina têm sido extremamente excluídas dos debates contemporâneos” diz Christen A. Smith

Christen A. Smith é antropóloga, feminista negra, diretora do Centro de Estudos para Mulheres e Gênero e professora associada de antropologia e estudos da...
-+=