‘Sistema foi feito para que pobre e negro não tenham direito à Justiça’, desabafa mãe de gari morto em 2006

Débora da Silva vê como um problema a dependência de testemunhas para a argumentação

Mariana Queen Nwabasili, do R7

Após o desgaste com o arquivamento do inquérito sobre a morte de seu filho, Débora Maria da Silva, dona de casa de 55 anos, vê como um problema a dependência de testemunhas para a criação de argumentos que levem à identificação dos culpados. O gari Édson Rogério Santos, 29 anos, foi morto em 2006 em suposta ação de policiais durante onda de ataques do PCC (Primeiro Comando da Capital) em São Paulo.

Apesar de não ser especialista, o tempo dedicado a investigações fez com que ela se tornasse crítica quanto às restrições das investigações policiais e dos procedimentos jurídicos.

— Eu acho que tem de mudar, ter uma reforma emergencial no setor jurídico, porque nós já estamos no século 21 e o Judiciário ainda trabalha com a parte humana, sabendo que a parte humana pode ter um fim fatal dependendo do que falar. Então, acho que é um sistema que não tem condições mesmo de funcionar, foi feito para não funcionar e para que o pobre e o negro não tenham direito a uma Justiça. Que tenham esse medo velado de falar sobre crimes, medo de morrer.

Já Vera Lúcia dos Santos, manicure de 50 anos e mãe de Ana Paula Gonzaga, assassinada às vésperas de dar à luz por supostos membros de grupo de extermínio composto por policiais, indigna-se com o arquivamento da grande maioria dos casos.

— O que revolta ver nas investigações é que tem só o caminho que foi feito para matar, mas não o caminho que foi feito para prender. Até hoje não veio ninguém na minha porta para falar: ‘Olha a gente investigou’. Mentira. Quem investigou, fui eu. Quem bateu de porta em porta naquela rua e ouviu tudo o que aconteceu naquela noite, fui eu, não foi ninguém mais.

+ sobre o tema

Vontade de nada, mudanças na vida e cada pecado uma árvore

A vontade de nada voltou assombrar meu cotidiano, um...

#SalaSocial: Desembargador que libertou ativistas diz que MP ‘reprime pobres’

Ricardo Senra O desembargador Siro Darlan não nega a fama...

Sarau mobiliza moradores de favela em apoio a Rafael Braga no Rio

Campanha pela liberdade de ex-catador de latas, preso injustamente em...

para lembrar

Ostracismo Fashion

Ao dizer que “moda é uma forma específica de...

O quilombo que resiste em uma das áreas mais valorizadas do Rio

Manter um quilombo em um dos pedaços mais valorizados...

“Fui empregada doméstica, enfrentei o racismo e hoje sou modelo”

Maria Oliveira, 20, acreditava que seu destino era viver...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial apresenta aprimoramentos da Lei de Cotas no Serviço Público em seminário na Câmara dos Deputados

Nesta terça-feira (11), a Diretora de Políticas de Ações Afirmativas, Layla Carvalho, representou o Ministério da Igualdade Racial no primeiro painel do Seminário Cotas no Serviço Público, na Câmara dos...

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....
-+=