“Não ficarei em silêncio” Serena Williams citou Martim Luther King para se posicionar sobre tensão racial

Serena Williams desabafou sobre a polêmica racial nos EUA. Em texto publicado em seu Facebook, a tenista norte-americana disse que não se calará sobre os recentes acontecimentos em relação à violência policial contra a população negra nos EUA.

no UOL

Em seu desabafo na rede social, Serena contou uma história cotidiana sobre seu jovem sobrinho negro e terminou refletindo sobre a situação racial nos EUA. No fim, ela ainda reproduziu uma frase do líder Martim Luther King.

“Como o Dr. Martin Luther King disse: ‘chega uma hora em que o silêncio é traição’. Eu não vou ficar em silêncio”, escreveu Serena, em post com quase 45 mil curtidas e sete mil compartilhamentos após três horas.

Há uma semana, a cidade de Charlotte, na Carolina do Norte, no sul dos EUA, tornou-se palco de manifestações contra a morte de Keith Lamont Scott, 43 anos, na terça-feira (20) passada.

Segundo versão da Polícia, Scott foi morto a tiros por um policial porque se recusou a largar uma pistola. Mas testemunhas afirmaram que ele carregava um livro – e não uma arma de fogo. A divergência sobre a morte de Scott reativou a todo vapor a tensão racial nos EUA, com manifestações diárias, quebra-quebra e dezenas de feridos pelo país.

Veja abaixo a íntegra do texto escrito por Serena Williams

[quote font=”helvetica” font_size=”20″ bgcolor=”#” color=”#” bcolor=”#” arrow=”yes”]Hoje pedi ao meu sobrinho de 18 anos (para ser claro, ele é preto) para me levar para as reuniões para que eu possa trabalhar no meu celular #safteyfirst. No caminho eu vi a polícia na beira da estrada. Eu olhei rapidamente para verificar se ele estava obedecendo o limite de velocidade. Então eu lembrei daquele vídeo horrível da mulher no carro quando um policial atirou no seu namorado. Tudo isso passou pela minha cabeça em questão de segundos. Eu até me arrependi não estar dirigindo. Eu nunca me perdoaria se algo acontecesse com meu sobrinho. Por que eu tenho que pensar sobre isso em 2016? Nós [os negros] não passamos por coisas o suficiente, abrindo tantas portas, impactado milhares de milhões de vidas? Mas eu percebi que devemos seguir em frente – por que não é o quão longe nós chegamos, mas quanto mais longe podemos ir. Eu então me perguntei: “eu dei minha opinião”? Eu tive que olhar para mim mesma. E o meu sobrinho? E se eu tivesse um filho? E sobre as minhas filhas? Como o Dr. Martin Luther King disse: “chega uma hora em que o silêncio é traição”.[/quote]

Eu não vou ficar em silêncio,
Serena. 

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Chacina racista busca agradar Bolsonarismo

“Isso é para mostrar serviço, primeiro, para os bolsonaristas,...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

para lembrar

Dona Zica Assis responde ao artigo: “Respeite nosso cabelo crespo”

Carta de Zica Assis - Beleza Natural   Oi Ana Carolina, Meu...

É sempre o mesmo racismo!

Confira o poema É sempre o mesmo racismo! Não é...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=