Meghan Markle e a popularização do feminismo esculachada na internet. Por Nathalí Macedo

Ainda é mais fácil encontrar mulheres com medo de se assumirem feministas do que mulheres que mostrem orgulho desse rótulo e ilude-se quem pensa o contrário.

Por Nathalí Macedo, do DCM

Ben STANSALL- WPA Pool//Getty Images

Não é só culpa da mídia sensacionalista: pequenos grupos de feministas radicais são frequentemente filmados em cenas chocantes (enfiando crucifixos na vagina, por exemplo), e a imagem do movimento acaba deturpada no caminho de sua popularização.

A popularidade do feminismo (especialmente do feminismo liberal e do feminismo interseccional), queira-se ou não, é projetada – além de nas camadas populares e na internet – nas celebridades e figuras públicas que assumem a causa, como Emma Watson, Viola Davis e Elza Soares (entre muitas, muitas outras).

A duquesa de Sussex, nascida Meghan Markle, casou-se com o príncipe Harry na Capela de São Jorge e também declara-se feminista.

Ela luta pela causa desde os 11 anos de idade, quando fez uma campanha de sucesso para que uma empresa de detergentes modificasse seu anúncio sexista (se uma mulher dessas na família real não é um fio de esperança neste momento histórico da involução progressista no mundo, entreguemos os pontos).

Para os padrões norte-americanos, a duquesa é negra. Indiscutivelmente latina e assumidamente feminista, ela resolveu – e  por que não? – seguir o sonho de se casar com um príncipe.

Em um conceito simples e didático, o feminismo existe para que as mulheres façam o que tenham vontade de fazer (e não para que suas ações sejam julgadas e problematizadas por outras mulheres).

Mas o que a turma da problematização – que, em sua maioria, se autointitula feminista – faz na internet? Problematiza.

Alguns dizem que o negócio é não dar a mínima para a família real –  e eu adoraria não dar a mínima para a família real, mas essa cafonice ainda existe e ainda faz parte de nossa realidade geopolítica. Tipo a sandália crocs: é ridículo e fora de moda, mas precisamos lidar. Paciência.

Nesse caso, melhor que seja uma feminista latina a se casar com o príncipe e não uma Melania Trump da vida, certo?

Além de reclamarem da muita atenção que se tem dado ao casamento real, estão reclamando também – reclamar é uma especialidade na internet – da escolha antiquada de se casar com um príncipe e cumprir todos os ditames reais por amor – ou por fetiche, ou por vontade, o que importa?

Algumas mulheres escolhem seguir suas carreiras, outras escolhem o casamento e a maternidade, outras escolhem viajar o mundo, outras escolhem tudo isso junto, outras escolhem casar-se com príncipes e lutar por causas humanitárias, e outras escolhem simplesmente existir (de preferência em um mundo que não as violente).

O mínimo que se pode esperar de um discurso feminista é que se deixe uma mulher viver suas escolhas em paz. Se essa mulher puder e quiser representar a causa, ponto pra ela – e pra nós.

Leia Também:

Você se sentiu representada (o) no casório da família real britânica?

+ sobre o tema

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira...

Convenção Interamericana para Prevenir , Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher

Os Estados partes nesta Convenção, RECONHECENDO que o respeito irrestrito...

Fundo ELAS lança XX Concurso com inovação.

O Concurso “Gestão Escolar para Equidade: Elas nas Exatas”,...

Pastor Silas Malafaia organiza marcha contra o casamento gay em Brasília

Protesto em frente ao Congresso Nacional vai defender Marco...

para lembrar

Thais Ferreira: A mente brilhante das oportunidades a quem não tem

Jovem carioca planta sementes para que população mais vulnerável...

Mulheres de Sucesso: Forbes destaca 20 nomes em 2021

A revista Forbes Brasil listou as 20 Mulheres de Sucesso do...

A constituição das identidades de gênero no espaço escolar com os perpasses do discurso religioso

Na pós-modernidade, as releituras incessantes na academia de estudiosos(as),...

Bullying Homofóbico

Ataques e formas sistemática de intimidação contra crianças /...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=