Uma mulher negra pode desistir?

Quem constitui exceção nos ambientes que frequenta não costuma ter segunda chance

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens “Eu Desisto”, lançada pela Folha no começo do ano. Fiquei bastante impactada com relatos de situações que não fazem parte da vida da maioria das brasileiras como eu pelo simples fato de sermos negras.

Para além da ideia generalizada e, segundo o psicanalista Adam Phillips, equivocada de que desistir é sinônimo de fracassar, me peguei pensando na quantidade de coisas que jamais me permiti sequer cogitar em abdicar, por mais que me desagradem. Também lembrei do tanto que já quis abrir mão e do pouco que pude me dar ao luxo de deixar para trás e até hoje questiono se fiz a coisa certa. Afinal, quem constitui exceção nos ambientes que frequenta não costuma ter segunda chance…

Quem constitui exceção nos ambientes que frequenta não costuma ter segunda chance – Catarina Pignato

Em minha trajetória profissional, desisti de dois empregos e pedi demissão (uma vez em nome da sanidade mental, outra por conta da insanidade temporária) sem ter outro trabalho em vista. O custo da ousadia foi alto. Quem “fura a bolha” também não costuma ter rede de proteção.

E, para além das desigualdades que mantêm mulheres negras na base da pirâmide social, o mito da guerreira é mais um complicador. Longe de ser elogio, é um fardo que perpetua o roubo de nossa humanidade. Quem é forte e dá conta de tudo não precisa de acolhimento, carinho e proteção, não é mesmo?

Visitando comentários na série “Eu Desisto”, me deparei com a seguinte citação de Clarice Lispector: “A insistência é o nosso esforço, a desistência é o prêmio. A este só se chega quando se experimentou o poder de construir, e, apesar do gosto de poder, prefere-se a desistência. A desistência tem que ser uma escolha. Desistir é a escolha mais sagrada de uma vida. Desistir é o verdadeiro instante humano”.

Sintetiza bem a situação. Desistir não é escolha fácil. E, por libertador que seja, é opção para quem é visto e tratado como humano.

+ sobre o tema

Datafolha e Abolição: Por que rejeição a Bolsonaro é maior entre os pretos

Os números são atuais, mas se conectam a um...

Minas assina acordo pioneiro para enfrentar o racismo

Um acordo pioneiro no Brasil vai levar ações de...

Ataque a Vini Jr. alerta para piora do racismo e pauta com ministra Anielle em NY

Os ataques racistas contra o jogador brasileiro Vinícius Junior,...

para lembrar

Jovens negros na mira de grupos de extermínio na Bahia

– Mais de 80% dos alvos de esquadrões da...

‘Não podemos nos alinhar aos Datenas, Jabores e Pondés’

Um militante do MPL alerta para a tentativa da...

A Discriminação de Boris Casoy: Isso é uma vergonha

Neste vídeo o apresentador da Band, Boris Casoy declara...
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=