Há sentido político na difamação de Marielle Franco

Não é novidade a quem acompanha episódios de violência de gênero tropeçar em episódios de revitimização. São boatos, comentários e injúrias plantados por indivíduos interessados em despejar nas vítimas a culpa pelo crime sofrido. O Brasil enfileira casos. Assassino de Ângela Diniz, Doca Street usou a legítima defesa da honra para se defender do homicídio da então mulher, em 1976.

Na década seguinte, o esquadrão da moralidade cínica comentava que a jovem Mônica Granuzzo, violentada e atirada de uma janela de um prédio da Zona Sul carioca, estaria viva se abraçasse o recato, em vez de confiar no homicida sedutor. Neste século, houve quem tentasse atenuar o estupro coletivo sofrido por uma adolescente de 16 anos numa comunidade da Praça Seca.

Num ambiente em que é comum mulheres serem responsabilizadas pela brutalidade que sofreram, era de se esperar que o coro de caluniadores seguisse a execução da quinta vereadora mais votada da capital fluminense. Não bastasse o corpo abatido, Marielle Franco teve a imagem maculada por mentiras 24 horas após o crime que comoveu o Rio de Janeiro, o Brasil e boa parte do mundo.

Afora o machismo, há sentido político na difamação. O crime bárbaro da quarta-feira, 14 de março, chamou atenção da população para o discurso dos defensores dos direitos humanos e do estado democrático de direito. Mataram uma vereadora, negra, nascida na favela, mãe, dedicada à agenda de valorização da vida de quem quer que seja — pobre, preto, policial, classe média. A execução sensibilizou os que, até então, pareciam surdos à necessidade de estancar a epidemia homicida, que vitima mais de 60 mil brasileiros por ano e ceifou as vidas de Marielle Franco e Anderson Pedro Gomes.

 

Restou aos extremistas do campo político oposto plantar informações falsas para levar os neoindignados de volta à apatia. Como escreveu o jornalista Leonardo Sakamoto em seu blog no “UOL”: “Grupos temem que a reação catártica à execução (de Marielle Franco) possa ajudar a mudar o balanço de forças sociais, reduzindo o espaço das milícias de extrema direita na construção de significados coletivos… E isso tem inequívoca influência nas eleições gerais de outubro”.

Que daqui em diante fiquemos alertas à maldade. O antídoto é simples: desconfiar de conteúdos apócrifos, ainda que reproduzidos por pessoas conhecidas, e não compartilhar informações sem verificar a confiabilidade das fontes. Difundir calúnia é crime.

 

+ sobre o tema

Feminicídios no DF cresceram 45% neste ano em relação a 2022

Faltando quatro meses para acabar o ano, o número de...

Campanha pede fim de revista vexatória de mulheres em presídios

As revistas vexatórias foram implantadas no país para impedir...

Número de mulheres que adotam sobrenome do marido caiu 24% desde 2002

Por Manoela Alcântara, do Metrópoles O número de mulheres que...

Feminicí­dio

Feminicí­dio: O que é “O feminicídio é a instância última...

para lembrar

Neymar destila opiniões machistas no Faustão. Entenda o que está errado

Neymar, você parece ser uma cara muito legal. Você...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Eleições 2022: Mães negras buscam mais espaço na política

"Sou mãe solo, meu filho tem que estudar e...

MV Bill presta depoimento no Rio e nega ter agredido irmã

O rapper Alex Pereira Barbosa, o MV Bill, prestou...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=