Marcha das Mulheres Negras 2018: Uma mistura de emoção e militância

Uma mistura de emoção e militância, ocorreu durante a marcha das Mulheres Negras 2018. Mulheres negras demonstraram sua força política enquanto marchavam contra o racismo, a violência e pelo bem viver. A marcha aconteceu ao som do grupo Ilú Oba de Min que resgata e valoriza a cultura africana. Flashes de vários momentos, olhos marejados com cada detalhe registrado e compartilhado nas redes sociais… O coração acelera e ainda sinto a forte energia de cada abraço trocado e cada beijo dado nesse grande reencontro de mulheres de várias partes de São Paulo.

Por Lu Santana para o Portal Geledés 

Marcha das Mulheres  Negras 2018 (Foto: Natália Sena /Geledés Instituto da Mulher Negra)

Sim, fiquei tão impactada emocionalmente com o nosso feito, que desde o dia do evento, tento expressar de maneira fiel o que foi participar desse ato histórico e deveras importante para a comunidade negra brasileira, mas me faltam palavras. Arrisco dizer que a região escolhida, cenário de grandes transações comerciais e seus contrastes sociais, foi ocupada por centenas de Marias Pretas. Tantas, que não seria capaz de contar…Tantas, que nem sei o nome, mas que me enxergo em cada uma delas, através dos laços de nossa ancestralidade.

Todas essas experiências, sem exceção, são destacadas pelos elos de sociabilidade e solidariedade, que se constituem, de forma geral e espontânea. Acredito que por partilharem histórias parecidas, bem como vontades e receios, as Mulheres Negras reconhecem-se umas nas outras, sem o dever de apresentações refinadas ou tempo de amadurecimento para estabelecer relações de amizade, credibilidade e ação conjunta.

Foi lindo! Presenciei mulheres negras em rede: Avós, mães, irmãs, tias, filhas, amigas, engenheiras, advogadas, professoras, escritoras, jornalistas, artistas em rede, ensinando, aprendendo, e construindo… Mulheres resolutas, firmes e bondosas. Vi disposição, solidariedade, engajamento, promessa cumprida e evolução.

Durante a marcha ouvi frases de cuidado trocadas mutuamente entre as integrantes da marcha como por exemplo: Uma sobe e puxa a outra… Não esquece de mandar mensagem quando chegar em casa… Quem mexeu com você? Estamos juntas!

Senti que embora as mulheres negras caminhem por uma rota alternada por batalhas e vitórias, estabelecida pelas nossas ancestrais, ainda não tiveram a oportunidade de vivenciar um contato direto com essa história de luta na prática. Senti que ser Mulher Negra faz parte de uma construção coletiva, que não se dá apenas por meio de pesquisas ou livros, às vezes essa transformação se dá apenas após a experiência vivida. Que o nosso combustível é a urgência de nossas necessidades. Senti que conhecer a nossa história e requerer nossa ancestralidade nos faz nos entendermos enquanto mulheres negras para nós mesmas e posteriormente, para o mundo.

Após a marcha aprendi que solidariedade e sociabilidade são ferramentas para a vida social da classe popular, nesse caso da Mulher Negra. A habilidade com o exercício de ambas ferramentas, poderia ser interpretada como uma forma de capital social, que se transforma em capital político, viabilizando ações sociais transformadoras, ainda que apenas no meio no qual ocorrem. Sendo assim, resultaria em mudanças de dentro para fora.

Em muitos lares, a terça-feira a noite é reservada para a família e posso afirmar que, em quase 100% deles, lá estão as mulheres preparando a refeição com o que tiverem em casa. Mas, desta vez, estas mesmas mulheres, continuaram, sim, cuidando de suas famílias e de sua própria existência, indo para rua denunciar, protestar, exigir, para dar voz, volume e cor às nossas pautas.

Durante todo o percurso, cantamos e dançamos ao som do grupo Ilú Oba de Min, dos batuques e vozes do Bloco de Jongo Filhos da Semente. São em encontros como esse, que restauramos nossas forças. Angela Davis disse: __ “Quando uma mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela”. E se é de movimento que é feita a vida, sigamos!


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

Entristecemos

A recessão nos tirou festa e regalos e nos...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=