Secretaria da Mulher no DF vai focar no combate à violência em 2016

A titular da pasta, Silvânia Matilde, fala ao Revista Brasília sobre as principais estratégias que serão adotadas neste ano

Da Agência Brasil 

A Subsecretaria de Políticas para Mulheres do DF começa 2016 focando na violência contra a mulher, tendo em vista o primeiro caso suspeito de estupro ocorrido na passagem do ano, em Brasília. Em entrevista ao programaRevista Brasília, a subsecretária de Políticas Públicas Para Mulheres da Secretaria da Mulher do Distrito Federal, Silvânia Matilde, contou que será feita uma campanha ampliada contra o estupro.

Também será dada prioridade à profissionalização das mulheres no mercado de trabalho e, para isto, foi criada a Caravana de Todas as Mulheres, onde serão capacitadas 1.450 mulheres em diversas áreas profissionais. Em março, será criado o “botão do pânico”, voltado para o combate à violência.

Além disso, segundo Silvânia Matilde, será dada mais visibilidade à Casa da Mulher Brasileira, um equipamento muito importante para atender a mulher vítima de violência.

Leia Também: PLP 2.0 – Aplicativo para coibir a violência contra a mulher

“É um programa muito importante e resulta de uma luta muito antiga nossa, pois são agendas muito antigas. Nós conseguimos a Casa da Mulher Brasileira, que fica na 601 Norte, e está equipada para atender as mulheres em situação de violência. Nós temos aqui o DEAM, o Juizado Especial, o Ministério Público e a Defensoria Pública, exatamente para evitar que ela fique andando de um lado para outro buscando atendimento”.

A Casa Abrigo também está funcionando plenamente, onde acolhe a mulher que está correndo risco de morte, com seus filhos. Uma equipe técnica de psicólogos, pedagogos, advogados dá apoio às mulheres e há programas de qualificação profissional e terapia ocupacional, além de duas unidades móveis para atender mulheres das áreas rurais. Uma pesquisa mostra que as mulheres rurais são vítimas de violência e não têm condições nem de procurar uma delegacia.

Confira as informações sobre as perspectivas de atendimento à mulher do DF em 2016 nesta entrevista ao Revista Brasília, com Rejane Limaverde, na Rádio Nacional de Brasília. O programa vai ao ar de segunda a sexta, às 10 horas.

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=