Fotografias, lugares e falsos conceitos sobre a questão da escravidão no Brasil

É lugar-comum pensar na Abolição da Escravatura no Brasil como uma cena de novela: no palácio real, uma princesa, pressionada por abolicionistas brancos, assina o documento de libertação e, no dia seguinte, uma massa de ex-escravos negros saem felizes de suas fazendas em direção às cidades, cruzando no caminho com os trabalhadores europeus que vieram ocupar seus espaços no campo. O processo que levou ao fim da escravidão no Brasil, em 1888, no entanto, começou nas primeiras décadas do século XIX e contou com uma gama de atores diversos. Os negros, comumente retratados como agentes passivos deste processo, pelo contrário, contribuíram ativamente durante décadas para que um novo capítulo na História do Brasil fosse escrito e, mesmo antes da assinatura da Lei Áurea, muitos conseguiram se libertar de seus senhores.
Se, para muitos, essas informações são novidades, isso resulta da forma como o tema foi constantemente ensinado e divulgado . Há pouco mais de quatro décadas, pesquisadores como Florestan Fernandes (sociólogo e político brasileiro) passaram a revisar esse período, tentado resgatar detalhes de como o processo que culminou no fim da escravidão no Brasil realmente aconteceu.
Ainda há muito que se pesquisar sobre essa temática, assim como são os diversos meios para se fazer, embora as condições para tanto possa, talvez dificultar tais pretensões. As fotografias, por exemplo, são algumas das fontes que podem auxiliar nesse embate, mesmo não sendo tantas.
Nelas se pode perceber alguns traços do cotidiano dos negros transformados em escravos nas senzalas, no trabalho forçado, assim como também na forma como eles se portavam durante as exaustivas viagens nos navios até chegarem no Brasil. A foto ao lado, possivelmente é a única fotografia de um navio negreiro. Ela foi feita por Marc Ferrez, em 1882. O navio que transportava as vítimas da escravidão era francês e a foto foi produzida de forma clandestina.
Veja mais fotos que retratam cenas do cotidiano dos negros africanos, transformados em escravos e que foram os responsáveis pela construção do país, seja na lavoura, nos trabalhos domésticos, na produção de cana de açúcar, nos cafezais, etc:
Crédito das fotos: História e Cultura afro-brasileira
 

+ sobre o tema

Eventos em São Paulo relembram os 50 anos da morte de Carlos Marighella; confira

Deputado comunista e fundador da ALN, Marighella será homenageado...

Taís Araújo: ‘Estou feliz com as minhas celulites’

Capa da revista QUEM desta semana, Taís Araújo falou...

“Star Wars: Episódio VII” terá atriz ganhadora do Oscar no elenco

As atrizes Lupita Nyong'o, vencedora do Oscar de melhor...

para lembrar

No mês da consciência negra o Justificando lança coluna ‘Vozes Negras’

No mês da consciência negra, oito juízas e juízes...

No Dia da África clamo por liberdade aos africanos

O Brasil é o país que possui o maior...

‘Ô loco meu’ com Sheron Menezzes

Sheron Menezzes homenageou as sogras no site do Domingão....

Edital Ideias Criativas 20 de Novembro:Veja aqui a lista dos vencedores!

Após dias de muita expectativa, saiu o resultado...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=