Pesquisa: acesso a diagnóstico de câncer de mama pelo SUS ainda é tardio

Embora a qualificação dos exames laboratoriais feitos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) tenha recebido avaliação positiva por parte das usuárias do serviço, com 90% de aprovação, o prazo para acesso ao diagnóstico de câncer de mama ainda é tardio. É o que revela pesquisa inédita feita pelo Instituto Datafolha para a Fundação Laço Rosa, divulgada hoje (31), no Rio de Janeiro, durante o Fórum de Políticas para o Câncer de Mama.

Por Alana Gandra Do Agência Brasil

A pesquisa buscou investigar os problemas registrados no estado do Rio de Janeiro para o tratamento do câncer de mama. “Ainda tem grandes barreiras”, disse a presidente voluntária da Fundação Laço Rosa, Marcelle Medeiros. O Instituto Datafolha entrevistou 240 mulheres, pacientes em tratamento de câncer de mama ou em fase diagnóstica, atendidas pelo SUS no estado do Rio de Janeiro, entre os dias 2 e 10 deste mês, e verificou que o atendimento está concentrado na região metropolitana do Rio, em especial na capital.

A sondagem mostra que o tempo médio até o diagnóstico das mulheres entrevistadas oscila entre oito e nove meses e que uma em cada dez mulheres nunca fez nenhum exame preventivo. A presidente da Fundação Laço Rosa avaliou que o que é diagnosticado no estágio um, depois de nove meses, pode agravar a saúde da mulher com câncer de mama, pois  “O tempo, de fato, corre contra”. Por isso, Marcelle disse ser fundamental que se faça o diagnóstico no prazo mínimo de 60 dias, como estabelece a lei, “que também já é um tempo demorado demais”.

De acordo com a pesquisa, 19% das pacientes do SUS necessitam recorrer a plano de saúde ou exames particulares para complementar exames cobertos pelo SUS; 77% passam pelo atendimento de até quatro médicos, em vez de um único profissional que possa acompanhá-las do início até o final do tratamento. Outros resultados revelam que um terço das entrevistadas têm parentes de primeiro grau com câncer de mama e que, para elas, receber o diagnóstico e perder o cabelo são os piores momentos da doença.

Marcelle destacou ainda que as mulheres consultadas gostariam de participar de eventos referentes à doença. A mobilização registrada no fórum prova isso, afirmou. Ela defendeu também que as campanhas precisam estar alinhadas ao grau de escolaridade das pacientes, que é baixo, de modo a adequá-las ao público. Outro dado importante, segundo ela, é que 83% das mulheres nunca utilizaram o trabalho de organizações não governamentais (ONGs) que atuam nessa área: “Isso demonstra que não existe uma relação entre o poder público e as organizações da sociedade civil que poderiam, muitas vezes, estar ajudando o poder público nesse trabalho”. Falta, sustentou, uma política pública que inclua as organizações sociais nesse debate.

Marcelle disse que há um longo caminho a ser percorrido e temas para serem debatidos, visando a construção de uma solução conjunta entre especialistas, autoridades, associações médicas e entidades ligadas ao tratamento do câncer de mama no Brasil.

Termo de compromisso

Durante o fórum, começou a ser construído um termo de compromisso para melhoria do cenário atual. “O termo é colaborativo”, afirmou Marcelle. Ele será colocado para consulta pública, de modo a ser criado em colaboração com a sociedade civil, antes de ser levado a todas as esferas do poder público.

O fórum terá continuidade  pelas redes sociais, com o objetivo de construir as melhorias propostas. Segundo o Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), do Ministério da Saúde, o número de casos novos de câncer de mama deve alcançar quase 58 mil no país, em 2016.

+ sobre o tema

Racismo Prejudica Combate a AIDS

Entrevista/Karen Bruck Coordenadora do Programa Integrado de Ações Afirmativas para...

‘Novo câncer’ pode ser desencadeado por implante de silicone

Um novo tipo de câncer, chamado linfoma anaplásico de...

Cerca de 100 especialistas em HIV estavam em avião da Malásia

Mortes de dezenas de destacados especialistas na área provocam...

“Mais Médicos” reforça a atenção básica na Maré

A Vila dos Pinheiros, uma das 15 comunidades que...

para lembrar

18 expressões gordofobicas para desconstruir agora, imediatamente, já!

1. “Acima do PESO IDEAL” Essa expressão, “peso ideal” dá...

10 frases que precisamos parar de falar para as meninas urgentemente

As perguntas listadas e os motivos porque elas precisam...
spot_imgspot_img

Alcance e capacitação profissional são desafios do SUS para tratamento de autismo

Na sala de estimulação sensorial, equipada com piscina de bolinha, rede e pula pula, a pequena Lara de Almeida, 4, é acompanhada por uma...

Primeiras doses da vacina do SUS contra dengue chegam ao Brasil

A primeira remessa da vacina contra a dengue que será oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) chegou ao Brasil neste sábado (20). O...

Saúde: 307 crianças ianomâmis desnutridas foram resgatadas em 2023

Ao longo do ano de 2023, 307 crianças ianomâmis diagnosticadas com desnutrição grave ou moderada foram resgatadas e recuperadas, segundo o Ministério da Saúde. Há quase...
-+=