Geledés participa do Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas

Enviado por / FonteKátia Mello

Diante de crise climática, organização destaca na ONU que não existe desenvolvimento sustentável sem enfretamento ao racismo

Em mais uma atuação relevante no cenário internacional que envolve a ONU, Geledés – Instituto da Mulher Negra iniciou nesta segunda-feira, 10, sua participação no Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas (HLPF), em Nova York, que acontece entre os dias 10 e 19 de julho de 2023.Dentro da discussão dos impactos da crise climática em um mundo pós-pandêmico e da necessidade de implementação pelos países membros dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030, Geledés, como uma organização fundada e liderada por mulheres negras, propõe que as questões relacionadas à população afrodescendente sejam incluídas nas discussões, uma vez que não há como considerar desenvolvimento sustentável sem haver um enfrentamento real de todas as formas de racismo vigentes no mundo.

Dentro da Agenda 2030, que tem justamente como lema “Ninguém deixado para trás”, são inúmeras as questões levantadas por Geledés, sejam elas de interesse nacional ou internacional, a começar pelas consequências do tráfico transatlântico e mediterrâneo de africanos escravizados que tiveram grande impacto na condição de vulnerabilidade de parte considerável da população de inúmeros países, com inegáveis ​​repercussões globais.

Neste primeiro dia de fórum, a equipe de Geledés, formada pela socióloga Letícia Leobet e pelo consultor internacional Iradj Eghrari, dialogou com representantes dos Estados membros quanto à necessidade de participação social e de envolvimento das comunidades afrodescendentes e indígenas na elaboração e monitoramento das políticas públicas, levando-se em consideração que essas populações são as mais impactadas pela ausência desses direitos e assim mais impactadas pela crise climática. Sublinhou ainda a importância do Estado brasileiro em investir em infraestrutura nas áreas marginalizadas e ocupadas majoritariamente por comunidades afrodescendentes e indígenas.

“A participação de Geledés no Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas é muito relevante, em especial para tensionar a discussão racial em interface com as ODS (um conjunto de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que compromete Estado, setor privado e sociedade civil na busca por um mundo mais justo). Nesse momento temos a oportunidade de dialogar com alguns países signatários da ONU, bem como reestabelecer a aproximação com a sociedade civil em nível global para que possamos recomendar diretrizes de enfrentamento ao racismo, com o intuito de alcançarmos as metas da Agenda 2030”, avaliou Letícia.

Nesta direção, Geledés tem destacado a importância de se fortalecer a aliança entre os setores público, privado e da sociedade civil, em particular organizações e comunidades afrodescendentes, em prol de se alcançar metas de água potável e saneamento de acordo com as reais necessidades dos territórios de populações negras e indígenas, para que possam responder às barreiras mais profundas à falta de acesso a esses serviços.

Como vem acontecendo em outros fóruns da ONU, os relatórios apresentados por Geledés sugerem que o Estado brasileiro elabore suas políticas públicas a partir da coleta e análise de dados desagregados por gênero, raça e etnia. Um dos objetivos da incidência de Geledés é fazer com que o Brasil determine com precisão as disparidades existentes e expresse como essas disparidades impactam na impossibilidade de realizar os objetivos de desenvolvimento sustentável a nível global.  Reivindica também que o Estado brasileiro identifique as áreas onde as desigualdades são mais prevalentes, para o desenvolvimento de políticas culturalmente sensíveis, levando em consideração a cultura, as práticas, as tradições e o conhecimento local no desenvolvimento de tecnologias em diálogo constante com a sociedade civil e assim possa influenciar os demais Estados Membros para que assumam esse compromisso como premissa de cooperação.

+ sobre o tema

Geledés aborda intolerância religiosa na ONU

Para além das sessões no Conselho de Direitos Humanos,...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes:...

Geledés participa de evento paralelo em fórum da Unesco

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou de evento paralelo do...

para lembrar

Brasil responde a processo inédito por discriminação racial no trabalho na Corte IDH

A Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) realizou...

Geledés e OEA juntas em Washington

Em parceria com a Missão Brasileira na Organização dos...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento...

Brasileiros participam de Curso para Defensores e Defensoras de Direitos Humanos na OEA

Três representantes de entidades da sociedade civil brasileiras, entre...

Grupo de mulheres brasileiras atua nas Nações Unidas contra o racismo

Em reportagem da TVT, Maria Sylvia de Oliveira, advogada e coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça de Geledés- Instituto...

Peritos da ONU acatam recomendações de relatório de Geledés sobre tortura

Hoje foi o primeiro dia de sabatina do Estado brasileiro diante do Comitê Contra a Tortura das Nações Unidas, em Genebra, e já se...

“Reparação é reconhecer o que a História nos negou. E não é algo que a humanidade desconheça”, diz Epsy Campbell

Epsy Campbell Barr, presidenta do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU, deu uma parada em sua tribulada agenda durante o 3º Fórum Global contra o Racismo...
-+=