Cultura- Desafio cotidiano da periferia negra

A Economia da Cultura é responsável por mais de 5% do PIB no mundo, segundo dados do Banco Mundial. Aqui no Brasil, o IBGE, através de um convênio com o Ministério da Cultura, vem produzindo indicadores que dá um raio x do PIB brasileiro neste segmento. Dados iniciais sobre essa economia informam que existe uma média de 320 mil empresas ligadas à produção cultural em todo o país. O que torna esse setor responsável pela geração de 1,6 milhão de empregos formais. Ou seja, 4% dos postos de trabalho no Brasil se origina nas produções e ações culturais desenvolvidas nos mais diferentes espaços.

Se a cultura tem o poder de gerar emprego e renda, por que será que, mesmo com o acesso aos recursos financeiros dos governos locais, esses incentivos não conseguem potencializar a cultura da periferia ou torná-las fonte de emprego e renda para seus produtores e os diferentes atores do seu entorno, como em outros setores? Por que a cultura e eventos da periferia, ou seja, produção negra, não ocupa espaço nos veículos de comunicação com o mesmo destaque que as não negras? Ao olhar os números em destaque e pensar esses pontos, só me vem à cabeça o imaginário social existente sobre a cultura e eventos de periferia. 

Há aqui um misto de indignação e desconfiança sobre a população que acaba por fazer com que haja uma baixa aceitação desta cultura, colocando-as como “merecedoras” da precarização socioeconômica e da quase nula divulgação diante de um fazer que acontece de maneira individual e desafiadora. Ao perceber essa situação, entramos em outro ponto enfrentado, que é a ausência do fortalecimento da profissionalização na perspectiva negra e periférica, o que acaba por favorecer um mercado que se baseia na relação pessoal, clientelista e informal, logo, um mercado que deixa de absorver os diversos talentos e criatividade em nome da manutenção de um modelo de cultura cansativo e único. 

Sem regras claras, igualdade de oportunidades, concorrência e falta de visão estratégica sobre o papel da cultura negra periférica frente as políticas públicas e espaços urbanos, não só mantem sua invisibilidade como enfraquece a potencialização desta na capital baiana. Esse modelo de fazer cultura que constrói diferentes espaços urbanos e os diferencia pela estrutura socioeconômica, tem se isentado de debater uma cidade cultural e musical a partir de suas diversas comunidades e respectivas manifestações culturais diante de diferentes sujeitos e seus talentos. 

Desenvolver estratégias de empreendedorismo na área da cultura, é então dialogar com uma estética presente nas periferias que não só atua na difusão das produções culturais presente nas mesmas, como também auxilia no pensar sobre o contexto político das negociações e regulações culturais, analisando tanto sua  produção como recepção frente a  produtos artísticos oriundos periferia. É preciso dialogar na econômica da cultura com  negociações  que valorize o  centro destas comunidades, uma vez que essas  são permeadas de valores, crenças, normas e interpretações.

Desenvolver novas  estratégias de fomento cultural e econômico tendo as comunidades e sua cultura como protagonista das dinâmicas de desenvolvimento, permite  construção de novos olhares humanos e sociais. Olhar as agendas culturais e notar como a cultura não periférica tem espaço e visibilidade nos meios de comunicação, nos conta sobre quais perspectivas o mercado cultural se  deixa atrair pela estética periférica negra. Mudar esse modelo de percepção passa pela formulação de ações que não só mude a forma como comunicadores representa as diversas características do que se pode considerar produtos, pessoas, coisas, eventos dentre outros. Construir produções inclusiva nos grandes shows, trazendo novos artistas periféricos, é atuar sobre uma ótica de discriminação, que ainda passa pelo olhar que a mídia dirige sobre esses. É isso que torna fundamental aprofundar as analise sobre produção do discurso midiático em parceria com agências de viagem, hotéis, guias turísticos,  e atores deste mercado diverso que praticamente esquece o papel destas manifestações no  coração da cultura brasileira. 

Repensar esta visibilidade, aproveitando as oportunidades oferecidas, é atuar com uma capacidade criativa que atende aos mais diversos gostos. Entender que em um pais como o Brasil, não há escassez de mercado para a cultura periférica e negra, produzida e coordenada por negros e negras faz com que esse mercado que já possui cifras significativas possa tenha neste mercado a possibilidade de outros ganhos sociais e econômicos no que se refere ao pertencimento étnico cultural. Ainda vivemos uma produção cultura que se sustenta a partir de uma rede excludente de promoção da cultura e cuja autopreservação dos privilégios é o fator chave dentro deste mercado cultural seletivo. Construir um novo “elo” entre as diferentes formas de cultura , nos coloca diante do desafio de evidencia e potencializar  novos saberes tento o corpo e criatividade negra como ponto de partida diante de um mercado que não permite, no palco, a presença – enquanto protagonistas – de quem nunca saiu da plateia ou das suas periferias. Essa é a chave para um novo modelo cultural atraente e pulsante de criatividade e beleza. 


Luciane Reis é publicitaria, idealizadora do Mercafro e pesquisadora da área de desenvolvimento e negócios inclusivos pela UFBA.


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

Leia Também:

Autocuidado e bem viver: Algo muito distante das periferias refém de Salvador- Bahia

A democracia do discurso, imagens e símbolos que ainda faltam ser vistos no Diário Oficial – desafios postos aos gestores antirracistas

+ sobre o tema

Tecnologia ancestral

Saudações,  Hoje é um dia no futuro que foi sonhado...

Como descobri o racismo em Chiquititas 20 anos depois

Quem foi criança nos anos 1990 e 2000, muito...

Meu voto é para mudar a história e o seu?

Estamos a poucos dias das eleições e fortalecer candidaturas...

para lembrar

Quilombos contemporâneos: Coletivo Malungo fortalece resistência negra nas quebradas

No velho continente, um passado de grandes impérios, dinastias...

São Mateus: O bairro da Zona Leste contra o vírus

"...2000 favela São Mateus viela; Revolução começou e não precisa...

Tocar tambor é um ato de resistência!

No Brasil antes da invasão, já se ouvia os...

Nova curadora de moda do MASP: “Roupas podem ser armadura contra o racismo”

"Sempre fui curiosa". É com essa frase que a...

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=