Manifesto de repúdio à violência da política de segurança em São Paulo

Nos últimos 20 anos, São Paulo testemunhou uma expansão vertiginosa do sistema penitenciário, mais que triplicando o número de vagas então existentes. Em detrimento de alternativas educacionais aos nossos jovens e de tratamento digno para dependentes químicos, a “solução” penal foi intensificada, se não bastasse sem as garantias previstas pela Lei de Execução Penal (Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984) e pelo Estatuto da Criança e do adolescente. Nas periferias há um misto de ausência de um Estado provedor do bem-estar social e do excesso do Estado punitivo através das forças de repressão e da violência letal acobertada pelo uso do termo “resistência seguida de morte”. Ao mesmo tempo em que as práticas de extermínio se multiplicam e vem espalhando as mortes violentas de moradores pobres, preferencialmente jovens e negros, das periferias da cidade. As instituições e as políticas de segurança não podem estar a serviço de uma máquina de guerra, quaisquer que sejam as suas causas, seus atores e suas motivações. A lógica da guerra para o enfrentamento de problemas relativos à segurança pública é o que introduz e aprofunda a insegurança que hoje afeta a vida de homens e mulheres dessa cidade.

Os responsáveis pela segurança pública devem estar à altura da responsabilidade de suas atribuições e o uso de práticas extra-legais que alimentam essa guerra não podem ser toleradas e muito menos devem fazer parte dos recursos do Estado. O alvo dessa lógica punitiva são aqueles que podem ser identificados pelos três adjetivos: “pretos”, “pobres”, “periféricos”. Trata-se de uma política seletiva.

Nesse momento em entra na pauta política uma parceria entre o Governo Estadual e o Governo Federal, entendemos que as opções a serem discutidas e negociadas não devem ser uma mera soma às políticas punitivas praticadas pelo Governo paulista. Devem ser regidas por uma política de segurança que garanta os direitos e a participação de todos. Uma política de segurança que desative a lógica da violência e extermínio que hoje prima em nossa cidade. Uma política de segurança construída com a participação efetiva dos Outros, os que são afetados pela lógica cada vez mais militarizada da gestão do social.

O que pedimos é uma nova soma. Quer dizer: Uma Democracia Real. E isso tem que ser agora, pois o limite entre ficar vivo e ser exterminado está mais turvo do que nunca. Parem de matar!

 

 

+ sobre o tema

Tragédia une mães de jovens mortos por policiais

Jefferson Puff "Cheguei na hora. Vi direitinho. O policial da...

Movimento contra Bolsonaro ganha adeptos na rede

Adoro uma série de TV norte-americana que se chama Salem....

‘Nunca vi preto mandar’ – Advogada é condenada a pagar R$ 30 mil por racismo

A Justiça do Trabalho condenou uma advogada a pagar...

Efeito Madonna no Rio

Uma mulher. Uma mulher de 65 anos. Uma artista...

para lembrar

A polícia não está em guerra com seu povo. Ao menos, não deveria

Quando alguns amigos me contam, com a indignação à...

Racismo no futebol cresce; clubes engatinham na orientação a jogadores

Casos de injúria nos estádios do país bateram recorde...

Sobre as mães de filhos mortos

minha mãe partiu, se eu fosse me lamentar hoje...

ONU denuncia ataques racistas contra Vinicius Junior

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=