Ele não assume suas responsabilidades

Além de mentir na ONU, Bolsonaro recorre após ser condenado por falsa acusação contra jornalista

O discurso de Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral da ONU faz parte de um infame cotidiano de ataques do presidente que não respeita a liturgia do cargo. Além das inverdades ao apresentar o seu modelo de sociedade ideal brasileira, Bolsonaro atacou toda a nossa diversidade étnico-racial, ao defender o Brasil como nação cristã, e a pluralidade na constituição das famílias, ao discorrer sobre um modelo conservador e irreal fundamentado na família tradicional.

A liberdade de expressão, também mencionada por ele, foi utilizada por sua defesa no último dia 15 de setembro para recorrer à condenação em segunda instância por ter acusado falsamente a jornalista Bianca Santana de escrever fake news. O que ele entende como liberdade de expressão são as mentiras e ataques que pratica.

O presidente recorreu da decisão de juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo alegando, em resumo, que a jornalista não teria sofrido dano moral com sua acusação. Em um dos recursos, a advogada de Bolsonaro chega a afirmar que o texto com a pergunta sobre o envolvimento da família Bolsonaro com o assassinato de Marielle Franco “poderia configurar até mesmo calúnia”. Preferimos não compreender tal insinuação como ameaça de processo para focarmos nos recursos à condenação que Jair Bolsonaro já recebeu.

A contestação foi feita um dia depois de o presidente declarar que fake news não são problema; afinal, “quem nunca contou uma mentirinha?” (palavras dele). No mesmo dia 14 de setembro foi para o Supremo Tribunal Federal o recurso de Bolsonaro contestando a condenação em outros processos, como por ter sido homofóbico na TV aberta, em 2011, e por ter sido julgado culpado nos violentos ataques misóginos à deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) e à jornalista da Folha Patrícia Campos Mello.

A vitória honrosa na Justiça de mulheres, pessoas negras e LGBTQIA+ não é tolerável pelo presidente. Mas é preciso demarcar que esses grupos o condenaram no Judiciário, em primeira e em segunda instância. Além de não acatar a condenação e se responsabilizar por seus atos ilegais, Bolsonaro parece querer desafiar o STF mais uma vez. Agora, tenta deturpar o sentido da liberdade de expressão.

É preocupante notar também que, ao apontar inimigas, Bolsonaro oferece a seus seguidores a explicitação de possíveis alvos. Têm crescido as agressões físicas, como testemunhamos exemplarmente na semana passada, quando um quilombola foi amarrado e agredido no Rio Grande do Norte e travestis foram assassinadas a bala em Pernambuco, Goiás e no Distrito Federal.

O presidente não se importa em envergonhar o povo brasileiro em sua diversidade enquanto milhões de empobrecidos e vilipendiados vão para a fila dos supermercados para comprar ossos para garantir o sustento.

Nós, defensoras e defensores negros de direitos humanos, jornalistas, quilombolas, juventudes rebeladas e periferias mobilizadas vamos seguir na trincheira das lutas, organizando nosso povo, levando comida e esperança com a campanha #TemGenteComFome e plantando revoluções com a forte presença de nossa memória de secular resistência.

Coalizão Negra por Direitos segue no enfrentamento a Jair Bolsonaro. Caso o STJ ou o STF julguem pertinentes os recursos, nosso grupo jurídico atuará para que a justiça prevaleça. Seguimos, mesmo que seus aliados sejam violentos e que o presidente da República, ele mesmo, pose sorrindo com placa de “CPF cancelado”, legitimando o jargão das milícias para o assassinato de pessoas. Seguiremos enfrentando o genocídio negro e perguntando: Jair Bolsonaro, qual a relação da sua família com o assassinato de Marielle Franco?

Anielle Franco
Bianca Santana
Douglas Belchior
Vilma Reis

Integrantes da Coalizão Negra por Direitos

+ sobre o tema

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

Entrevista: o dinamismo de Cidinha da Silva

por Júnia Puglia    foto André Frutuôso  Em seu novo livro, “Racismo no Brasil...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

“Os racistas não entram no Reino dos Céus”, diz pastor

Por Douglas Belchior Há alguns anos eu participava de uma...

O Debate ‘Negros, Política e Poder’ reúne 150 pessoas na Zona Leste

Evento teve a presença de representantes da prefeitura, moradores...

Pré-candidato do PSOL diz que partido é racista e não mantém coerência

Historiador Douglas Belchior afirma que crítica tem como objetivo...

Em 2025 comemoraremos as mudanças que começam aqui e agora

Em 2025 comemoraremos a primeira década de significativa redução...

Militares no alvo

Nada na operação da Polícia Federal ontem chamou mais a atenção que o envolvimento da alta cúpula militar do governo Jair Bolsonaro na trama golpista. As...

‘Vitória’, diz ministra Anielle Franco sobre IBGE apontar maioria da população parda

Na tarde desta sexta-feira (22), a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, classificou como "vitória" o resultado do Censo 2022, que demonstrou que o Brasil...

Trabalho infantil cresceu de 2019 a 2022, mostra IBGE

Depois de três anos seguidos de redução, o trabalho infantil cresceu no Brasil entre 2019 e 2022, durante o governo de Jair Bolsonaro. No...
-+=