Slams movimentam as periferias de Salvador (BA)

Nas rimas, os problemas sociais são trazidos ao público pela juventude de forma criativa e potente

por Elen Carvalho no Brasil de Fato

Nas periferias de Salvador, as batalhas de poesia são momentos de criação e resistência cultural e política. Popularizadas como Slams desde a década de 1990, essas disputas remontam aos griots, aos movimentos pelos direitos civis e afirmação negra norte-americana, às performances literárias contemporâneas e ao hip hop. A potencialidade desses espaços está no diálogo entre as diferenças, na troca de conhecimentos, na irreverência e na livre expressão de cada participante. Slam da Onça, Slam da Raça e Slam das Minas são alguns exemplos que acontecem na capital baiana.

O Sarau da Onça, coletivo que promove atividades culturais no bairro de Sussuarana, realiza o Slam da Onça desde 2014. A produtora Brenda Gomes explica que a vontade de organizar o Slam surgiu quando integrantes do Sarau participaram de uma edição em São Paulo. “A gente percebeu que aqui ainda não tinha esse processo e decidimos fazer a primeira edição, depois fizemos a segunda e foi acontecendo. A comunidade tem participado cada vez mais, porque é uma proposta nova de poesia. É um espaço gostoso, de sentir a poesia das pessoas”, relata.

Em março deste ano aconteceu o primeiro Slam das Minas – Bahia. Batalha de poesia feminina idealizada por Dricca Silva, Fabiana Lima, Jaqueline Nascimento e Ludmila Laísa que ocorre no bairro do Cabula. A ganhadora dessa primeira edição foi Amanda Rosa. Ela reflete sobre os temas recorrentes das poesias autorais recitadas nestes encontros: “A juventude negra, as/os LGBTs têm se inserido, cada vez mais, neste espaço. E o que mais as poesias têm pautado são temas como o racismo, a importância do feminismo. Porque a poesia que se faz é a poesia marginal, que vai trabalhar os elementos da realidade dessas populações”.

De acordo com Amanda Rosa esse “tem sido um espaço onde as mulheres têm conseguido estar à frente do processo. Inclusive, através dos Slams, elas têm conseguido se inserir no rap. Através desse lugar, a juventude tem começado a se organizar e a participar de coletivos. Começa a enxergar os problemas sociais”.

Nesse mesmo sentido, Brenda Gomes afirma que “a batalha de poesia, assim como a batalha de rima, assim como a batalha de break e todos esses movimentos periféricos são fundamentais na constituição da nossa sociedade. A gente percebe as escolas cada vez mais fechadas para esse tipo de cultura. E, sem esses movimentos, a gente não conseguiria penetrar na cabeça dos jovens, a gente não conseguiria despertar um interesse para essa conquista de direitos”.

+ sobre o tema

100 Cidades Africanas Destruídas Pelos Europeus, parte II

Mawuna Koutonin PORQUE existem poucos edifícios históricos e monumentos na...

Série da Netflix com Idris Elba ganha data de estreia

A comédia Turn Up Charlie traz o ator como...

Com pose inspirada em Bolt, a jovem Toni-Ann Williams é a 1ª jamaicana da ginástica em Jogos

Nascida nos Estados Unidos, Toni-Ann Williams decide representar suas...

para lembrar

20 de Novembro: Confira se a data é feriado em sua cidade

O Dia da Consciência Negra é comemorado no Brasil, no dia...

Nigéria exorta CNT a cessar massacre de cidadãos da África

Lagos, Nigéria – A Nigéria exortou as autoridades...
spot_imgspot_img

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...
-+=