Representatividade e charme clássico torna “As Tartarugas Ninja: Caos Mutante” a animação que você precisa assistir

Enviado por / FontePor Isadora Simas

Artigo produzido por Redação de Geledés

Gênero: Animação, Ação, Aventura Duração: 1h 39min  

Direção: Jeff Rowe, Kyler Spears  

Elenco: Hannibal Buress, Rose Byrne, Nicolas Cantu  Classificação: Não recomendado para menores de 10 anos

Entre vários lançamentos no cinema nos últimos meses, posso dizer que me  deparar com “As Tartarugas Ninja: Caos Mutante” foi um prazer. O filme não é  apenas mais uma das aventuras empolgantes e cheia de ação do quarteto ninja;  a película também aborda de forma perspicaz e cuidadosa um tema sempre  relevante: o preconceito.  

O filme tem um desenvolvimento ágil e envolvente, fazendo com que a nova  aventura das tartarugas mutantes não seja “mais do mesmo”, e mergulha de  cabeça em questões profundas e conseguindo manter a essência que conquista  fãs há quatro décadas.  

Ao longo do filme, a história nos confronta com o preconceito que os humanos  têm com os mutantes e as diferentes formas como isso os afeta. Ao explorar o  tema, a produção nos convida a refletir sobre nossas próprias atitudes e  comportamentos quando estamos diante da diversidade. Em um momento em  que a diversidade é cada vez mais essencial, o novo filme das Tartarugas Ninja  oferta uma mensagem valiosa.  

Enquanto mulher negra e jornalista, um dos aspectos que me tocou muito foi a  representatividade da personagem April O’Neil. Desde sua estreia na história  dos mutantes ninjas em 1984, ela foi representada de variadas formas e  profissões. Nesses 40 anos, essa foi a primeira vez que a personagem foi  apresentada como uma mulher negra.  

Interessante pensar que um dos produtos mais icônicos e consumidos da cultura  pop levou todo esse tempo para representar uma das principais personagens  aliadas do quarteto ninja como uma mulher negra.  

No filme, ela é uma adolescente que sonha ser jornalista e faz desse sonho um  dos pontos chave na luta contra o grande vilão da trama. Através do jornalismo,  April ajuda os ninjas em várias frentes, inclusive na luta contra o preconceito.  

A personagem é uma jornalista valente que se dedica a desvendar a verdade e  divulgar as informações corretamente mesmo diante de vários obstáculos,  inclusive seus próprios traumas. Enquanto jornalista e mulher negra, foi incrível  me ver na tela, reconhecer a adolescente que eu fui, que sonhava em trilhar os  caminhos da comunicação e a profissional que me tornei. Espero que outras  meninas e mulheres também possam se inspirar na personagem da April e que  nós tenhamos cada vez mais representatividade em todos os campos da cultura. 

Uma cena para guardar: April na tela do jornal ao lado de outra jornalista negra.  Foi incrível assistir!  

Por meio da April, o filme traz uma forte representatividade negra, que ressoa  naquelas pessoas que também querem seguir os caminhos do jornalismo. A  presença da personagem na trama adiciona diversas camadas na história e  eleva ainda mais o impacto social da produção.  

“As Tartarugas Ninja: Caos Mutante” é uma animação que te prende do início ao  fim. Cada cena é muito bem elaborada, mostrando o humor caótico e jovial  durante todo o filme. Cada momento é repleto de detalhes que somam para uma  obra cativante e, por vezes, bizarra, do universo que os cineastas construíram.  

Por fim, o filme é um refresco na cena cinematográfica contemporânea. Por meio  das pautas levantadas, o filme apresenta uma visão inspiradora sobre o  jornalismo e a importância da representatividade, destacando o mais recente  lançamento das tartarugas como uma obra relevante e impactante, mantendo  sua essência clássica de Tartarugas Ninja e adicionando novas dimensões à  narrativa, tornando o chamativo tanto para os novos quanto para os antigos fãs.

+ sobre o tema

Casa Amarela – cultura e resistência

A Casa Amarela Quilombo Afroguarany é uma ocupação-sociocultural, voltada...

Clélia Rosa – Trabalhando relações étnico-raciais na educação

Conversamos com a pedagoga Clélia Rosa, sobre como as...

para lembrar

Uma negra na contramão das estatísticas

A reportagem abaixo inicia a série Geledés- Retratos da...

Os quilombolas gritam por seus direitos pelo mundo

Uma comitiva de lideranças negras atravessou o Atlântico e...

Negros no mundo corporativo

A Gerente de Negócios Camila Ramos fala sobre sua...

“Não sofro com a discriminação racial, mas aproveito o espaço da mídia para denunciar, combater. E vejo isso como uma missão”, afirma a atriz...

Aos 74 anos, a atriz e cantora Maria José Motta de Oliveira, mais conhecida como Zezé Motta, está a todo vapor, em plena gravação...

Aline Gabriela Afonso, ex-auxiliar de limpeza, arrecada alimentos para ajudar famílias da periferia

A série Geledés- Retratos da Pandemia está sendo retomada neste mês de julho. A série traz histórias de como os moradores das periferias estão enfrentando a...

“A raiz do machismo não se encontra isolada no mundo das artes; é um problema político e social que precisa seguir mudando.”

A escultora e artista gráfica francesa Camille Claudel (1864-1943), companheira do artista francês August Rodin, a romancista e poetisa americana Zelda Sayre (1900-1948), esposa...
-+=