Em busca do filho desaparecido, mãe visitou pontos de tráfico

José Luiz de Oliveira, 46, e sua mulher, Maria de Fátima Ramos Oliveira, 43, com a foto de seu filho

A vigilante Maria de Fátima Oliveira, 43, e o motorista José Luiz de Oliveira, 46, assumiram o papel da polícia quando o filho do casal, Guilherme da Silva, desapareceu, aos 20 anos, em 2012.

“Fomos de bairro em bairro perguntando para as pessoas mais sórdidas se sabiam alguma coisa a respeito. Nunca tivemos contato com essas pessoas, mas tivemos que ter”, diz Maria de Fátima.

Guilherme foi visto pela última vez entrando à força no carro de três homens desconhecidos, relataram vizinhos.

Por meses, a mãe e o pai de criação do jovem colaram cartazes, visitaram pontos de tráfico e até matagais supostamente usados para desova de corpos à procura de Guilherme, que, segundo Maria de Fátima, era estoquista e não tinha ligação com criminosos.

“A única pergunta que a polícia faz é: ‘Ele não era drogado? Não mexia com tráfico?'”, conta a mãe. “Para a polícia, se for um ‘noia’, pode sumir.”

O caso foi registrado no 47º DP (Capão Redondo) –onde a família afirma que nunca foi chamada. Maria de Fátima queixou-se ao Ministério Público, e o caso seguiu para a delegacia especializada.

“Acho que eu corri mais que a polícia”, diz José Luiz.

A própria família diz ter descoberto e avisado a polícia sobre uma queixa de estupro feita por uma adolescente contra Guilherme uma semana antes de ele sumir.

 

Fonte: Jupter

“A namorada dele viu o boletim de ocorrência [do estupro] com o nome dele em cima da mesa de um investigador do 47º DP. O caso do Guilherme tem por onde começar a investigar. A polícia que não quer”, diz a mãe, que suspeita de vingança.

O jovem continua desaparecido. Não foi instaurado inquérito. A polícia informou que o caso teve “procedimento de investigação” aberto.

“As pessoas estão sozinhas. Se alguém desaparecer, pode ser o meu, o seu [familiar], vamos ter que virar investigadores. Isso não pode ser delegado ao particular. É o Estado que tem que fazer”, afirma a promotora Eliana Vendramini.

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

PM usa rede social para ironizar morte de rapaz no Alemão, Rio

Corpo de Marcos Vinícius será sepultado nesta segunda-feira. Outro rapaz...

Especialistas defendem políticas específicas para cada grupo de jovens

Jovens brasileiros de 10 a 24 anos do sexo...

“Socorro”, gritou mais um jovem negro antes de ser executado por um PM

Vídeo mostra a execução. Porém, desmentindo as imagens, Secretaria...
spot_imgspot_img

Após vítima de agressão ser detida, motoboys fazem ato contra o racismo no RS

Após um homem negro ser ferido com uma faca e preso por policiais, o Sindicato dos Motoboys de Porto Alegre, no Rio Grande do...

Abordagem a homem negro no RS: o que se sabe sobre motoboy preso após ser ferido com faca, em Porto Alegre

Uma abordagem policial acabou com um homem negro detido, neste sábado, após denunciar ter sido ferido com faca por um idoso de pele branca, em...

Valores de sociedades tradicionais africanas são imprescindíveis para educar e humanizar

"Coube ao Ocidente avançar na militarização e na tecnologia, mas caberá à África humanizar o mundo." Pode-se dizer que a frase de Nelson Mandela, registrada...
-+=