Anielle Franco defende igualdade racial na lista dos objetivos da ONU para o desenvolvimento sustentável no Brasil

Artigo produzido por Redação de Geledés

Ministra participou de evento promovido pela ONG Geledés em Nova Iorque para discutir agenda

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, defendeu nesta segunda-feira (18) que seja estabelecida uma meta de busca pela igualdade racial no âmbito das ações ligadas ao desenvolvimento sustentável no Brasil. A chefe da pasta falou sobre o tema durante uma reunião internacional realizada em Nova Iorque e articulada pela organização brasileira Geledés – Instituto da Mulher Negra, que tem assento no Conselho Econômico e Social das Nações Unidas e tenta fortalecer o debate sobre o assunto. O encontro ocorreu de forma paralela à realização da Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) 2023, aberta nesta data.

A ONU fixa 17 metas que hoje precisam estar no escopo de atuação do país, como erradicação da pobreza, educação de qualidade, igualdade de gênero, energia limpa e acessível, água potável e saneamento. As ações relacionadas a esses temas são consideradas fundamentais para que o Brasil atinja a Agenda 2030, plano global capitaneado pelo organismo que serve de guia para a comunidade internacional na busca por sociedades mais sustentáveis. A ministra defende que se estabeleça agora um 18º objetivo para o país, unindo a agenda das políticas raciais às preocupações ambientais.

“Esse compromisso que a gente tem com justiça racial, étnica e promoção de igualdade não deve permanecer só na superficialidade, como na história do mundo. A gente sabe que uma das principais críticas de ativistas e pesquisadores do tema é a ausência entre os ODS de qualquer menção à declaração e a um programa de ação que represente um plano de ação mais abrangente da organização das Nações Unidas para combater o racismo e a intolerância [a ele] relacionada”, afirmou a ministra.

Maria Gabriela Feitosa, representante do Major Group Juventudes [à esquerda], e Letícia Leobet, do Geledés / Iradj Eghrari

A socióloga Letícia Leobet, que representou o Geledés no encontro, afirma que a ideia colocada por Anielle Franco é uma demanda histórica das organizações que compõem o movimento negro. “Nós entendemos que as ODS [existentes] não incorporam, não dão conta das especificidades da população negra no que diz respeito ao desenvolvimento sustentável. Ao nível internacional, essa reivindicação inicialmente não é viável, por isso estamos traçando outros caminhos pra fortalecer a presença afrodescendente na agenda de desenvolvimento sustentável.”

Foi com base nisso que durante a reunião o Geledés sugeriu que seja criado um “major group” [grupo principal], instância de participação civil no âmbito da ONU, que seria voltado especificamente às imbricações entre igualdade racial e sustentabilidade. Letícia Leobet afirma que a iniciativa seria útil para fortalecer o enfrentamento à invisibilidade afrodescendente na agenda 2030.

“Existem atualmente 21 ‘major groups’. Alguns deles foram criados nas discussões da ECO 1992 e outros foram construídos posteriormente a partir da pressão e de demandas pela sociedade civil. E a gente tem percebido nessa agenda uma grande invisibilização da comunidade afrodescendente. A gente tem participado dos eventos e visto menções e ações propositivas para mulheres, indígenas, pessoas com deficiência, LGBTQIA+, mas a questão afrodescendente está invisibilizada, e a gente está falando de aproximadamente 250 milhões de pessoas no mundo”, argumenta a socióloga.

ONU estipula atualmente 17 objetivos para se atingir o desenvolvimento sustentável no Brasil / ONU/Reprodução

No processo de acompanhamento da agenda, os principais grupos se engajam diretamente junto com outros atores na revisão anual da Agenda 2030, o que depois resulta no Fórum Político de Alto Nível anual para o Desenvolvimento Sustentável, espaço que centraliza os debates. Em geral, os grupos podem assistir as reuniões oficiais do fórum, acessar documentos e informações, apresentar contribuições, fazer recomendações, entre outras coisas. “Por isso os ‘major groups’ são um dos ‘stakeholders’ [partes interessadas] principais na construção dessa agenda. Eles são fundamentais na proposição de projetos, na incidência política, no monitoramento da agenda”, exemplifica a socióloga.

Com essa atuação, tais grupos acabam influenciando o país na escolha e na formulação de políticas públicas. “Por isso o resultado dessa reunião foi extremamente importante porque a gente conseguiu visibilizar o trabalho que o Geledés tem realizado dentro dessa agenda internacional de desenvolvimento sustentável e pela  interlocução com o governo brasileiro por meio da  participação do Ministério da Igualdade Racial. Esse aspecto de o governo olhar pra essas ações e, em certa medida, se comprometer com isso é um ponto central.”

Após a sugestão de criação do “major group” por parte da ONG, a entidade afirma que agora devem ser fortalecidos os diálogos institucionais no sentido de levar a proposta adiante. A instituição do coletivo precisa ser avaliada adiante pelas Nações Unidas.  

+ sobre o tema

Geledés participa na ONU do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos

Geledés–Instituto da Mulher Negra segue atuando de forma forte,...

Sueli Carneiro reforça na ONU ideia de Programa de Desenvolvimento Econômico e Social para afrodescendentes

Sueli Carneiro, coordenadora e fundadora de Geledés, participou virtualmente...

Geledés participa do Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas

Em mais uma atuação relevante no cenário internacional que...

para lembrar

ONU adota resolução sobre incompatibilidade entre democracia e racismo

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações...

Racismo e desigualdade dominam debate da ONU sobre juventude no Rio

Racismo e injustiça social foram os temas predominantes no...

Votação na ONU poderá consagrar Brasil como pária na luta global antirracista

A repercussão do caso George Floyd —homem negro norte-americano...

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Fórum em Barbados discute as grandes temáticas do feminismo negro 

“O que o poder do feminismo negro significa hoje?”. Essa pergunta intrigante e provocativa foi temática de um dos painéis do Fórum dos Feminismos...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...
-+=