Carta às mães haitianas: o mundo vive um apartheid real

Prezadas mães haitianas,

Nesta semana, tive calafrios quando li um informe da ONU mostrando com detalhes como suas filhas e filhos estão sendo queimados vivos, como estupros coletivos se multiplicam, como a violência fechou centenas de escolas, impediu o atendimento de saúde e, mais uma vez, adiou o futuro. Apenas no mês de abril, foram mais de 600 assassinatos no Haiti.

Mas o verdadeiro choque foi quando eu disparei ligações a missões diplomáticas de diversos países para tentar entender onde estava o pedido que o governo do Haiti havia feito em outubro por ajuda internacional. A solicitação, me disseram, estava estagnada diante da recusa dos países ricos em enviar seus soldados para a região. Um desses embaixadores me disse: “o Haiti não tem solução”.

O abandono, porém, não é apenas militar. Para a crise humanitária que abala o país, a ONU pediu 718 milhões de dólares para sair ao socorro da população local. Estamos quase na metade do ano e a entidade apenas recebeu de doadores 11% do valor solicitado. Em educação, foram solicitados 50 milhões de dólares. Mas o país não recebeu um centavo sequer. Para assegurar água potável, saneamento e higiene, o plano recebeu apenas 2,5% do necessários.

O maior cheque seria para garantir alimentos.

Dos 400 milhões de dólares que a ONU precisava para isso, ela recebeu escandalosos 1,2% do valor. Em cinco meses, a Ucrânia já recebeu em ajuda humanitária mais que todo o recursos que o Haiti precisaria para o ano de 2023.

Escrevo a vocês com a triste constatação de que sua crise é ignorada pelo mundo. Sequer encontra espaço para a capa dos jornais. Não mobiliza recursos e nem tropas. Escrevo para lhes dizer que a morte de seus filhos é o espelho da hipocrisia das nações supostamente civilizadas. Em cada assassinato está o atestado de óbito de políticas externas que, no papel, se apresentam como bússolas da democracia e dos direitos humanos.

Neste domingo em que famílias se reúnem para celebrar vocês, mães, deixo aqui minha solidariedade e indignação.

Em muitos aspectos, o mundo vive um apartheid real. Silencioso? Apenas para os surdos. Ou, como diria Nelson Rodrigues, o pior cego é aquele que não quer ver. E o mundo opta por não querer ver o déficit de humanidade em zonas que, se estão no mapa, parecem ter desaparecido da consciência coletiva.

O Haiti das filhas e filhos de vocês é um desses locais. Não há fatalidade. Certamente a disputa doméstica por poder, a corrupção, terremotos, furacões e o colapso do estado contribuíram para a condição do país. Mas uma recente reportagem do jornal The New York Times revelou o que historiadores e a população local já sabem há anos: a comunidade internacional fez o Haiti de refém, com perdas que podem somar oito vezes seu próprio PIB atual.

O pagamento do resgate pela revolução de 1791 transformou o que era uma das colônias mais rentáveis do mundo em uma dívida impagável. Assim relata o New York Times:

Por gerações após a independência, os haitianos foram forçados a pagar os descendentes de seus antigos senhores de escravos, incluindo a imperatriz do Brasil, o genro do imperador russo Nicolau I, o último chanceler imperial da Alemanha e Gaston de Galliffet, o general francês conhecido como o “açougueiro da Comuna” por esmagar uma insurreição em Paris em 1871.

Os encargos continuaram até o século XX. A riqueza que os ancestrais da Sra. Present extraíram do solo trouxe grandes lucros para um banco francês que ajudou a financiar a Torre Eiffel, o Crédit Industriel et Commercial, e seus investidores. Eles controlaram o tesouro do Haiti de Paris por décadas, e o banco acabou se tornando parte de um dos maiores conglomerados financeiros da Europa.

As riquezas do Haiti também atraíram Wall Street, proporcionando grandes margens de lucro para a instituição que acabou se tornando o Citigroup. Isso afastou os franceses e ajudou a estimular a invasão americana do Haiti – uma das mais longas ocupações militares da história dos Estados Unidos”

Hoje, quando escuto que “o Haiti não tem solução”, a realidade é que há quem queira fazer vingar a narrativa de que seus filhos nasceram em uma latitude que determina seu destino. Uma cômoda e mentirosa forma de abafar a história, seus lucros e suas responsabilidades.

Diante de mães que testemunham seus filhos perambulando pelas fronteiras do continente para sobreviver, resgato como Aimé Césaire certa vez escreveu que a “negritude no Haiti se levantou pela primeira vez e disse que acreditava em sua humanidade”.

Hoje, ao ser abandonado, o país não testa a existência da humanidade de suas mães e cidadãos. Mas o da própria comunidade internacional.

Saudações democráticas,

Jamil

+ sobre o tema

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

‘Me sinto decapitado’: por que cada vez mais homens têm o pênis amputado no Brasil?

Uma verruga no pênis fez João*, de 63 anos,...

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo...

para lembrar

As mulheres e a choupana

Para que você entenda a história, peço para que...

Pandemia piorou condições de saúde de mulheres em remissão do câncer de mama

Apandemia levou um grupo de mulheres em remissão de...

Brasileira cria fundo para financiar empreendedor negro, mulher e LGBTQIA+

A economista Luana Ozemela se apresenta como uma ativista...
spot_imgspot_img

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Apesar de serem maioria, há menos de um século  elas...

De 2,1 milhões inscritos no concurso público nacional, 56% são mulheres e maioria está na faixa até três mínimos

O Concurso Público Nacional Unificado (CPNU), também chamado de “Enem dos concursos”, teve 2.144.435 inscrições confirmadas, sendo 1.543.560 pagantes e 600.875 isentos. De acordo...

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso, é necessário que tenham entre 17 e 27 anos, não sejam casadas e não tenham...
-+=