“Não ficarei em silêncio” Serena Williams citou Martim Luther King para se posicionar sobre tensão racial

Serena Williams desabafou sobre a polêmica racial nos EUA. Em texto publicado em seu Facebook, a tenista norte-americana disse que não se calará sobre os recentes acontecimentos em relação à violência policial contra a população negra nos EUA.

no UOL

Em seu desabafo na rede social, Serena contou uma história cotidiana sobre seu jovem sobrinho negro e terminou refletindo sobre a situação racial nos EUA. No fim, ela ainda reproduziu uma frase do líder Martim Luther King.

“Como o Dr. Martin Luther King disse: ‘chega uma hora em que o silêncio é traição’. Eu não vou ficar em silêncio”, escreveu Serena, em post com quase 45 mil curtidas e sete mil compartilhamentos após três horas.

Há uma semana, a cidade de Charlotte, na Carolina do Norte, no sul dos EUA, tornou-se palco de manifestações contra a morte de Keith Lamont Scott, 43 anos, na terça-feira (20) passada.

Segundo versão da Polícia, Scott foi morto a tiros por um policial porque se recusou a largar uma pistola. Mas testemunhas afirmaram que ele carregava um livro – e não uma arma de fogo. A divergência sobre a morte de Scott reativou a todo vapor a tensão racial nos EUA, com manifestações diárias, quebra-quebra e dezenas de feridos pelo país.

Veja abaixo a íntegra do texto escrito por Serena Williams

[quote font=”helvetica” font_size=”20″ bgcolor=”#” color=”#” bcolor=”#” arrow=”yes”]Hoje pedi ao meu sobrinho de 18 anos (para ser claro, ele é preto) para me levar para as reuniões para que eu possa trabalhar no meu celular #safteyfirst. No caminho eu vi a polícia na beira da estrada. Eu olhei rapidamente para verificar se ele estava obedecendo o limite de velocidade. Então eu lembrei daquele vídeo horrível da mulher no carro quando um policial atirou no seu namorado. Tudo isso passou pela minha cabeça em questão de segundos. Eu até me arrependi não estar dirigindo. Eu nunca me perdoaria se algo acontecesse com meu sobrinho. Por que eu tenho que pensar sobre isso em 2016? Nós [os negros] não passamos por coisas o suficiente, abrindo tantas portas, impactado milhares de milhões de vidas? Mas eu percebi que devemos seguir em frente – por que não é o quão longe nós chegamos, mas quanto mais longe podemos ir. Eu então me perguntei: “eu dei minha opinião”? Eu tive que olhar para mim mesma. E o meu sobrinho? E se eu tivesse um filho? E sobre as minhas filhas? Como o Dr. Martin Luther King disse: “chega uma hora em que o silêncio é traição”.[/quote]

Eu não vou ficar em silêncio,
Serena. 

+ sobre o tema

Mulheres da Independência: 3 mulheres são heroínas do 2 de Julho

Costureiras, esposas, mães, filhas, negras ganhadeiras que trabalhavam para...

8 de março: Brasil dá três passos para trás

Em fevereiro a Espanha aprovou uma ampla legislação que...

Seafro monitora estatísticas de mulheres negras vítimas de violência

=O Núcleo de Saúde, Gênero e Religiões de Matiz...

para lembrar

Maré se levanta contra preconceito aos LGBTs

No último 7 de setembro cerca de dez mil...

Jogadoras inglesas ganham direito à licença maternidade

Jogadoras dos 24 clubes da Super Liga de futebol...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=