domingo, junho 26, 2022
InícioArtigos ExclusivosGuest PostTudo que move é sagrado...¹

Tudo que move é sagrado…¹

Teresa Cristina é sagrada, é sarcasmo, é poesia, é utopia, é rebeldia, é ventania, é alegria, é anti pandemia, é, é, é, é… É soma, expansão, excesso de alegria e remédio pra nostalgia. 

Eu estava há algum tempo para fazer essa declaração de amor, admiração e retribuição à existência da artivista Teresa Cristina, mas não estava conseguindo, nem sabia por onde começar a falar da grandeza, da existência iluminada, da resistência necessária e generosidade de TT. Me autorizo a chamá-la assim, afinal eu participo das lives da leveza desde quanto era tudo mato, quem é “Cristenders” vai entender… Há uma cumplicidade e amorosidade entre seus fãs, amigos, conhecidos, admiradores que se espraia, no ao vivo da transmissão, e que nos aproxima da artista e ativista engajada em produzir coisas belas e justas.  

E desde o momento que o Brasil ficou doente de covid-19, as lives de TT acontecem. Com suas regras próprias e princípios inegociáveis, qual sejam: ser munição antifascismo, racismo e todo tipo de fobia e, assim, ser visão, alegria, rebeldia, poesia, fantasia, harmonia, política do amor e da amizade.

 Ao final de cada gira virtual, meu corpo reverbera os encontros e despedidas e algo pede passagem, um por vir…

 Eis que chegou o dia das Minas Gerais. Sim! Minha live, minhas regras! Live de TT não é bagunça não, tem regras, temas e outras travessias e travessuras mais.

O dia 05 de maio de 2020, marcou o dia de Minas e suas minas musicais, poéticas, estéticas, políticas e ética da alegria contra a tirania.  

A cada noite, às 22hs, em ponto, e o ponto é quando a cerveja está no grau, os petiscos, salgadinhos e outras ofertas de seus amigos mais próximos ou seu fã clube oficial, o “Cristiners”, aí começa a roda. O tema é sempre anunciado no dia anterior, e dos vários temas que passaram na passarela, o tema de Minas Gerias foi “O” gatilho. Gatilho que move, gatilho sagrado! E na noite de terça-feira foi embalado pela presença luxuosa da escritora Conceição Evaristo. 

Ela que na noite dedicada à Bahia, foi gatilho para a portelense vascaína, que canta brilhantemente a Mangueira das Marias, Mahins, Marilles e malês[2],  e que se sentiu convocada a prestar homenagem a terra de tantas esquinas musicais, também foi insPiração para eu fazer essa declaração-memória as noites com TT. Noite de reverência à vida e obra de Conceição Evaristo também, a autora de A noite não adormece nos olhos das mulheres, poema dedicado à amiga Beatriz Nascimento, e mais um arsenal de escritas ancestrais, musicais, tão fortes e tão belas. 

Ah, como eu precisava dar passagem aos afetos provocados por esses encontros noturnos em meio esta pandemia que nos assusta, por vezes paralisa, vírus devastador, que a cada dia nos tira alguém, de perto ou de longe, que também tem desmascarado tantas injustiças históricas, tantas mazelas sociais, que nos desafiando dia a dia das mais variadas formas e graus. Que é implacável com os que ainda não conseguiram acessar o direito de quarentenar sem a preocupação de perder a vida para o vírus da injustiça e do acoite. Só mesmo com muita teimosia, valentia e poesia é possível enfrentar a atual pandemia. Assim é que a Cantora e a Poeta me convocaram a partilhar, por meio desta escrita, os encontros com a voz de quem conhece o Brasil, de quem está cantando o Brasil. De quem, todas as noites, nos oferece um sorriso negro, um abraço negro e nos traz felicidade, como cantou e ainda canta D. Ivone Lara. 

Teresa Cristina resiste e persiste na leveza e firmeza do existir em meio a uma realidade tão dura, racista, anti ética, anti vida. Cotidianamente e num gesto de absoluta generosidade, ela nos oferece sua voz, sua alegria, seus sonhos, e com sua poesia e política da alegria, cria e cultiva encontros tão necessários, tão libertários.

Viver é desobedecer! 

Resistir é necessário! Militar é se afetar! Sorrir é libertário! Resistir é insistir nos encontros poÉticos! 

É micropolítica dos afetos! É amizade guardada no lado ESQUERDO do peito.[3]

Eles podem até nos roubar as eleições no grito, na bala, no golpe. Eles podem até fingir que nós não existimos. Eles, que são desalmados, não sabem que continuaremos com a roupa encharcada e a alma repleta de chão[4]As nossas memórias nos pertencem! 

Não por acaso, a cada live a expectativa é aprender, cantar e celebrar a vida e ainda ter a real possibilidade de grandes encontros, da “aparição” de quem pactua com a política da alegria revolucionária que a música proporciona. A cada noite a expectativa também é de:

 será que eles vêm aqui

 cantar as canções que a gente quer ouvir…[5]

E ao final de cada live, ela agradece, nos acolhe e parece nos dizer: 

 Se eu cantar não chore não, é só poesia…[6]

Teresa Cristina, Cristiners, CrisTinder é pura poesia! É pura teimosia!

Em tempos de quarentena, esse é um convite a livitar com TT e também a cuidar de TT, que tanto nos acalanta e encanta nas noites pandêmicas, na cadência bonita do samba[7]É um convite a ouvir o lado A e o lado B de TT!

A cada encontro, ela se move de um jeito. Sagrado… 

A noite dedicada às esquinas de Minas, foi um presente! Teresa Cristina é presença! 

A “grande” política tem muito o que aprender com a micropolítica afetiva de TT, com a filha do feirante e da cantante. A música não é pouca coisa, nunca foi e nunca será! A poesia não envelhece, nem adormece, não morre jamais! É munição contra os vírus da opressão! E o canto de Teresa Cristina é pura teimosia contra a paralisia que insiste em nos rodear nesses tempos de pandemia e de cale-se. 

TT como uma espécie de artista vinda do filme Bacurau, nos oferece um poderoso psicotrópico, cuja base é a POESIA. Portanto, se você vier ver TT, ouvir TT, cantar com TT, cuidar de TT, vem na paz, sem medo!

 

Ana Silva

@anaesquizo


[1] Beto Guedes

[2] Samba enredo da Estação Primeira da Mangueira, 2019.

[3] Milton Nascimento.

[4] Milton Nascimento.

[5] Rua Ramalhete. Tavito

[6] Lô Borges

[7] Ataulfo Alves e Paulo Gesta


Artigos Relacionados
-+=