Festa da Boa Morte celebra tradição secular de mulheres negras na Bahia

Celebração religiosa em Cachoeira (BA) une catolicismo ao candomblé e é organizada por irmandade bicentenária

As roupas de gala são bordadas com renda branca pelas próprias irmãs, assim como os turbantes amarrados nas cabeças. Completam a indumentária um pano da costa vermelho, além de anéis, pulseiras, balagandãs, colares e os chamados correntões cachoeiranos.

Era por volta de 9h da manhã de terça-feira (15) e, enquanto o país se via às voltas com um apagão que atingia 25 estados, o grupo com cerca de 40 mulheres negras tomou as ruas de pedra de Cachoeira (120 quilômetros de Salvador) para celebrar a Festa de Nossa Senhora da Boa Morte.

As protagonistas do dia formam a Irmandade da Boa Morte, confraria religiosa afro-católica de tradição secular, formada apenas por mulheres negras e que se mantém viva há mais de 200 anos.

Mulheres da Irmandade da Boa Morte durante uma procissão em direção à Igreja Matriz do Rosário (Foto: Rafaela Araújo/Folhapress)

A associação, que une o culto católico ao candomblé, foi criada na primeira metade do século 18 para celebrar a Nossa Senhora da Boa Morte. A irmandade foi formada em Salvador, mas acabou migrando para Cachoeira em meio a um cenário de revoltas e rebeliões que marcaram a capital baiana.

Em seus dois séculos de história, a entidade atuou na assistência social aos mais necessitados e deu apoio à organização de funerais dignos para suas associadas. Também teve perfil antiescravista, trabalhando para conseguir alforria de negros escravizados e apoio aos recém-libertos.

A irmandade é atualmente considerada um ícone do feminismo negro no Brasil.

“Eu, como mulher negra, por respeito aos meus ancestrais, não posso deixar que essa memória se perca. É um pedaço de mim zelar, crer, respeitar e amar o nosso passado e a Nossa Senhora da Boa Morte”, afirma Edite Marques de Souza, 77, escolhida como provedora da irmandade para a festa deste ano.

Ela conta que tem origem religiosa dentro do candomblé, sempre acompanhou de perto a irmandade em Cachoeira até se tornar uma das irmãs, há cerca de 30 anos: “Me sinto plena porque tenho a felicidade de servir à Nossa Senhora”.

A festa acontece entre 13 e 17 de agosto. Todos os anos, quatro irmãs são escolhidas para ocupar os cargos de provedora, procuradora, tesoureira e escrivã, atuando na organização dos festejos.

A celebração é patrimônio imaterial do estado desde 2010, ano em que foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia.

Nesta terça-feira, os festejos começaram por volta das 6h, com uma alvorada de fogos de artifício na cidade. Na sede da irmandade, as associadas se preparavam desde cedo para ganhar as ruas da cidade e receberam a visita do governador Jerônimo Rodrigues (PT) e da prefeita Eliana Gonzaga (Republicanos).

Por volta das 9h, as irmãs caminharam pelas ruas e ladeiras da cidade até na Igreja Matriz do Rosário, templo católico erguido no final do século 17. A falta de energia elétrica não impediu a realização da missa e da solenidade da Assunção de Nossa Senhora. Rezaram dentro do templo escuro.

Após a cerimônia na igreja, as irmãs saíram em procissão acompanhadas por moradores e turistas. Filarmônicas e bandas se apresentaram pelas ruas da cidade. A programação religiosa foi encerrada com um samba de roda e o Almoço das Irmãs, na sede da irmandade.

Os festejos tiveram início no domingo (13), com a procissão com a imagem de Nossa Senhora da Boa Morte, a Missa de Réquiem pelas irmãs falecidas e a Ceia Branca.

No dia seguinte, as irmãs participaram da Missa da Dormição de Nossa Senhora, na Capela de Nossa Senhora da Boa Morte. Com trajes brancos, cabeças cobertas e velas nas mãos, participam de uma nova procissão e da cerimônia que marca o enterro simbólico da santa.

A festa ainda prossegue nesta quarta-feira (16) e quinta-feira (17), com mais samba de roda nas praças da cidade e almoços nos quais serão servidos um cozido (prato a base de carnes e verduras, acompanhado de pirão) e o caruru, prato típico da culinária baiana.

Durante os cinco dias de festejos, também estão sendo realizadas atividades culturais, exposição de fotografias, uma feira do empreendedorismo negro e uma feira de artesanato.

Aos 85 anos, Lindaura Paz dos Santos, que ocupou o posto de procuradora da Festa da Boa Morte, celebra a festa da qual faz parte há 43 anos. “Se não tivesse fé, não estaria na irmandade até hoje. É a fé que nos faz manter a tradição.”

+ sobre o tema

Narrativas de presença e poder: diálogo geracional entre mulheres e homens negros

Em 1995, eu estava no mestrado (...), um colega...

A mulher negra no mercado de trabalho: A pseudoequidade, marcada pela discriminação da sociedade e a mídia no século 21

RESUMO Minuciosamente o trabalho demonstra a presença da discriminação racial...

Representatividade: grupo formado por cinco médicas negras inaugura clínica no Rio

Enquanto o mundo inteiro debatia os avanços da telemedicina,...

Atividades alusivas ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha – Ceará

Nos últimos anos, o INEGRA juntamente com o Fórum...

para lembrar

Referências da cultura negra auxiliarão a formular políticas

O Ministério da Cultura (MinC) terá, a partir de...

Jornalista baiano lança livro digital sobre cenário da música pop negra em Salvador

O e-book 'Pop Negro SSA: cenas musicais, cultura pop...

Morre Sergio Roberto dos Santos, idealizador da Noite da Beleza Negra do Ilê Aiyê

O idealizador da Noite da Beleza Negra do bloco...

Negritude, sororidade e afro-religiosidade

Analiso aqui dois livros recém-lançados, ambos de escritoras negras:...
spot_imgspot_img

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

A Sombra do Sonho de Clarice

O longa-metragem convidado para ser exibido no Lanterna Mágica no dia 21 de março foi O Sonho de Clarice, de Fernando Gutierrez e Guto...
-+=