Pena de morte?!

Hoje, ouvi um relato sobre um assalto. O ônibus retornava da cidade de Aparecida (SP) e foi interceptado por assaltantes armados com Calibre 12. Quem contou disse que o motorista foi obrigado a conduzir o ônibus até um canavial. Lá, durante um tempo que pareceu a eternidade, os passageiros foram aterrorizados com gritos, ameaça e obrigados a tirar a roupa (ficaram apenas com as roupas íntimas). Devotos e devotas de Nossa Senhora Aparecida, as vítimas rezavam fervorosamente. Longe de apaziguar ou sensibilizar os assaltantes, isto, segundo o relatado, os irritavam ainda mais. “Eles não têm Deus no coração; alguém que comete um ato desse não é de Deus”, disse. Após contar os detalhes, a pessoa, ainda visivelmente traumatizada, falou que não queria que os bandidos fossem presos, mas sim mortos. “É o que mereciam”, enfatizou. Nas circunstâncias, considerei melhor apenas ouvir. Mas fiquei a pensar: como alguém que se afirma cristão pode querer a morte de outro ser humano? A religião não ensina a perdoar?

Por Antonio Ozaí da Silva Do Antonio Zai

Compreendo a revolta. Ninguém sai psicologicamente ileso de uma experiência como esta. A violência causa traumas irreparáveis e destrói os alicerces da ética e da humanidade. Esta pessoa desejou a morte dos bandidos, sem mesmo a prisão e julgamento. Pode ter sido apenas um desabafo, uma manifestação impensada motivada pelo trauma. “Não pensava assim antes do ocorrido” afirmou. Contudo, se esta opinião for mantida, é mais um que, muito provavelmente, será a favor da pena de morte. Relatos como este, que enfatizam a crueldade, a forma desumana de tratamento, reforçam os argumentos de quem defende a pena de morte.

Não faltam argumentos favoráveis à pena de morte. Há até mesmo quem encontre fundamentação bíblica favorável à pena de morte. A religiosidade não é necessariamente empecilho ao desejo de morte. Há quem argumente que o sistema prisional não cumpre a função de ressocialização do criminoso, não regenera. Pelo contrário, alimenta a espiral de violência e mantém a possibilidade da reincidência. Ou seja, a sociedade tem o direito de se proteger e a melhor forma de proteção é “cortar o mal pela raiz”. A morte de determinados indivíduos, considerados irrecuperáveis, seria positivo para o sistema prisional e eliminaria de vez o perigo. Além disso, a pena de morte contribuiria para diminuir a lotação dos presídios – seja pela eliminação física ou pela intimidação, os indivíduos pensariam melhor antes de cometerem crimes – e diminuiria a influência maléfica sobre os demais prisioneiros, ampliando as chances de reabilitação.

Outro argumento é que determinados indivíduos são, por natureza, incapazes de sentir remorso, de empatia, de reconhecer a humanidade no outro; são psicologicamente incuráveis. Não são humanos, mas sim monstros. Não devem, portanto, serem tratados humanamente. Se tiverem chances, inevitavelmente irão reincidir. O melhor para a sociedade é livrar-se deles de forma definitiva. Por que a sociedade deveria arcar com os custos de manter vivos tais indivíduos – ainda que condenados à prisão perpétua?

Talvez o argumento mais forte seja conceber que a pena de morte é justa, ou seja, que ela restitui a justiça à parte atingida. Trata-se de uma leitura enviesada da “lei do talião”: a dor e o sofrimento infligidos à vítima e sua família exigem a morte do assassino. Só assim é possível restaurar o equilíbrio, consolar e amenizar o sofrimento. A punição com a morte é preço cobrado pela vida que foi ceifada.

O ser humano é capaz de matar, e também capaz de encontrar argumentos e justificativas para a morte de quem matou – em nome da justiça. Façamos o esforço da compreensão, pois é demasiadamente humano. Todavia, o que aqui denomina-se de “justiça” é, de fato, vingança. Eis a motivação principal de quem defende a pena de morte: o desejo de vingança!

+ sobre o tema

Os boatos sobre as mamografias do SUS

Sugerido por Fiódor Andrade   DO MUDAMAIS.COM UMA MENTIRA CONTADA 88 MIL...

‘Ovário artificial’ pode ajudar mulheres a engravidar após quimioterapia

Técnica foi testada com sucesso em camundongos, mas precisa...

Das 50 cidades mais violentas do mundo, 14 são brasileiras

Roberta Lopes Pelo menos 14 cidades brasileiras estão entre...

O medo: uma velha desculpa para novos retrocessos

Artigo de Juana Kweitel para o El País sobre...

para lembrar

Uma Justiça cega para o racismo

    BRASÍLIA - Os juristas brasileiros ignoram...

Porcentagem de trabalhadores domésticos diminui; formalização aumenta

A participação de trabalhadores domésticos no total de ocupados...
spot_imgspot_img

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...

Comissão Arns recebe Prêmio Eny Moreira de Direitos Humanos

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns recebeu, na tarde da última quarta-feira (05/06), o Prêmio Eny...
-+=