Um passo à frente, dois atrás

Ter um negro à frente da pasta da igualdade racial faz diferença 'para abordar as representatividades históricas'

Será que alguém que não sabe o que é ser preterido pela aparência, que jamais perdeu uma oportunidade de trabalho em razão da cor da pele, que nunca foi olhado ou tratado com suspeição pela ascendência étnica é a pessoa mais indicada para comandar uma secretaria criada para promover a igualdade racial?

Esse é o tipo de dúvida que deveria passar pela cabeça de quem se preocupa em enfrentar o racismo no país. Mas não é bem assim. E a Prefeitura de Palmas (TO) deu um excelente exemplo disso com a criação da Secretaria Municipal de Políticas Sociais e Igualdade Racial. O que poderia ser motivo de aplausos, virou alvo de críticas fundamentadas quando a prefeita, uma mulher branca, nomeou outra mulher branca para o comando da pasta.

Desconsiderar a representatividade negra numa nação de maioria autodeclarada afrodescendente (56%, pelo IBGE), onde o racismo está institucionalizado e, na prática, se constitui na maior barreira à promoção da cidadania, do desenvolvimento e da justiça social não é a maneira mais apropriada para fazer frente a uma questão tão complexa.

Os indicadores de violência ajudam a compor uma noção do cenário. Em 2023, Palmas, que já foi considerada a capital mais tranquila do Brasil, viu a onda de violência e criminalidade aumentar em mais de 200%. Homens pretos e pardos foram a maioria (69%) das vítimas.

Na avaliação da polícia, 90% dos homicídios têm relação com tráfico de drogas. Já entidades ligadas à área dos direitos humanos apontam que metade dos mortos não possuía passagem policial e correlacionam o fato com a questão étnica.

Ter um negro à frente da pasta da igualdade racial faz diferença “para abordar as representatividades históricas estruturais enfrentadas pela comunidade negra”, como destacou em nota a Ajunta Preta, Coletivo Feminista de Mulheres Negras do Tocantins. E não basta ser negro, é preciso ter letramento racial para compreender a dinâmica do racismo.

+ sobre o tema

Pedagogia de afirmação indígena: percorrendo o território Mura

O território Mura que percorro com a pedagogia da...

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas,...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde...

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe

Dados do Ministério da Saúde mostram que apenas 22%...

para lembrar

spot_imgspot_img

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas, como imaginado. A estudante do 3º ano do ensino médio Franciele de Souza Meira, de...

Brasília negra

Antes de abrigar os principais prédios públicos do país, a Esplanada dos Ministérios era um campo aberto onde descendentes de escravizados levavam o gado...

Colégio afasta professor de história investigado por apologia ao nazismo, racismo e xenofobia

Um professor de história da rede estadual do Paraná foi afastado das funções nesta quinta-feira (18) durante uma investigação que apura apologia ao nazismo, racismo...
-+=