Polícia Civil e UFG investigam ranking da ‘pegação’ dos estudantes

A Polícia Civil de Goiânia vai investigar o crime de racismo entre estudantes que divulgaram nas redes sociais uma lista que classifica as mulheres de acordo com suas características físicas. O “ranking da pegação”, como chamam os universitários, cita as negras como “pretinha bonitinha” e “preta feia” e outras mulheres como “gostosa gata”.

no DM

A lista foi produzida para o evento InterUFG (Jogos Internos da Universidade Federal de Goiás), uma das maiores festas universitárias da região Centro-Oeste. Após a repercussão do caso e uma reunião de urgência com os alunos organizadores, a direção da federal decidiu retirar o nome UFG do evento.

A lista que circula no Facebook e em grupos de WhatsApp apresenta “regulamentos” para uma competição entre estudantes cujo vencedor é aquele que mais pontuar ao transar com mulheres.
Segundo o ranking, “mulher casada” vale 10 pontos e “gostosa e gata”, 8. Quem tiver relação sexual com uma delas, acumula 30 pontos. Já transa com “gostosa e feia”, que recebe 4 na tabela, renderia ao estudante 20 pontos.

“Mulher pretinha bonitinha” aparece com classificação 2, “preta mais ou menos”, 0, e “preta feia”, menos 1 ponto. A lista ainda prevê pontuação negativa para “mulher gorda” e, caso o estudante se relacione com “traveco”, é eliminado da competição.

A delegada Laura de Castro Teixeira registrou a ocorrência na Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher). Segundo ela, a polícia vai apurar inicialmente racismo, mas se houver denúncia de crime contra honra, a delegacia irá investigar.

“O conteúdo é bem misógino. Traz em si uma discriminação racial e configura transfobia, além de discriminar mulheres pela condição biológica”, disse. “Encarar isso como mera brincadeira pode abrir espaço para que males maiores sejam cometidos”, emenda.

racking da pegacao

REITORIA DA UFG

ranking da pegação

A reitoria da UFG repudiou a lista atribuída à festa. “O nome da universidade não poderá ser vinculado ao do evento nas próximas edições, se houver”, disse o reitor Orlando Afonso Vale do Amaral. Segundo ele, caso seus autores sejam alunos da instituição, ele poderão ser expulsos.

“Vamos abrir sindicância para apurar se alguns dos nossos estudantes participaram da postagem, que tem cunho preconceituoso, homofóbico, racista e ofensivo às mulheres. Se confirmada a autoria, haverá sanções que podem ir desde a advertência até a expulsão do estudante”, disse.

Em meio à polêmica, o InterUFG começou na última quarta-feira (25) e seguirá até o próximo domingo.

Em nota, a organização do InterUFG afirmou que repudia todo e qualquer esquema de pontuação de conotação sexual divulgado em redes sociais, assim como a violência, o assédio e a discriminação.

“Não apoiamos esse tipo de postura e seguimos afirmando que a 10ª edição do InterUFG prezará pelo bem-estar, pela segurança, diversão e acima de tudo pelo respeito”, diz trecho da nota.

+ sobre o tema

Escrita de mulheres negras será tema de painel em conferência internacional

O painel intitulado “Lusofonia, Periferia e Resistência: a voz...

A mulher e o cabelo – uma relação de servidão

Eu ligo muito pouco para comprimento do cabelo. Gosto...

O que ela fez?” Nasceu mulher e negra

O Feminicídio é um problema de todxs. Compartilhar este...

para lembrar

Emoção marca despedida de Ruth de Souza, no Rio

Velório começou pela manhã, no Theatro Municipal do Rio...

Jornalista Etiene Martins cria canal para falar sobre literatura negra

A jornalista e publicitária Etiene Martins, inaugura  canal para...

Aos 97 anos, Ruth de Souza é homenageada no carnaval carioca

Ruth de Souza estreou no cinema em 1948, e...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=