Guest Post »

Livre elege Joacine Katar Moreira para o Parlamento

Joacine Katar Moreira foi eleita deputada pelo Livre. Este partido junta-se assim ao Iniciativa Liberal e ao Chega na estreia parlamentar.

Do Negócios

Joacine Katar Moreira, eleita pelo Livre. (Sara Matos / Global Imagens)

O Livre fundado em 2014 pelo historiador Rui Tavares assegurou, pela primeira vez, representação no Parlamento.

Joacine Katar Moreira foi a cabeça de lista por Lisboa e será a representante do Livre no Parlamento. A futura deputada tem 37 anos e é natural da Guiné-Bissau. Licenciada em História Moderna e Contemporânea – vertente de Gestão e Animação de Bens Culturais e mestre em Estudos do Desenvolvimento. É doutorada em Estudos Africanos pelo ISCTE-IUL. Foi bolseira de Investigação a trabalho em arquivos e consultora em Organizações não-governamentais. É ativista anti-racista.

Joacine Katar Moreira, cabeça-de lista do Livre, foi eleita por Lisboa LUSA/RODRIGO ANTUNES

Depois de ter alcançado 2,18% dos votos nas eleições europeias de 2014, ficando à beira de eleger Rui Tavares para o Parlamento Europeu, a coligação Livre-Tempo de Avançar não foi além dos 0,73% nas legislativas do ano seguinte.

Já em maio último, o partido voltou a crescer nas urnas ao obter 1,83% nas europeias.

Joacine Katar Moreira, eleita pelo Livre. RODRIGO ANTUNES/LUSA

A cabeça de lista do Livre por Lisboa, eleita nas legislativas de domingo, afirmou hoje que “não há lugar para extrema-direita no parlamento”, salientando que o seu partido será “a esquerda anti-fascista e anti-racista”.

“Não há lugar para extrema-direita no parlamento português”, gritou Joacine Katar Moreira no púlpito montado na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa, após confirmar que tinha garantido a eleição.

 

Leia Também:

Legislativas em Portugal: O que quer Joacine Katar Moreira?

Livre defende quotas étnico raciais para “reduzir assimetrias”

 Joacine Katar Moreira visita Geledés 

“Não se pode defender apenas algumas igualdades”, pedem as feministas negras

Instituto da Mulher Negra em Portugal criado para lutar contra “silenciamento e invisibilização”

Related posts