“Eu sou o sonho das minhas ancestrais”: Quilombo (la) em Harvard

Sou Ana Paula, mulher negra, quilombola, Doutora em História e admitida para uma bolsa pós-doutorado no W.E.B Du Bois Research Institute em Harvard University. Essa conversa é sobre mim, mas é também sobre a minha comunidade quilombola Santiago do Iguape\ Recôncavo da Bahia, sobre lutas ancestrais e contemporâneas do povo preto e quilombola, sobre famílias negras enquanto possibilidades de cura na diáspora, a base de sobrevivências cotidianas, de trocas culturais, criação e recriação de identidades e comunidades no além mar. 

Porto de Santiago do Iguape. (Foto: Arquivo Pessoal)

A frase que escolhi para intitular esse post, estampa o meu braço numa tatuagem feita  durante o meu doutorado na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em meio a uma pandemia. Momento que precisei relembrar (para continuar caminhando) o quanto as lutas das minhas ancestrais abriram caminhos para que eu pudesse está produzindo conhecimento cientifico acerca do meu povo. Tatuar essa frase no meu corpo  foi uma forma de não esquecer que a minha trajetória de vida faz parte de um projeto de emancipação política negra, um sonho sonhado a duras penas pelos que vieram antes de mim.

Não por acaso estudo a sociedade de pós-abolição e amparada pelos debates desse campo analítico, defendo que ainda vivenciamos o pós-abolição, uma vez que, não superamos os desafios do fim da escravidão e a racialização das relações sociais atravessam os nossos corpos e a nossa forma de existir nesse chão. As (os) quilombolas chegarem em Harvard, acompanhados por Du Bois, (No instituto de pesquisa que carrega o seu nome) é sonho de liberdade! É experiência da população negra na sociedade de pós-abolição.

O Quilombo que irá a Harvard é fruto dessas expressões de lutas históricas, mas também da paz quilombola que Beatriz me apresentou. Nesse interstício entre ataques e recuos, foi possível o processo de organização social da população negra escravizada e dos seus descendentes. Irá a Harvard esse corpo quilombola, que resiste as desapropriações diversas, esse espaço físico das experiências, mas também a metáfora do nosso próprio corpo, onde se pode recuperar a história do povo negro em experiência de diáspora, vai a Harvard esse corpo quilombo como uma possibilidade de (re) construção de si e dos seus numa sociedade que teima em não nos reconhecer enquanto sujeitos de direitos.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Jornalismo, imagem e poder: repertório para as representações raciais

  "Toute image du pouvoir se fonde sur un pouvoir...

A Sociedade e Nós

Se a história não reparar os séculos a fio...

Papai Noel preto, uma crônica natalina

Seo Gerson beijou a esposa e a filha pequena,...

E eu, não sou brasileira?

“Paulista, sério? Caramba, eu jurava que você era de...

para lembrar

Dicas para lidar com o racismo na sala de aula

Não é fácil abordar a questão do racismo na...

Bibliotecas Comunitárias contra o analfabetismo funcional

Por: Kátia Ferraz   A liberdade, a prosperidade e...

Professores da rede pública poderão fazer curso nos EUA

Boa notícia para os professores de Língua Inglesa da...

Fuvest 2011 tem mais inscritos do que ano anterior

Ao todo, 132.969 pessoas se candidataram às 10.752 vagas...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido espaços de ensino e aprendizado. Carregam no nome a sua missão: ser escola. Ensinam sobre...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...
-+=