USP, PUC, FGV e Mackenzie: Após violência, manifestantes de SP ganham apoio de instituições

Depois do protesto de anteontem contra o aumento na tarifa do transporte em São Paulo, marcado pela repressão violenta da Polícia Militar, diversas instituições declararam apoio aos manifestantes.

O centro acadêmico XI de Agosto, da Faculdade de Direito do largo São Francisco, da USP, promoveu encontro com estudantes da própria instituição, além de PUC, FGV e Mackenzie, em que decidiram pela criação de um centro de apoio jurídico aos detidos nos protestos.

Eles querem também obter um habeas corpus preventivo coletivo para quem participar de futuras manifestações, como a marcada para a segunda-feira, no largo da Batata, em Pinheiros (zona oeste).

Vinte e um professores da USP também divulgaram abaixo-assinado em que classificam os detidos nos atos como “presos políticos de [Geraldo] Alckmin” e defendem sua liberação. “Um verdadeiro Estado de Direito não pode admitir esse tipo de comportamento.”

Em entrevista à Folha, o diretor da Anistia Internacional para a Europa, John Dalhuisen, criticou práticas adotadas pelos militares no confronto de anteontem. “A polícia não pode, por exemplo, usar gás lacrimogêneo contra a multidão de maneira indiscriminada”, afirmou.

VOLUNTÁRIOS

Vários advogados também se apresentaram voluntariamente para defender detidos nas manifestações.

Um deles, Guilherme Silveira Braga, diz que foram feitos plantões em distritos policiais para auxiliar os presos. O grupo estuda como propor uma ação para responsabilizar o comando da PM por prisões consideradas arbitrárias.

Na internet, foram convocadas manifestações em países da Europa. Outra, convida para a Marcha do Vinagre, em referência a manifestantes detidos por carregar o produto –que alivia efeitos do gás lacrimogêneo.

Ontem, 11 manifestantes que continuavam presos pelo ato de terça foram soltos. Dos 235 detidos anteontem, quatro permaneciam presos até a conclusão desta edição.

 

Berlin e Paris: Manifestações são organizadas na Europa em apoio aos protestos no Brasil

Atos são marcados em 27 cidades no exterior em apoio a protestos no Brasil

 

Fonte: Folha

+ sobre o tema

Mackenzie suspende estudante de Direito que publicou vídeo dizendo que ‘negraiada vai morrer’

Apoiador de Bolsonaro também foi demitido de escritório de...

Mulher denuncia racismo após ser acusada de furto em shopping de São Paulo

A servidora pública Érica Scheila Rodrigues de Carvalho, de...

‘Brasil ainda luta contra preconceito enraizado’, afirma CRESS-SP

Celebrado em 21 de março, o Dia Internacional contra...

Policiais investigados por torturar jovens são soltos

Eles tiveram partes dos braços, das pernas, do rosto...

para lembrar

‘Big Brother’ americano é acusado promover racismo e homofobia

A 15ª edição do "Big Brother" americano, que estreou...

Chibatando seu racismo

Pedro se arrumava para o trabalho e Clara ainda...

EUA: júri não acusa policial que matou o jovem Michael Brown e causa revolta

Ferguson teve noite violenta por confrontos entre manifestantes e...

Voltando ao Brasil de 1 a 7, uma experiência do racismo no Brasil

AD Junior, 29 anos, Especialista em Marketing Digital, Vive na...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=