Zé Roberto: ‘Falta profissionalismo no país’

Aos 38 anos, ele não se machucou desde que chegou ao Grêmio. Ficou fora apenas de duas partidas, poupado. Recebeu, dos colegas mesmo, o apelido de Homem de ferro. Não é à toa que Zé Roberto passou a ser exemplo no clube. A dedicação do camisa 10 conta muito. O próprio meia acha que falta isso nos jogadores brasileiros.

Nesta terça-feira, Pará e Souza comentaram que o meia é tido como um ‘homem de ferro’ no elenco. Não se machuca. Levou uma pancada na panturrilha contra o Atlético-MG, e Pará brincou que quem se machucou foi o adversário. São 21 jogos pelo Tricolor gaúcho desde que voltou ao Brasil, em julho.

“É gratificante ser exemplo. Tem uns que são maus, poucos são bons. Estando entre estes poucos fico muito feliz. E acho que a proposta do clube me trazer foi isso também. Temos conversado. Começamos a fazer o projeto verão. Não tem nenhum paparazzi, mas se tiver no final do ano todos terão a barriguinha sarada”, comentou o camisa 10 gremista.

Zé Roberto, que ainda não marcou com a camisa do Grêmio, tem duas assistências no Brasileirão. Forma com Elano uma linha fundamental para a time, no meio-campo. Para ser um dos motorzinhos do time, o meia rala muito. Corre até quando está de férias. E reclama da postura dos jovens atuais no futebol brasileiro. Na opinião do meia, jogadores como ele, Juninho Pernambucano, Marcos Assunção, entre outros, se destacam por conta da postura adquirida fora do país.

“Faz falta este profissionalismo no futebol brasilerio. Hoje, eu só jogo em alto nível com 38 anos porque sempre priorizei minha forma e aqui no Brasil não se vê muita gente cuidando disso. A decadência do futebol brasileiro e da Seleção é o porque o jogador veterano está se destacando mais que os jovens no campeonato. Eu vejo isso de uma forma em que se enquadra o profissionalismo. Os veteranos são jogadores que vem de fora. o Seedorf, o Juninho, eu, o Marcos Assunção. Tem esta mentalidade criada fora”, defendeu o jogador.

O Tricolor só não contará com Gilberto Silva para o duelo com o Cruzeiro, às 18h30 de domingo, no Olímpico. No restante das posições, terá força máxima. O elenco treina em dois turnos nesta quarta.

 

 

Fonte: Band

+ sobre o tema

Museu Afro Brasil fecha parceria inédita com o São Paulo Fashion Week

SPFW receberá a mostra "Africa Africans Moda" em forma...

A Frente Negra Brasileira

Há 86 anos, em 16 de setembro de 1931,...

Margareth Menezes anuncia presidente do Olodum como futuro chefe da Fundação Palmares

A futura ministra da Cultura, Margareth Menezes, anunciou nesta...

Ataques e contra-ataques do racismo na terra de Pelé

por Felipe Carrilho O futebol, verdadeira instituição nacional, pode ser...

para lembrar

Tatiana Tibúrcio ganha o prêmio APCA de Melhor Atriz por atuação em ‘Falas Negras’

Tatiana Tibúrcio ganha prêmio, saiba mais! A interpretação sofrida de...

Centenário de Aracy de Almeida, por Laura Macedo

Por: Laura Macedo Convido todos os amigos a curtirem esta...

Norte-africanos podem ter fabricado iogurte há 7 mil anos

  Norte-africanos podem ter fabricado iogurte há 7...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=