Brasileiros são destaque em evento da ONU sobre afrodescendentes

Filósofa paulista Djamila Ribeiro fala sobre promoção da igualdade racial e importância da população negra em vários âmbitos da sociedade; mestre de capoeira Plínio traz os sons africanos para a sede das Nações Unidas.

Por Leda Letra Do Unmultimedia

Foi realizado na sede da ONU, esta segunda-feira, um evento de alto nível sobre inclusão e contribuição dos afrodescendentes para a sociedade. O debate é uma das atividades da Década Internacional de Afrodescendentes, que segue até 2024.

A filósofa brasileira Djamila Ribeiro foi convidada a participar do encontro. Atuando como secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos da cidade de São Paulo, ela destacou à Rádio ONU a importância de políticas públicas em prol dos afrodescendentes.

Cultura

“Vou falar muito sobre as iniciativas que temos tido na gestão de São Paulo em relação à promoção da igualdade racial, como atendimento psicossocial às mães que perderam seus filhos vítimas de violência policial; o quanto que para a Secretaria de Direitos Humanos a centralidade do debate racial é importantíssimo, e pautar políticas neste sentido é importante. Eu acho importantíssimo a gente trazer à tona as nossas manifestações culturais, que durante muito tempo foram perseguidas ou não foram legitimadas. Mostrar a importância da população negra não só na cultura, mas em vários outros âmbitos da sociedade.”

Além de Djamila Ribeiro, o evento de alto nível contou com a presença de outros brasileiros, que fazem parte de um grupo de capoeira. No salão do Conselho Econômico e Social da ONU, Ecosoc, pode-se ouvir os sons da cultura africana.

Reconhecimento

Quem participou da apresentação do grupo foi o mestre de capoeira Plínio. Ele fala sobre a importância do mundo reconhecer essa manifestação cultural.

“Países que estão recebendo a capoeira como uma ferramenta de transformação do ser humano. Sobretudo porque é uma cultura que vem do povo africano, que tanto alimentou o nosso país e hoje a gente estar aqui é motivo de grande orgulho. O povo africano no nosso país foi muito discriminado com essas coisas e essa arte de capoeira, que engloba tantas outras artes e tem transformado tantas pessoas, faz com que reforce essa proposta de estar valorizando a cultura africana no mundo.”

Além da mesa redonda e da apresentação de capoeira, foi lançado no evento o “ONU-Song”, um grupo de trabalho formado por funcionários da organização, com o objetivo de promover o acesso igualitário de todas as pessoas dentro das Nações Unidas, independentemente de raça, nacionalidade ou etnia.

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Aconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

Mulheres Maravilhosas: Cristiane Sobral

Não me lembro exatamente como entrei em contato com...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Ela atuou em uma série da Globo: “Meus 15 minutos de fama quase me destruíram”

A fama é uma amante cruel. Num momento, Jaqueline...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=