‘Lamento informar-vos, mas somos todos africanos’, diz o arcebispo sul-africano Desmond Tutu

Os seres humanos só têm uma casa, que estão a destruir, e ainda não perceberam que são “da mesma família”, que, na origem, é africana, afirmou hoje o arcebispo sul-africano Desmond Tutu, numa conferência na Fundação Gulbenkian, em Lisboa.

Recorrendo a histórias bíblicas e com o riso que lhe é característico, Desmond Tutu realçou que uma das “lições de deus” é a de que “não podemos ser humanos em isolamento, precisamos dos outros para nos complementar”.

Acreditando que os seres humanos são originalmente bons e que é “um incrível privilégio fazer deste o nosso mundo”, o Nobel da Paz sul-africano falou do “cuidado pelo outro”, que “é da mesma família”, para, após uma gargalhada daquelas que o caracterizam, dizer: “Lamento informar-vos, mas somos todos africanos.” “Imaginem, se realmente acreditássemos nisto, investiríamos tanto em instrumentos de morte e defesa como fizemos até agora?”, questionou, comparando os “escandalosos orçamentos” gastos em defesa e armamento à pequena parte canalizada para “dar água limpa e comida suficiente às crianças do mundo”.

Manifestando-se impressionado com os jovens e com o seu “incrível idealismo, acreditando que é possível ter um mundo diferente”, o arcebispo e Nobel da Paz referiu-se ao movimento Occupy Wall Street, nos Estados Unidos, para realçar que a falta de tolerância com as desigualdades “não está a acontecer só em países pobres, mas em todo o lado”.

Desmond Tutu partilhou a conferência “Diálogos sobre a paz e o desenvolvimento sustentável” com Jorge Sampaio, que, reconhecendo que “os indivíduos são essenciais”, sublinhou que “nada realmente acontece sem esforço coletivo”. “Temos diálogo todos os dias, mas o diálogo que interessa é sobre as diferenças e sobre o que temos em comum, aquele que obriga a negociar o tempo todo”, destacou o ex-Presidente da República português e atual presidente da Aliança das Civilizações.

Sublinhando que “uma crise em algum lado é uma crise em todo o lado”, Jorge Sampaio afirmou que importa questionar se a democratização, “uma necessidade absoluta”, tem de “ser apenas ocidentalização”, antecipando necessidades de “compromisso”. Elogiando o atual momento de ativismo, Jorge Sampaio justifica os recentes protestos realizados um pouco por todo o mundo como a prova de que desenvolvimento sustentável e justiça social “são duas coisas básicas”.

Enumerando os números negros da pobreza, da literacia, da saúde, da água e do saneamento, recordou o último encontro com Desmond Tutu, em 2008, na Faixa de Gaza, “sítio onde não é fácil entrar e de onde não é fácil sair”.

Reconhecendo não ter a capacidade para citar as escrituras sagradas, o assumidamente não crente Jorge Sampaio reconheceu que é preciso ter “fé”, no sentido de “capacidade para acreditar”.

 

 

 

Fonte: SIC Notícias

+ sobre o tema

Junta Directiva Central ODECO

La Ceiba, Honduras, C. A. 24 de Septiembre de...

Michelle Obama anima crianças em reality show

Michelle Obama se divertiu bastante enquanto gravava participação no...

UNESCO: memória sobre escravidão é importante para construir futuro melhor

No Dia Internacional para Relembrar o Tráfico de Escravos...

Netflix amplia acordo com Shonda Rhimes, produtora de ‘Bridgerton’

A Netflix anunciou nesta quinta-feira (8) que ampliou seu acordo com...

para lembrar

Rihanna fala sobre o seu estilo

Além de posar para um editorial bastante colorido para...

VOGUE: BLACK IS BEAUTIFUL!

Em apresentação de um artigo sobre modelos negras a...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...
-+=