Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

É preciso estar atento a partidos que buscam não enfrentar desigualdade racial

“Manter o ideal racial de um continente branco de famílias cristãs e heterossexuais” foi marca de destaque da convenção do Vox – Viva 24, realizada recentemente em Madri e que buscou definir caminhos da extrema direita para as eleições europeias.

A ambição desses segmentos populacionais de concentrar e ampliar o poder, a possibilidade de serem explicitamente racistas, defendendo “fronteiras fortes” contra a imigração, são algumas propostas desse encontro mencionadas no editorial do jornal El País de 21 de maio, intitulado “A Aliança Pragmática do Ódio”.

O texto salienta ainda que, por trás da defesa da identidade nacional, que também marcou a convenção do Vox, muitos interesses se colocam, sempre na direção de forjar um inimigo comum contra o qual todos os patriotas devem se unir.

E, como sempre acontece nesse caminho, os partidos da ultradireita exploram em seus argumentos os medos da população provocados pelos desafios que as sociedades têm de enfrentar na atualidade.

Aqui no Brasil não é diferente, e pode-se exemplificar com o fato de que nesta quarta (22) se discutia o recurso apresentado por senadores de oposição, majoritariamente bolsonaristas, para que a nova lei de cotas no serviço público passasse por nova votação, mesmo depois de acordo já fechado para uma proposta de texto —ao fim, o texto foi ao plenário, acabou aprovado e agora vai para a Câmara.

O que efetivamente incomoda alguns segmentos de nossa sociedade é a possibilidade concreta de que sejam asseguradas oportunidades para pessoas negras, indígenas e quilombolas ingressarem no serviço público e dessa forma contribuírem para que o país tenha uma administração mais equânime e representativa de sua população, que é rica em diversidade humana.

As cotas têm se revelado um caminho importante para auxiliar o Brasil a mudar uma realidade que o coloca entre os campeões de desigualdade e de concentração de rendas do mundo.

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) mostra que, em apenas uma década, aumentou em 167% a entrada na educação superior federal por meio de ações afirmativas, passo importante para pavimentar o caminho rumo a uma sociedade mais democrática, um Brasil efetivamente para os diferentes segmentos que o compõem.

Se cotas para pessoas pobres incomodam alguns segmentos da nossa população, cotas raciais os irritam muito mais. E todo o esforço que fazem é para retirar a dimensão racial dessa política.

A supremacia branca nas organizações públicas da nossa sociedade é defendida e usufruída como se não tivesse nada a ver com a história do Brasil, que viveu 4/5 de seus anos sob a égide da escravidão, e isso impacta os lugares ocupados atualmente pelos descendentes desse processo, tanto os de escravocratas quanto os de escravizados.

As heranças dessa longa e triste história se revelam facilmente na atualidade por meio das estatísticas sobre condições de educação, trabalho, saúde e moradia desses grupos.

As ações afirmativas, os processos de reparação, as políticas públicas e privadas de equidade precisam ser implementadas para que possamos efetivamente virar essa página da história.

Se o país é majoritariamente negro, com fortes presenças indígena e quilombola, temos que estar atentos aos movimentos dos partidos que buscam não enfrentar a violência crescente contra esses grupos e as desigualdades atestadas pelos principais órgãos de pesquisas.

A convenção do Vox – Viva 24 é um alerta importante para os diferentes movimentos sociais de nosso país.

Também o Brasil vai passar por eleições em 2024, e precisamos identificar quais partidos vêm desenvolvendo ações, propostas e projetos de lei que possam efetivamente auxiliar o país a se tornar uma sociedade democrática. E trabalhar duramente para que os resultados das urnas reflitam esse país que queremos e podemos ter.

+ sobre o tema

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Ministério Público Federal decide investigar líder da Igreja Mundial

Apóstolo Valdemiro Santiago é suspeito de enriquecimento ilícito e...

Servidores públicos serão a bola da vez de Bolsonaro

Tendo como pano de fundo a crise econômica e...

Princeton removerá nome de ex-presidente americano de faculdade

O presidente da Universidade Princeton, Christopher L. Eisgruber, anunciou...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...
-+=