Em busca do filho desaparecido, mãe visitou pontos de tráfico

José Luiz de Oliveira, 46, e sua mulher, Maria de Fátima Ramos Oliveira, 43, com a foto de seu filho

A vigilante Maria de Fátima Oliveira, 43, e o motorista José Luiz de Oliveira, 46, assumiram o papel da polícia quando o filho do casal, Guilherme da Silva, desapareceu, aos 20 anos, em 2012.

“Fomos de bairro em bairro perguntando para as pessoas mais sórdidas se sabiam alguma coisa a respeito. Nunca tivemos contato com essas pessoas, mas tivemos que ter”, diz Maria de Fátima.

Guilherme foi visto pela última vez entrando à força no carro de três homens desconhecidos, relataram vizinhos.

Por meses, a mãe e o pai de criação do jovem colaram cartazes, visitaram pontos de tráfico e até matagais supostamente usados para desova de corpos à procura de Guilherme, que, segundo Maria de Fátima, era estoquista e não tinha ligação com criminosos.

“A única pergunta que a polícia faz é: ‘Ele não era drogado? Não mexia com tráfico?'”, conta a mãe. “Para a polícia, se for um ‘noia’, pode sumir.”

O caso foi registrado no 47º DP (Capão Redondo) –onde a família afirma que nunca foi chamada. Maria de Fátima queixou-se ao Ministério Público, e o caso seguiu para a delegacia especializada.

“Acho que eu corri mais que a polícia”, diz José Luiz.

A própria família diz ter descoberto e avisado a polícia sobre uma queixa de estupro feita por uma adolescente contra Guilherme uma semana antes de ele sumir.

 

Fonte: Jupter

“A namorada dele viu o boletim de ocorrência [do estupro] com o nome dele em cima da mesa de um investigador do 47º DP. O caso do Guilherme tem por onde começar a investigar. A polícia que não quer”, diz a mãe, que suspeita de vingança.

O jovem continua desaparecido. Não foi instaurado inquérito. A polícia informou que o caso teve “procedimento de investigação” aberto.

“As pessoas estão sozinhas. Se alguém desaparecer, pode ser o meu, o seu [familiar], vamos ter que virar investigadores. Isso não pode ser delegado ao particular. É o Estado que tem que fazer”, afirma a promotora Eliana Vendramini.

+ sobre o tema

Pacificação na Maré é sinônimo do medo

Não temos a garantia de um dia de paz....

Cliente terá que pagar R$ 25 mil por racismo contra consultor de loja de telefonia em MT

A Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de...

Marcha internacional reúne movimentos na luta contra genocídio de negros

Helena Martins – Repórter da Agência Brasil Nesta sexta-feira (22), negros...

Branquitude – O lado oculto do discurso sobre o negro – Cida Bento

Maria Aparecida Silva Bento Este artigo constitui-se numa abordagem psicossocial...

para lembrar

Brasileira é barrada na Espanha mesmo com todos documentos exigidos

Por: Larissa Leite Itamaraty diz que número de inadmissões vem...

Amor afrocentrado é, além de cuidado, desintoxicação

Já faz algum tempo que eu queria falar sobre...

De Moonlight e da solidão do homem escuro

Dos silêncios que gritam e das lágrimas que não...

Cotas para negros e índios não valem para novos concursos do Rio

Mudança vale para seleção de Judiciário e Legislativo, MP e...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=