quinta-feira, julho 7, 2022
InícioQuestões de GêneroMulher Negra“What happened, Miss Simone?” - Nina Simone, a mulher e a Politica

“What happened, Miss Simone?” – Nina Simone, a mulher e a Politica

Quando fiquei sabendo do lançamento do documentário sobre a Nina Simone, fiquei muito empolgada para saber mais sobre ela, porém demorei um tempo para assistir ao documentário, não por falta de oportunidade, mas eu queria estar de certa maneira preparada. Já sabia que a história tinha diversas situações bem pesadas (estupro, violência doméstica, etc) então queria me preparar “emocionalmente”.

Por Isabela Kanupp do Para Beatriz

Porém comecei a ler algumas críticas a respeito do documentário, de como a Nina foi retratada e uma crítica me chamou mais a atenção, justamente porque pontuava questões da maternidade. Então pensei: é agora. Quem quiser ler a crítica antes (aconselho) é essa aqui –  “What happened, Miss Simone?” é um insulto à memória de Nina Simone. 

Comecei a anotar as idéias para esse artigo enquanto assistia ao documentário, a intenção inicial era abordar apenas a questão da Nina Simone com a maternidade, ou como ela é retratada como péssima mãe. Porém, é impossível resumir Nina Simone apenas a sua maternagem e muito menos ignorar todo o contexto para o desfecho dessa maternagem.
Já escrevi um artigo no blog sobre essa divisão dentro da maternidade, as boas e as más mães, e de como essa classificação é uma forma de segregar mulheres, baseando em conceitos sociais do que é ser uma boa mãe. Esse conceito basicamente se resume a doação completa e servidão, tudo que foge desse estereótipo imposto pela sociedade é considerado algo negativo.

Podemos avaliar a maternagem de alguém, sem considerar todo o contexto no qual ela estava inserida?É justo fazermos isso com alguém?

Nina queria ser a primeira mulher negra a ser pianista clássica nos EUA. Mulher, negra e pobre, trabalhou se apresentando para guardar dinheiro, para estudar e se sustentar. E não imaginava o que poderia acontecer e aconteceu. Nina se envolveu com o movimento pelos direitos civis e através disso buscou sua liberdade como mulher negra. E então as coisas mudam: ela é retratada como uma ingrata, mal agradecida, amarga, descontrolada, péssima mãe.

No início do documentário temos a fala de Lisa, filha de Nina Simone, dizendo que Nina era uma artista incrível, porém não deixava esse papel de artista quando saia dos palcos, Nina Simone era Nina Simone em todos os momentos.Nas palavras de Lisa, sua mãe havia se tornado insuportável, combativa e raivosa. Isso é colocado de uma forma completamente pejorativa.
Então eu pergunto, por qual motivo as mulheres ao assumirem uma posição combativas – e revolucionárias – ganham adjetivos como esses? Temos que ser dóceis e amáveis todos os momentos? Mulheres deveriam ser combativas como?

ninaandy

Logo no início de sua carreira, Nina conheceu Andy (Andrew) em uma de suas apresentações. Eles se casaram e ele se tornou seu empresário. É notável a relação de submissão que ela foi inserida, ele a controlava e a explorava. A relação dos dois é retratada como uma relação difícil e conturbada, porém o nome para isso é outra coisa: Era uma relação violenta e abusiva. Nina foi agredida diversas vezes – e o que não mostra no documentário, são as vezes que ela foi parar no hospital por isso -, e ela assume as agressões no documentário, Andy também. Porém, em momento algum ela demonstra contentamento com a situação, muito pelo contrário, conforme Nina se torna mais ativa politicamente ela vai se libertando. O que é retratado como: ingratidão e insatisfação sexual no relacionamento com Andy.
Lisa deixa claro que, a mãe apanhava, porém ela que havia se colocado naquela situação. Uma fala muito comum não é? Quantas mulheres agredidas já ouviram isso? Apenas culpabilização da vítima. Vítimas de violência doméstica não saem dessas relações porque “não querem”, mas porque na maioria das situações, são reféns emocionais ou economicamente.
Nina era uma refém emocional, que ouvia sempre que seu marido e empresário era um bom homem, que largou tudo para fazer ela se tornar uma estrela (tirando dela o protagonismo e reconhecimento por suas conquistas).

Andy, marido de Nina – que vale lembrar, a espancava e estuprava constantemente – é retratado como o homem que segurou todas a pontas, que fez Nina se tornar quem ela se tonou. Em um determinado momento do documentário, fica claro que Nina queria parar – ela já tinha dinheiro suficiente para estudar e se manter,  e poderia seguir o sonho de estudar para ser pianista clássica  – e mesmo após sua filha nascer Nina teve que voltar imediatamente para a“estrada” e seus compromissos com shows, algo que ela deixa claro que não queria, porém novamente Andy a obriga a isso para não deixar a “carreira desmoronar”, afastando-a assim de sua filha. Mas ela era a mãe, então a culpa cai somente sobre ela. Novamente a culpa é da vítima.

“Amei ser mãe. Eu era uma boa mãe. Fui uma mãe boa pra cacete.” – Nina Simone.
“Amei ser mãe. Eu era uma boa mãe. Fui uma mãe boa pra cacete.” – Nina Simone.

O retrato que colocam da Nina, como uma mãe relapsa, que não exercia a maternidade, é na verdade o retrato de uma mulher trabalhadora. Sendo uma escolha ou não, era isso que ela era. E dentro desse contexto, fazia o que podia para ficar mais próxima a filha ou do exercício da maternidade, mesmo viajando controlava a rotina da filha – que era cuidada por babás. Gostaria de ressaltar que, mesmo se não fosse o afastamento causado pelo marido e empresário, se fosse uma escolha da Nina levar a vida dessa maneira, isso não a tornaria uma péssima mãe.

Nina é retratada, para além de uma péssima mãe, uma mulher sem controle. Ao deixar apresentações porque seu público não fazia silêncio – Ritchie Blackmore também fez isso em seus shows, porém é visto apenas como um músico cheio de personalidade, e muitos outros artistas -, como uma mulher descontrolada que depois de atingir a fama, mesmo sendo uma artista incrível ainda era infeliz. Como poderia? Ela tinha que se contentar! Contentar e não seguir seus desejos, mas sim os do seu marido e empresário. Contentar em estar em uma relacionamento abusivo e agressivo. Quem ela pensava que era? Andy não a apenas era um marido agressivo e abusivo, ele também tirou o protagonismo da vida da Nina Simone, a controlando em todos os sentidos.

Mostram Nina como uma mulher ressentida com o marido, não como uma mulher vítima de violência doméstica e explorada. Toda sua insatisfação é vista apenas como reclamações de uma mulher mimada, que não gostava de trabalhar. Não como reclamações de uma mulher que estava sendo explorada e cansando de tudo aquilo.
No documentário é insinuado diversas vezes  – até mesmo dito pela filha deles – que ela era louca por não sair daquela relação. Dizendo que ela o provocava. Justificando algo injustificável. A agressão contra a Nina é colocada em todo o documentário apenas como ossos do ofício.

Uma mulher combativa movida por paixão e raiva e justamente por isso era uma mulher revolucionária. Mas toda sua força combativa, sua raiva, sua indignação, foram colocadas como algo pejorativo. Podemos lutar, mas temos que continuar a ser dóceis, continuar a ser amáveis. Podemos lutar, mas em silêncio!

O erro – na visão da sociedade – de Nina Simone foi ocupar um espaço político, foi se colocar como pessoa política. E então ela se tornou a chata. A péssima mãe. A ingrata.
Nina então mostra que a revolução, as mudanças, não se fazem apenas ali na linha de frente. São feitas também com música, colocando-se de forma política na sociedade.

Nina-Simone-Feeling-Good1

A partir de então, Nina começa o processo de libertação individual.
No documentário isso é retratado – através de uma entrevista com Andy, marido e empresário – como uma rebelia pessoal no relacionamento, não retratado como um processo de liberdade e desconstrução, onde ela não aceitava mais, não se sujeitava mais, não se submeteria mais a toda aquela situação de agressão e exploração.

É muito comum ouvirmos até mesmo dentro dos movimentos sociais e políticos, dentro da esquerda, que devemos ser pessoas pacifistas. Nina foi muito criticada por sua posição violenta, por acreditar que devemos ter nossos direitos, custe o que custar. Nina acreditava na revolução armada.

A violência que Nina Simone sofreu durante toda a vida, é relativizada e colocada apenas como um detalhe de sua vida. Não dão atenção ao fato e é absurdamente desrespeitoso a peça central do documentário ser Andy, seu agressor. Porém, ao contar sobre as agressões que Nina cometeu contra a filha, que era adolescente na época, é colocada de uma forma totalmente diferente – não que para mim seja justificável -, apenas retratando uma Nina raivosa e cheia de fúria. Nina era a vilã. E sempre foi a vilã. Os pesos e as medidas são usados de formas distintas.

Conforme eu ia assistindo ao documentário, tinha a esperança que no final ela seria retratada de forma digna. Que mostraria toda a sua luta e o motivo de sua raiva – necessária, sempre -, iria retratá-la como uma mulher forte e combativa. Mas o que fizeram foi retratar Nina como uma mulher descontrolada, violenta e que desperdiçou o seu talento apenas por um capricho – a luta pelos movimentos civis é retratada exatamente dessa maneira -, e no fim, para fechar com chave de ouro (porque não poderia ser pior), Nina é “diagnosticada” como maníaca-depressiva como forma de “justificar” todo seu “descontrole”.

No fim a mulher é sempre a louca, “patologicamente” ou não, ela sempre será retratada assim quando assume papel político, quando ocupa espaços políticos e sociais. 

Artigos Relacionados
-+=