Inatividade contra o racismo pode custar caro ao Facebook

Enviado por / FonteIstoé

A falta de atividade contra o racismo e o discurso de ódio nos posts do Facebook está fazendo com que aumente o número de empresas que não querem anunciar na maior mídia social do planeta. Uma coalizão de grupos que lutam pelos direitos civis nos Estados Unidos lançou a campanha #StopHateforProfit na semana passada, quando instou as principais empresas do país a interromperem a publicidade no Facebook.

A reação no mundo dos negócios foi imediata e em poucos dias, redes como a The North Face e Patagonia disseram que apoiariam o movimento contra o Facebook. Outras empresas famosas nos Estados Unidos, como Upwork e Dashlane, além de marcas globais como a Coca-Cola, Hershey’s, Honda, JanSports, Levi Staruss, Verizon, Bem & Jerry’s e Unilever também aderiram.

A preocupação dessas empresas vai de encontro ao movimento de combate ao racismo nos Estados Unidos e, principalmente, o reflexo da polarização que a eleição norte-americana trará nos próximos meses, onde o presidente Donald Trump é a principal voz desses grupos radicais.

No primeiro trimestre deste ano, o faturamento total do Facebook foi de US$ 17,7 bilhões (R$ 96,9 bilhões), dos quais 98% ou US$ 17,4 bilhões (R$ 95,3 bilhões) vieram da publicidade, de acordo com o relatório divulgado a investidores.

Neste domingo (28), a Starbucks, sexto maior anunciante do Facebook – foram US$ 94,8 milhões em 2019 –, também disse que interromperia toda a publicidade em mídias sociais, embora não vinculasse explicitamente a ação ao #StopHateForProfit.

A CNN reuniu uma lista de empresas que aderiram ao boicote e pelo menos 19 empresas de nível global estão entre o grupo. A Unilever, por exemplo, retirou anúncios do Facebook, Instagram e Twitter, ação que deve perdurar até o final de 2020. A empresa disse que “continuar anunciando nessas plataformas não acrescentaria valor às pessoas e à sociedade”.

Na sexta-feira (26), após o anúncio das suspensões da mídia paga pela Unilever e Coca-Cola, as ações do Facebook tiveram uma queda de 8,3% e a empresa perdeu US$ 56 bilhões em valor de mercado.

Mark Zuckerberg emitiu comunicado na própria sexta-feira afirmando que vai marcar postagens que tenham discurso político e violem suas regras, além de adotar medidas para proteger a repressão a eleitores e proteger minorias contra abusos.

No entanto, declarou que não toma decisões políticas por causa da pressão das receitas, e um porta-voz disse que as mudanças são uma decorrência do compromisso feito por Zuckerberg de se preparar para as próximas eleições.

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Grupos de periferia se articulam em São Paulo para defender democracia e Dilma

Após violência contra militantes de esquerda em manifestações, Cooperifa...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

Movimento negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS

Nesta quinta feira (18), a Coalizão Negra por Direitos,...

para lembrar

Filme premiado ironiza padrão de beleza feminino e faz sucesso nas redes sociais

Curta-metragem explicita o contraste entre a pressão sobre a...

Usuários negros acusam LinkedIn de apagar postagens com temática racial

Num dia de setembro, Elizabeth Leiba abriu o aplicativo...

Facebook é acusado de preconceito racial na hora de contratar e promover

Uma agência dos EUA que vem investigando o Facebook...

Trump e o fim do casamento entre democracia e capitalismo neoliberal

Ao criar medidas protecionistas e impedir os fluxos da...

O mercado do “antirracismo” nas redes sociais e os fregueses brancos

As redes sociais são um grande Mercado, onde se encontra de tudo. Tudo mesmo: autoajuda, moda, tendências, política, culinária, deus ou deuses, ódio, pensamento...

Redes sociais expõem racismo contra religiões de matriz africana

Mais um carnaval e os casos de racismo e intolerância religiosa voltam à pauta com a festa mais popular do país. Os blocos e as...

Apuan Design e Cultne.TV lançam filtro de Instagram para cobertura do Baile Black Bom

Criado especialmente para a cobertura do Baile Black Bom, que acontece nesse sábado (14), a partir das 17h, o filtro de Instagram do Baile...
-+=