Propostas sobre violência contra mulher não avançam e dependem de ajustes

Brasília – O crime de assassinato de mulheres pode se tornar parte da lei brasileira, mas a inclusão do “feminicídio” como um dos tipos de homicídio previstos na legislação ainda está na fase inicial no Congresso Nacional. A proposta foi apresentada pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Violência contra a Mulher. Na segunda sessão em que senadores deveriam discutir o tema na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o debate foi suspenso para que eles pudessem analisar o texto com mais cuidado.

por Carolina Gonçalves,

A relatora da matéria, senadora c (PT-ES), disse que qualificar esse tipo de homicídio não vai garantir que o crime seja evitado, mas “tem como objetivo dar visibilidade ao crime cometido contra a mulher”.

Pela proposta, além de estabelecer que o feminicídio é homicídio resultante de violência contra a mulher, com pena de 12 a 30 anos de reclusão, a relatora incluiu o crime na relação de atos hediondos. O texto ainda prevê que as circunstâncias que podem tipificar o feminicídio são a violência doméstica e familiar, a violência sexual, a mutilação ou desfiguração da vítima e a tortura ou qualquer meio cruel ou degradante contra a mulher.

Apesar de aplaudida no colegiado, alguns senadores defenderam que a medida tem que ser incluída na pauta da comissão especial de reforma do Código Penal.

Além de aguardar a análise dos parlamentares, a senadora Ana Rita disse que vai se debruçar sobre a proposta que criaria um Fundo Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, que foi rejeitada pelo colegiado. Os senadores lembraram que o Legislativo não pode criar uma obrigação para o Poder Executivo e o fundo não poderia ser composto pelas dotações orçamentárias da União, dos estados e dos municípios.

Ana Rita disse que vai corrigir os problemas e reapresentar a proposta ao Congresso.

 

Fonte: Combate Racismo Ambiental

+ sobre o tema

Justiça decide hoje se PM gay volta a frequentar curso para tenente após expulsão

Cláudio Rodrigues diz que homossexuais sofrem "discriminação velada" na...

Simbolos da pedofilia – Conheça, evite e denuncie!

IMPORTANTE CONHECER, MESMO QUE A MAIORIA DAS PESSOAS POSSA...

Em São Paulo, Dieese e SEPM lançam Anuário das Mulheres Brasileiras

Na segunda-feira, 04 de julho, foi lançado na cidade...

para lembrar

Conteúdo sobre direitos da mulher agora é obrigatório nas escolas do Destrito Federal

Medida estimula crianças a contar o que sofrem em...

Nova geração põe em xeque o estereótipo da passista do Carnaval

Elas ganharam fama mundo afora com as "mulatas do...

Mbp + lançamento da marcha das mulheres negras no Rio

Na última Sexta-feira o Coletivo Meninas Black Power teve...

Violência e Gênero nas práticas de Saúde

O Grupo de pesquisa "Violência e gênero nas práticas...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=