O dia em que o judo venceu o racismo

Depois de ter sofrido uma onda de críticas e comentários racistas quando foi precocemente eliminada nos jogos de Londres, em 2012, a judoca Rafaela Silva venceu muito mais que o ouro neste Rio 2016.

no TSF

É brasileira, é negra, tem 24 anos e é a nova campeã olímpica de judo. Rafaela Silva conquistou esta segunda-feira a medalha de ouro na categoria de -57 kg, na qual Telma Monteiro trouxe o bronze para Portugal.

Venceu todas as cinco atletas que encontrou. Na final, derrotou a número um do ranking mundial, a mongol Sumiya Dorjsuren. Foi o esperado dia de glória de Rafaela Silva.

A judoca não só ganhou o primeiro ouro para o Brasil nestes Jogos Olímpicos como fez história, ao tornar-se na primeira mulher brasileira a ser campeã mundial e olímpica de judo.

Era uma vez na favela

É conhecida pela “fome de competir”, mas o caminho até ao topo não foi fácil. Oriunda da favela da Cidade de Deus (sim, a mesma do filme de Fernando Meirelles), Rafaela Silva teve uma infância complicada. Diz que foi o desporto que a salvou: “A minha vida é o judo. Se não fosse o judo, não sei onde estaria agora”.

Na favela, era uma menina que gostava de bater nos rapazes. Os pais decidiram pô-la no Instituto Reação, uma ONG carioca – criada por um outro judoca brasileiro vencedor de uma medalha olímpica, Flávio Canto – que promove a inclusão social de crianças e adolescentes de alguns dos bairros mais problemáticos do Rio de Janeiro através do judo.

Na altura Rafaela tinha 5 anos e já dizia que um dia iria competir nos Jogos Olímpicos.

A polémica racista

O sonho havia de realizar-se em 2012, com a participação nos Jogos Olímpicos de Londres, mas traria um sabor amargo. Rafaela foi desclassificada no segundo confronto, por ter aplicado uma técnica ilegal, sendo eliminada da competição.

O acontecimento gerou uma onda de reações negativas e comentários racistas nas redes sociais. “Disseram-me que o lugar dos macacos era na jaula, e não nas Olimpíadas, que eu era uma vergonha para a minha família, que estava gastando o dinheiro que as pessoas pagavam de imposto”, conta a atleta.

Rafaela Silva respondeu com linguagem imprópria àqueles que a atacaram nas redes sociais e o caso gerou tal polémica nos mediaque a Confederação Brasileira de Judo exigiu à judoca que tornasse privadas as redes sociais.

Depois do sucedido, a atleta mergulhou numa depressão. Esteve dois meses sem treinar e pensou desistir do judo para sempre. Mas o treinador de Rafaela, Geraldo Bernardes, impediu-a.

[quote font_size=”23″ bgcolor=”#” color=”#000000″ bcolor=”#” arrow=”yes”]”Não podíamos perder um talento assim”, diz o treinador. Rafaela começou um intensivo processo de recuperação psicológica que lhe havia de trazer de volta a autoestima e “a fome de competição”..[/quote]

O renascer do sonho

Em 2013, Rafaela venceu o ouro no campeonato do mundo de judo e, a partir daí, nunca mais ninguém a parou. Tornou-se sargento da marinha e preparou-se para estar ao mais alto nível no Rio 2016. “Treinei muito depois de Londres porque não queria repetir o sofrimento. E agora sou campeã olímpica”, diz a atleta.

E como a Arena Carioca fica mesmo ali ao lado, os pais de Rafaela Silva, Zenilda e Luís Carlos, apanharam o autocarro a partir da Cidade de Deus e puderam assistiram ao vivo à vitória olímpica da filha.

[quote font_size=”23″ bgcolor=”#” color=”#000000″ bcolor=”#” arrow=”yes”]”Mostrei aqui que uma pessoa saída da favela pode tornar-se campeã. A lição que fica para as crianças é que, se têm um sonho, batalhem”, disse Rafaela após a vitória.[/quote]

rafaela ouro rafaela ouro2 rafaela ouro3 rafaela ouro4 rafaela ouro5 rafaela ouro6

+ sobre o tema

Marina: Paradoxos

 Há algo perturbador na performance eleitoral de Marina da...

As 9 pessoas que você provavelmente vai namorar, de acordo com Simone De Beauvoir

Quando você tenta encaixar os seus "casos" recentes em...

Spin-off de “Homem-Aranha” deve ter equipe de mulheres como protagonistas

Mais do que nunca, as mulheres estão vindo com...

A ‘neurocientista’ de 7 anos que faz sucesso ensinando ciência na internet

Amoy Antunet Shepherd tem 7 anos e, ainda que...

para lembrar

Maré se levanta contra preconceito aos LGBTs

No último 7 de setembro cerca de dez mil...

Luiza Bairros ministra da Secretaria de Igualdade Racial – SEPPIR

A presidente eleita, Dilma Rousseff, chamou a socióloga Luiza...

Rebeca Andrade lidera Brasil à prata por equipes no Pan-Americano

Rebeca Andrade estreou com uma medalha de prata nos...

Niterói e região registram um caso de violência contra LGBTs por dia

A indignação brota com as lágrimas que transbordam dos...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=