Em feito histórico, Geledés demanda na ONU reparação aos afrodescendentes   

Enviado por / FonteKátia Mello

Artigo produzido por Redação de Geledés

Organização liderada por mulheres negras atua com protagonismo no Conselho de Direitos Humanos ao solicitar mecanismos que promovam uma sociedade livre do racismo

“Nesta quinta-feira, Geledés realizou um feito histórico ao ser a primeira organização de mulheres negras do Brasil a participar de forma protagonista de uma sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas”, concluiu a advogada e coordenadora de Geledés, Maria Sylvia de Oliveira. A coordenadora fez uma fala em sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU que teve início no dia 11 de setembro.

Em diálogo interativo sobre a Promoção da Verdade, Justiça, Reparação e Garantias de Não Repetição, nesta quinta-feira, 14, Geledés abordou a questão da Justiça Reparatória. “Avalio que com essa intervenção, Geledés abre uma possibilidade bastante importante de atuação em organismos internacionais. A organização passa para outro patamar ao se tornar uma voz relevante do movimento de mulheres negras junto a um órgão internacional desta estatura, levando demandas diretas dessas populações”, afirma Maria Sylvia de Oliveira.

Maria Sylvia abriu sua fala no Conselho de Direitos da ONU destacando a necessidade de melhor compreensão sobre a ocorrência do tráfico transatlântico na América Latina e no Caribe como “um fato histórico que exige obrigatoriamente o direito à reparação da população afrodescendente”

Neste sentido, Geledés propôs ao Conselho que recomende ao Estado brasileiro destinar um orçamento para políticas públicas que promovam a igualdade racial como uma forma de reparação. Ainda sobre esta temática, Maria Sylvia sublinhou a urgência da promoção racial constar na alta prioridade dos planos governamentais.

Explicou que justamente essa falta de prioridade nos governos faz com que haja uma invisibilidade orçamentária. “Mesmo que (os orçamentos) existam, é difícil saber quanto os governos gastam para promover uma sociedade livre de racismo. Entendemos que não pode haver justiça e reparação sem políticas públicas”, alertou ela.

+ sobre o tema

Grupo estabelece urgência no combate ao racismo global

Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta terça-feira,...

Geledés participa de fórum global da Unesco contra Racismo e Discriminação

Na abertura do 3º. Fórum Global contra o Racismo e...

Geledés na ONU

Uma comissão de Geledés-Instituto da Mulher Negra embarca neste...

Geledés aborda intolerância religiosa na ONU

Para além das sessões no Conselho de Direitos Humanos,...

para lembrar

Ex-empregada doméstica diz a Paulo Guedes que está indo a ONU

Deputada estadual do Psol mandou recado ao ministro da...

Brasil será avaliado pela ONU quanto à eliminação da discriminação racial

O Brasil passará por uma avaliação da Organização das...

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Fórum em Barbados discute as grandes temáticas do feminismo negro 

“O que o poder do feminismo negro significa hoje?”. Essa pergunta intrigante e provocativa foi temática de um dos painéis do Fórum dos Feminismos...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...
-+=