Soul retrata de maneira sensível as experiências da vida – e ensina que há beleza nas pequenas coisas

Você já tentou se descrever sem falar sobre trabalho? Ao preencher o perfil em um site de relacionamentos ou apresentar-se à uma pessoa que acabou de conhecer, você fala primeiro sobre quem é ou sobre o que faz? Em uma sociedade obcecada com o sucesso profissional, as duas coisas misturam-se com assustadora naturalidade, e sem nos darmos conta, somos nosso ofício antes de sermos qualquer outra coisa.

Soul, mais novo fruto da parceria Disney e Pixar, chega para desconstruir ideias enraizadas de maneira tão natural, que ao terminarmos de assistir o filme, somos confrontados pela nossa própria existência. Para onde vamos? De onde viemos? O que é viver? E mais importante, o que faz de nós humanos? Tais questionamentos são levantados por um filme de animação infantil, e é aí que encontra-se a genialidade do projeto.

Não é necessário um diploma em filosofia para entender o sentido da vida: ser feliz, tomar sorvete em um dia quente, jogar videogame com um amigo, encontrar amor verdadeiro, bastar-se. A resposta muda conforme crescemos, e nenhuma delas é incorreta porque a vida é feita de pluralidade.

Em Soul, acompanhamos a trajetória de Joe, um professor de música que sonha em ser um músico renomado de jazz. A paixão pela música o motiva, é o gás que o faz acordar todos os dias e aguentar chateações diárias como pegar o metrô lotado, lidar com estudantes melequentos, discutir incansavelmente sobre o futuro com a mãe. Tudo é desgastante, mas o sonho de trabalhar com jazz o move.

Ao sofrer um acidente que separa a alma dele do corpo, Joe encontra-se preso no Pré-Vida e precisa ajudar uma jovem alma a encontrar motivação para descer à Terra. Falar sobre trabalho ou qualquer coisa parecida não funciona, e é só quando 22, a tal jovem alma, acaba na Terra por acidente, é que começamos a repensar sobre tais conceitos, juntamente com Joe.

(Foto: Divulgação/Disney)

Lançado no Disney+ no dia 25 de dezembro, o filme é dublado em português por Jorge Lucas (Joe), Carol Valença (22), Luciana Mello (Dorothea Williams), entre outros. Em entrevista à Rolling Stone Brasil, Jorge e Luciana refletiram sobre a importância do longa. Retratando aspectos que permeiam a perseverança, a busca pelos sonhos e o aprendizado, o filme é, nas palavras dos dubladores, incrivelmente sensível.

“No filme as almas são todas iguais, e isso é uma coisa que o adulto tem que perceber, as crianças entendem isso com muita facilidade. Nós precisamos ter essa sensibilidade, principalmente agora”, afirma Luciana Mello, responsável por dar vida à Dorothea Williams, musicista de jazz renomada que dá à Joe a chance da vida dele.

Mello faz estreia como dubladora, e afirma que inspirou-se em Nina Simone para dublar Dorothea: “Ela é uma personagem maravilhosa, tem alma de diva. É mais séria, mas ao mesmo tempo muito sensível, assim como Nina Simone. Foi isso que tentei passar para a personagem.”

Para Jorge Lucas, que interpreta Joe, o lançamento do filme no final do ano de 2020 foi muito simbólico: “O filme mostra que estamos todos juntos no começo [Pré-Vida], só nos separamos quando descemos à Terra. Mas o objetivo final é nos juntarmos novamente. Em uma época em que nem todas as famílias podem estar juntas fisicamente, devemos lutar para unirmos nossas almas.”

Lucas ainda comentou sobre o aprendizado que Joe e 22 compartilham, como crescem juntos durante o longa: “As almas de Joe e 22 se tocam, e o filme mostra isso com muita sensibilidade. Mostra que devemos nos desdobrar para encontrarmos o nosso caminho interno.”

Soul ousa ao propor debates considerados sérios demais para animações com enfoque no público infantil, assim como Divertida Mente (2015), que abordou temas como a depressão. Além disso, o filme também é responsável por dar vida ao primeiro protagonista afro-americano em uma parceria da Disney e Pixar, o que foi fruto de muita pesquisa para evitar que o longa se apoiasse em clichês.

Para Jorge Lucas, o fato de Joe ser um artista também é um aspecto único: “Joe representa a determinação do artista. A mãe dele insiste que ele encontre um emprego ‘sério’ e isso é muito comum, principalmente quando se é preto: você precisa trabalhar e ganhar dinheiro, ter segurança. Meus pais sempre me apoiaram muito, mas ainda assim, me identifiquei com Joe e o quão determinado ele é”.

Talvez a pergunta mais desafiadora para os dubladores tenha sido definir os personagens em poucas palavras. Para Luciana Mello,Dorothea é a exemplificação da força e do talento. Já Jorge Lucas vê Joe como um determinado. É através das histórias de personagens tão bem construídos que a Disney e a Pixar nos convidam para reflexões tão poderosas sobre o viver. Assista de coração aberto.

+ sobre o tema

Naomi Campbell é alvo de protesto em camisa por receber diamantes de ditador

A modelo britânica Naomi Campbell virou alvo de protesto...

Parangolé foi uma das atrações do Manaus Folia

Léo Santana mostrou seu “rebolation” em Manaus. O Parangolé,...

Naomi Campbell garante que aprendeu com os erros

Naomi Campbell mostrou que gosta de provocar polêmica ao...

Escolas de samba de SP fazem pré-lançamento de DVD do carnaval

Sete escolas de samba de São Paulo SP fizeram...

para lembrar

Momento de Ajuste – Lázaro Ramos

Lázaro Ramos percebeu em si próprio as mesmas questões...

Mad Max: pelos olhos de Charlize

Não assisti a nenhum dos filmes que antecederam o...

Entrevista com Sidney Santiago sobre cinema, teatro e televisão

Sidney Santiago (Guarujá, 1985) é um ator brasileiro....
spot_imgspot_img

Novas imagens de Jaafar Jackson como Michael Jackson em cinebiografia chocam web: ‘É o próprio MJ’

Se tem uma cinebiografia que está chamando a atenção dos fãs de cinema ultimamente, essa com certeza é "Michael", longa inspirado na obra e vida de Michael Jackson. Para...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

Festival Visões Periféricas anuncia filmes selecionados 

O FESTIVAL VISÕES PERIFÉRICAS confirma a realização da 17ª edição, de 20 a 26 de março, com formato presencial e online e gratuito para todo o Brasil,...
-+=