Índio eleito vereador em MS é vítima de ofensas em rede social

Aguilera de Souza (PSDC), de Dourados, teve 1.419 votos nas eleições.
Jovem excluiu perfil e publicação após reação na rede social.

 

O professor Aguilera de Souza (PSDC), de 37 anos, ocupará uma cadeira na Câmara de Vereadores de Dourados, cidade a 225 km de Campo Grande, a partir do início de 2013. Indígena e morador da aldeia Jaguapiru, foi eleito com 1.419 votos nas eleições do último domingo (7) e no dia seguinte à tão esperada vitória, segunda-feira (8), foi alvo de ofensas no Facebook publicadas por uma jovem.

A garota mora na mesma cidade em que o professor. Ela, conforme reprodução do comentário que circula pela internet, comentou o resultado da disputa em alguns municípios de Mato Grosso do Sul dizendo que não tinha “nada contra índios, mas acho que eles deveriam viver isolados numa selva na Amazônia vivendo da caça e da pesca”. Afirmou ainda que os índios “só dão prejuízo ao estado” e completou afirmando que estava mais leve por ter dito o que pensava.

Depois da repercussão negativa do comentário, que gerou represálias até por parte de outros internautas, a postagem e o perfil da jovem foram removidos. O G1 não conseguiu contato com a jovem ou com a mãe dela para comentar o assunto.

“Fiquei sabendo ontem por amigos do Facebook que me mostraram, mas repassei para assessoria jurídica e eles vão decidir o que fazer”, explicou Aguilera.

Mesmo sentindo-se ofendido com o comentário, o professor e futuro vereador de Dourados procura uma explicação para o que foi dito pela dona do perfil. “Talvez o comentário dela seja por não conhecer a causa indígena. Eu avalio muito o perfil de cada um e talvez tenha sido algo de momento que gerou um duplo significado”.

professoraguilera

Vereador
O índio conta que no dia da apuração dos votos, todos moradores da aldeia reuniram-se no centro da comunidade indígena para ouvir o resultado do pleito pelo rádio. “Se juntaram os anciãos, jovens e as crianças. Cada um ficava com expectativa esperando o resultado, foi uma emoção muito grande para todos quando terminou”, afirma.

Souza relata que tem um planejamento de trabalho voltado para as comunidades indígenas do município e que dentro da aldeia onde mora sempre teve a preocupação de trabalhar para a comunidade, mesmo antes de pensar na carreira política.

“Eu sou vereador do município, por isso tenho que ter uma visão ampla para cumprir meu papel como vereador. Não vou trabalhar só pela aldeia, mas pela comunidade como um todo”, conta Souza.

Vocação
Souza nasceu na aldeia Jaguapiru e ainda mora no local. Depois de concluir o Ensino Médio na rede pública, começou a cursar Pedagogia em uma universidade particular da cidade e depois fez pós-graduação na área.

Hoje ele dá aulas para o ensino fundamental em uma escola da aldeia e também do curso de pedagogia da universidade onde se formou. “Não vou me abalar com qualquer crítica, sempre lutei e agora vou continuar lutando de cabeça erguida”, completa.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial...

para lembrar

Rodada contra Racismo

Neste final de semana, a Confederação Brasileira de Futebol...

Olivier Rousteing: ‘A moda é racista’

Único negro à frente de uma grife de luxo,...

Tribunal de Londres processa zagueiro John Terry por racismo

LONDRES, Reino Unido — O capitão da seleção inglesa...

Procon-SP notifica shopping após mãe denunciar racismo

O Procon-SP notificou ontem o Bourbon Shopping São Paulo...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=