Valéria Almeida – Celebrando a vida

É com orgulho que faço minha estreia neste site, com a coluna Dos olhos meus (Carta Capital). A proposta deste espaço é apresentar imagens, por mim produzidas, de culturas e manifestações populares, retratos, paisagens e projetos autorais e, assim, promover uma discussão em torno da fotografia.

Para começar com o pé direito, escolhi imagens do Tambor de Crioula, uma dança tipicamente maranhense, de origem afro-brasileira, feitas em São Luís. Reconhecida como patrimônio imaterial, a manifestação é uma forma de festejar a vida, desejando fartura e prosperidade aos participantes.

Sem data de apresentação ou local fixo, grupos de homens e mulheres, chamados de coreiros e coreiras, costumam tomar ruas e praças para comemorar nascimentos, batizados, festas de São Benedito e bumba-meu-boi. Com roupas de chitão florido, ou simplesmente coloridas, chapéus e torços na cabeça, além de colares femininos que dão charme à vestimenta, formam rodas, afinam os tambores, aquecendo o couro à beira da fogueira, e começam a brincadeira.

O som ecoa, um solista puxa toadas de improviso que falam de fé, trabalho, amores e recordações. As mulheres giram suas saias e soltam a voz num coro contagiante. De repente, uma coreira vai ao centro da roda, dança diante dos tocadores e saúda os tambores. A feminilidade se expressa no giro da saia, que hipnotiza a todos com seus movimentos coloridos. Então, quando chega a hora, a coreira se coloca diante de outra brincante e a convida para ocupar seu lugar.

Eis que surge o auge da dança. O momento do punga, ou simplesmente umbigada – uma espécie de cumprimento feito através do encontro dos abdomens, onde as mulheres emitem, sem qualquer palavra, seus votos de felicidade àquela que passa a ocupar seu lugar no meio da roda. E assim a festa segue, os coreiros se encantam, as dançantes seduzem e nós celebramos a vida.

{gallery}noticias/valeria_almeida{/gallery}

Valéria Almeida é fotojornalista e atua como produtora editorial de CartaCapital

+ sobre o tema

Produtores sergipanos elaboram Mostra de Cinema Negro

“É preciso quebrar as barreiras impostas pelo modelo de...

Alessandra Santos de Oliveira

Alessandra Santos de Oliveira (2 de Dezembro de 1973),...

Lima Barreto, um Intelectual Negro na Avenida Central

Autora: CELI SILVA GOMES DE FREITAS Filiação Institucional: UERJ   }Suas crônicas...

Alfabetização: memórias de um escritor leitor…

Entrevista - Alfabetização: memórias de um escritor leitor... {xtypo_quote}As...

para lembrar

Presidente Lula vibra com a vitória do Brasil contra a Costa do Marfim

Presidente assistiu ao jogo na Granja do Torto, com...

Futebol vira símbolo da disputa entre liberais e conservadores nos EUA

EUA e Brasil se enfrentam em amistoso em Nova...

Rihanna lança primeiro single de novo álbum esta semana

O novo trabalho de estúdio da cantora Rihanna...

Literatura Africana Contemporânea

A literatura africana contemporânea não tem recebido, especialmente...
spot_imgspot_img

Exposição revisita mostra A Mão Afro Brasileira, em São Paulo

Há 35 anos, o artista e museólogo Emanoel Araújo (1940-2022) fez a curadoria da icônica exposição A Mão Afro-Brasileira, para marcar o centenário da...

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

Rotas de Fuga para o Aquilombamento

Quando iniciei meu trabalho atual como fotógrafo negro e de pessoas pretas, pensava em como transmitir textualmente, sinteticamente, aquilo que eu queria passar sobre...
-+=