O canto negro de Candeia

Relançamento de três discos do sambista Candeia revelam suas viagens pela cultura musical negra e pelos próprios dramas pessoais

No seleto grupo dos cantores e compositores que ajudaram a construir a identidade musical brasileira, um espaço de destaque deve ser reservado para Antônio Candeia Filho. Carioca, nascido em 17 de agosto de 1935, ele cresceu frustrado por que nas suas festas de aniversário, desde de os primeiros anos, bolo, refrigerante, bolas de encher e palhacinho eram substituídos por cerveja, feijoada e muito samba.

Filho de um flautista amador, sambista incorrigível a quem alguns atribuem o mérito de ter criado as comissões de frente das escolas de samba, Candeia cresceu no bairro de Oswaldo Cruz cercado por um time de bambas da mais alta estirpe. E, tal qual filho de peixe, ele cresceu e se tornou um dos fundadores da G.R.E.S. Portela, para a qual compôs um samba-enredo aos 18 anos. Reconhecido e gravado por estrelas como Alcione, Beth Carvalho, Marisa Monte e Clara Nunes, ele marcou sua obra por uma pesquisa constante dos ritmos negros, dando destaque para as raízes africanas.

Isso fica comprovado nos seus três primeiros discos solo lançados entre 1970 e 1975 – Autêntico, Seguinte: Raiz e Samba de Roda – e que ganharam recente reedição pelo selo Discobertas. Sozinho ou com parceiros como Paulinho da Viola, Casquinha e Wilson Bombeiro, ele vai do partido-alto ao ponto de macumba, passando pelo pagode e outros estilos, sem fazer muito esforço. Saudação a Toco Preto, por exemplo, é um cruzamento dos afro-sambas de Baden Powell e Vinicius de Moraes com os metais funkeados de James Brown.

No entanto, nem sempre era seu jeito boêmio e divertido que chamava a atenção. Ao mesmo tempo que fazia parte do grupo Mensageiros do Samba (com quem estreou em disco em 1964), entrou para polícia onde ganhou fama de brigão e violento. Tendo hábito de prender prostitutas e malandros, até Paulinho da Viola já teve que lhe mostrar os documentos para não ser levado pra delegacia (depois dividiram canções como a tristonha Minhas Madrugadas). E foi esse jeitão esquentado que lhe mudou a vida pra sempre. Doze dias antes do natal de 1965, após bater num caminhão, o sambista resolveu a questão descarregando seu revólver nos pneus do veículo, que vinha transportando peixe. Pra se vingar, o motorista lhe devolveu cinco tiros. Um deles se alojou na medula e deixou o sambista paraplégico. Para alguns, o incidente foi uma praga rogada por prostituta em quem havia batido no dia anterior.

A tragédia deixou Candeia triste, melancólico e sem querer sair mais de casa. Foi a muito custo que amigos como Martinho da Vila e Bibi Ferreira conseguiram lhe trazer de volta à vida e ao samba. Com um tempo ele até achou que aquilo seria bom pra sua carreira, que agora ganhava dedicação exclusiva. Como uma forma de afogar as mágoas, transformou suas dores em música. Em Peso dos anos, ele diz “Oportunamente partirei/ Abandonando as coisas naturais/ Mas deixarei saudade, eu sinto/ Muita gente há de sentir”. E em Testamento de partideiro, o compositor pede “Quem rezar por mim que o faça sambando”.

Preso a uma cadeira de rodas, Candeia passou seus últimos 13 anos compondo, cantando e tocando, tendo sempre em vista as aspirações do seu povo. Em Dia da Graça, por exemplo, ele lamenta “aquela gente de cor, com a imponência de um rei, vai pisar na passarela. Vamos esquecer os desenganos que passamos, viver alegria que sonhamos”. Também escreveu, ao lado do amigo Isnard, o livro Escola de Samba, Árvore que Esqueceu a Raiz, e fundou a escola de samba Quilombo, em 1975, para defender o samba autêntico. Dois anos depois, se reuniu com Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Elton Medeiros para gravar o disco Os Quatro Grandes do Samba. Em 16 de novembro de 1978, por consequência de uma infecção generalizada, partiu para outros terreiros, antes de ver seu último disco, Axé, lançado e figurando como um dos fundamentais no gênero. Candeia deixava para trás mulher, filhos e encerrava um capítulo importante da história do samba.

Quem

ENTENDA A NOTÍCIA

Cantor e compositor, Antonio Candeia Filho cresceu nas rodas de samba de Oswaldo Cruz, na capital carioca,onde aprendeu violão, cavaquinho e capoeira. Com poucos discos, escreveu sucessos como Coisas banais e O mar serenou, imortalizado por Clara Nunes.

SERVIÇO

AUTÊNTICO, SEGUINTE: RAIZ e SAMBA DE RODA

O quê: reedição dos três primeiros discos solo do sambista carioca Candeia

Selo: Discobertas

Quanto: R$16,90 (cada um)

+ sobre o tema

Chael Sonnen lutou dopado contra Anderson Silva

Foto UFC O americano versado...

Hamilton é advertido por incidente com Bruno Senna nos boxes

Mais rápido do primeiro dia de treinos para...

Seminário aborda discriminação

A UEFA junta-se às federações holandesa e inglesa...

Provei que não sou marginal, desabafa Felipe após título carioca

Mesmo sem defender pênalti, goleiro do Flamengo se sentiu...

para lembrar

Rock in Rio 2022: Ludmilla é confirmada no Palco Sunset ao lado de Macy Gray

A cantora brasileira Ludmilla foi confirmada como atração do Rock in...

‘Muitos brancos esquecem a raiz negra do rock’, diz Will Cahoun, do Living Colour

“Devo prestar homenagem a uma das minhas artistas mais...

Dani Nega lança a música Sai Boy

Dani Nega lança a música "Sai Boy" acompanhada de...
spot_imgspot_img

Quem é Linda Martell, citada em “Cowboy Carter”, novo álbum de Beyoncé?

O esperado novo álbum de Beyoncé contém uma música que leva o nome de uma mulher que parece ter sido a inspiração para o projeto. “Act...

Beyoncé revela que Stevie Wonder tocou gaita em uma das faixas de seu novo disco ‘Cowboy Carter’; ouça

Beyoncé revelou que Stevie Wonder tocou gaita em "Jolene", uma das faixas do seu novo disco "Cowboy Carter". A informação foi dada pela própria cantora durante o...

Beyoncé diz que seu novo disco nasceu de experiência de rejeição no country

Beyoncé divulgou nesta terça-feira (19) a capa do seu novo disco "Cowboy Carter", o segundo capítulo de uma coleção que começou com "Renaissance", de...
-+=