Movimento Negro destaca necessidade de combater o racismo para além dos campos de futebol

Ideia foi defendida em reunião de representantes do segmento com a presidenta Dilma Rousseff na semana passada

 

 

Na reunião que tiveram com a presidenta Dilma Rousseff semana passada, representantes do Movimento Negro defenderam a ideia de que o futebol é apenas uma entre as muitas instâncias da sociedade brasileira em que o racismo se manifesta. Na ocasião, as lideranças reafirmaram a necessidade de combater o racismo em todos os setores da área pública e privada. O encontro articulado pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e pela Secretaria-Geral contou com a participação da ministra Luiza Bairros e do ministro Gilberto Carvalho, titulares respectivos das duas pastas.

“A grande contribuição que o movimento negro trouxe para essa discussão é que a questão principal não é o racismo na copa do mundo. A questão principal é o que existe nas sociedades e se manifesta no futebol. E todas as propostas apresentadas para a presidenta Dilma apontaram nessa direção”, declarou a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros. Ainda assim, de acordo com a chefe da SEPPIR, o governo está empenhado na realização de uma campanha pela ‘Copa contra o racismo’.

“A escravidão foi substituída por relações de subordinação social por causa do racismo”, destacou a presidenta Dilma Rousseff. Antes da reunião com o movimento negro, ela recebeu o jogador do Cruzeiro, Tinga, e o juiz Márcio Chagas da Silva, ambos vítimas de racismo em partidas de futebol no Peru e no Rio Grande do Sul.

De acordo com a ministra Luiza Bairros, a reunião deu continuidade a uma série de iniciativas que vêm sendo adotadas pelo governo federal no sentido de deixar evidente para a sociedade brasileira que o racismo é repudiado pelo governo e que, portanto, também a sociedade deve se mobilizar para combatê-lo. “A presidente se mostrou muito comprometida com a causa”, afirmou Helcias Roberto Paulino Pereira, dos Agentes Pastorais Negros. Já Clédisson Júnior, do Enegrecer, disse ter considerado que a reunião foi uma conquista para as demandas da população negra e que voltava para casa “convencido da marca do gol”.

Transversalização da questão racial
Na avaliação de Ana Flávia Magalhães Pinto, o momento exige investimentos na estratégia de pautar as áreas para a transversalização da questão racial no âmbito do governo. Representante da Campanha ‘A Cor da Marcha’, ela reforçou a necessidade de retomar o diálogo com os ministérios e destacou a importância do fortalecimento das mídias alternativas no processo de democratização da comunicação. “O governo precisa encontrar meios de investir nas mídias alternativas”, completou.

Saúde da População Negra
Representando o Instituto Odara, Emanuele Góes sugeriu que o Ministério da Saúde (MS) seja priorizado na retomada do diálogo com as áreas de governo, visando à implementação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN). Um dos principais pontos da pauta é a instalação de uma instância no MS para cuidar da Política, que foi aprovada pelo Conselho em 2006, oficializada pelo MS em 2009 e inserida no Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288, de 2010).

Juventude – Valdina Pinto, Makota do Terreiro Tanuri Junsara, destacou a importância das representações jovens na reunião, defendendo que o segmento terá a responsabilidade de dar continuidade aos avanços dos últimos anos na questão racial, já que “ainda há muito a ser conquistado”. Ela se referiu à participação de Douglas Elias Belchior (Uneafro Brasil), que propôs ao movimento a construção de uma dinâmica para que as demandas da população negra sejam mantidas na agenda do governo.

Esse foi um dos aspectos bastante enfatizados nas reuniões de hoje, que é justamente de utilizar as ações do governo federal para mobilizar outras instituições inclusive dentro do judiciário para que todo esse corpo de legislação possa ser utilizado de modo mais efetivo em favor da punição dos crimes de racismo.

Representações
Participaram da reunião as seguintes lideranças e suas respectivas entidades: Helcias Roberto Paulino Pereira (Agentes Pastorais Negros – APNs), Paulino de Jesus Francisco Cardoso (Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) – ABPN), Maria da Conceição Lopes Fontoura (Articulação de Mulheres Negras Brasileiras – AMNB), Valkíria de Sousa Silva – Kika de Bessen (Centro de Africanidade e Resistência Afro-brasileira – Cenarab), Clédisson Geraldo dos Santos Júnior (Coletivo nacional de Juventude Negra – Enegrecer), Arilson Ventura (Coordenação Nacional das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), Frei David Raimundo dos Santos (Educação de Carentes e Afrodescendentes – Educafro), Maria Júlia Reis Nogueira (Central Única dos Trabalhadores – CUT), João carlos Borges Martins (Associação nacional dos Coletivos de Empresários e Empreendedores Afro-brasileiros (Anceabra), Manoel Júlio de Souza Vieira (União de negros pela Igualdade – Unegro), Ana Flávia Magalhães (Campanha A Cor da Marcha), Maria Conceição Costa (Observatório Negro), Edison Benedito Luiz (Coordenação Nacional de Entidades Negras – Conen), Valdina Pinto (Renafro – Rede de organizações de tradição de matriz africana), Hélio Santos (Fundo Baobá para Equidade Racial), Emanuelle Góes (Odara – Instituto da Mulher Negra), Douglas Elias Belchior (Uneafro Brasil), Ana Maria Gonçalves (escritora).

Fonte: Seppir

+ sobre o tema

Igreja Anglicana aprova ordenação de mulheres como bispos

Aprovação acontece dois anos após uma tentativa similar ter...

‘Levantaríamos a voz a favor da democracia’, diz vice da Colômbia sobre golpe no Brasil

No próximo dia 7, a Colômbia viverá um momento histórico: Gustavo Petro,...

para lembrar

O empoderamento necessário

O termo empoderamento muitas vezes é mal interpretado. Por...

Vídeo de assediador agredindo mulher na rua choca a França

Um homem assediou uma estudante francesa em uma rua...

Domésticas não acreditam que ampliação dos direitos provocará demissões

Brasília – A ampliação dos direitos dos empregados domésticos,...

Mulheres negras enfrentam barreira maior no mercado de tecnologia

O Brasil tem mais negros (56%) e mulheres (52%),...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=