Ice Blue, vamos falar sobre machismo?

No final desta manhã, foi publicada no SPRESSOSP da Revista Fórum uma entrevista exclusiva com o rapper Ice Blue, do grupo Racionais MCs. Para quem se interessa pela cultura da periferia e gosta de debater sobre o racismo, a entrevista concedida por Ice Blue é uma boa oportunidade de ampliar a visão e conhecer posicionamentos diversos. Apesar de certos pontos em suas falas despertarem debates internos no movimento negro, Ice Blue fala sobre racismo sem pestanejar.

Por Jarid Arraes

A maioria das respostas do rapper são longas; ele parece estar interessado em abordar os tópicos sobre os quais é questionado. Mas isso só permanece até tocar no assunto do machismo. O que acontece, então, não pode ser definido como nada menos do que uma vergonha. Ice Blue recebe a pergunta: “O rap é acusado de ser machista. Vocês pensam sobre isso?“, ao que responde com uma linha objetiva, rápida e seca de “A sociedade é machista, não é o rap. O rap só relata esse fato“. Muitas mulheres pretas do movimento negro e feminista não entenderam muito bem a resposta de Ice Blue – afinal, o que ele quis dizer? Sua intenção foi dizer que a sociedade é machista, mas o rap relata esse fato com letras críticas e combativas? Ou seria uma simples tentativa de justificar o machismo do rap dizendo que todo mundo é machista e, portanto, o rap relata esse machismo, sem que haja o comprometimento necessário de assumir uma posição contrária?

Com uma resposta tão vaga, ao contrário das suas demais colocações na entrevista, Ice Blue precisa parar para refletir sobre o machismo tanto quanto reflete sobre o racismo. Não dá pra fazer diferente, já que as mulheres negras são não somente negras, mas também mulheres, e suas especificidades não podem ser separadas. Como mulher negra da periferia do Nordeste – a região que é a periferia do Brasil -, não posso decidir em um determinado momento que serei somente negra e, em outro, somente mulher. As estatísticas estão aí para evidenciar que as mulheres negras são as maiores figurantes dos problemas sociais mais urgentes no Brasil, sendo vítimas até mesmo dos homens negros em contextos de violência doméstica e estupro. Se o movimento negro, a exemplo de Ice Blue, continua a falar de racismo no masculino, exemplificando somente a vivência dos homens negros, como o quadro de exploração e violação das mulheres negras poderá ser devidamente denunciado e combatido?

É verdade que nossa sociedade inteira é machista; o machismo não é exclusividade do rap e está em todos os estilos musicais, em todas as manifestações culturais e esferas do entretenimento. Mas está também nas correntes políticas e nos movimentos sociais, até mesmo nos de esquerda, além de se fazer presente também na periferia. Essa reflexão crítica precisa ir além das breves citações que visam apenas cumprir um papel demagogo. O machismo precisa ser nomeado, denunciado e combatido, sem meio termo.

Por isso, gostaria de convidar o rapper Ice Blue a se aprofundar no assunto e ler mais textos escritos por mulheres negras feministas, que produzem muito material relevante – no rap, inclusive. Aqui mesmo nessa coluna é possível ler uma entrevista com a incrível Yzalú. Mas não precisa parar por aí: inteligência, irmão, você tem de sobra. Mas ainda precisa aprender que as mulheres negras não vão mais aceitar papeis de figurantes em uma luta da qual também são protagonistas.

Fonte:Revista Fórum

+ sobre o tema

Verônica Lima, é a primeira vereadora negra em Niterói

Verônica Lima diz que a luta pela causa negra...

O fenômeno do arco-íris

Este fenômeno que estamos vendo nas redes sociais, diz...

para lembrar

Mulheres ganharão tanto quanto homens, mas só daqui a 136 anos

Levantamento mostra disparidade salarial entre gêneros nos EUA No O...

Vereadora sofre transfobia: “É roubar nossa dignidade não usar nome social”

Após ser vítima de transfobia, Benny Briolly (PSOL-RJ) conseguiu...

Denegrindo Ela

Um dos principais alertas que faço é que hoje...

Justiça proíbe revistas íntimas em mulheres que visitam presos nas cadeias de SP

TJ-SP concede liminar suspendendo revista destinada à retirada de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=