MPF e PF apuram possíveis crimes de racismo e tortura contra estrangeiro

O Ministério Público Federal (MPF) em Paranaguá e a Delegacia de Polícia Federal (DPF) estão apurando notícias de racismo, tortura e tentativa de homicídio que teriam ocorrido no mar territorial brasileiro. Um camaronês, que entrou clandestinamente em um navio de bandeira maltesa e tripulação turca no Porto de Douala (Camarões), informou em depoimento que foi agredido verbal e fisicamente, além de ter sido privado de sono e mantido em uma pequena cabine, antes de ser obrigado a sair do navio, em mar aberto. O homem permaneceu à deriva em um pallet (estrutura de madeira usada no transporte de cargas) por cerca de 11 horas, até ser resgatado por um navio que vinha do Chile. O homem foi resgatado 15 quilômetros do porto de Paranaguá.

De acordo com seu depoimento, o camaronês permaneceu escondido por oito dias até que sua comida e água acabassem. Quando foi descoberto, disse que levou chutes no peito e tapas no rosto, chegando a ficar desacordado. Machucado, teria sido levado a uma cabine de 2x3m. Segundo ele, um dos agressores disse que “não gostava de preto” e que para ele “todos são animais”. Ao longo da viagem, o clandestino recebia duas refeições diárias e, à noite, alguns tripulantes batiam na porta e na janela para evitar que ele dormisse. Depois de 11 dias no navio, por volta das 19h, o camaronês recebeu uma lanterna e 150 euros da tripulação e foi obrigado a sair do navio.

Em um primeiro momento, a tripulação do navio negou que tivesse ocorrido qualquer episódio envolvendo um clandestino a bordo. No entanto, em buscas e apreensões realizadas a pedido do MPF e autorizadas pela Justiça, foram arrecadados vários elementos que indicam a presença do camaronês no navio, tais como a compatibilidade da descrição de detalhes do interior da embarcação e, ainda mais contundente, a localização e apreensão de uma fotografia que a vítima escondeu com objetivo de comprovar sua permanência no local.

Para dar continuidade às investigações, toda a tripulação do navio está proibida de deixar Paranaguá, sob a vigilância da agência marítima. Esta liberdade vigiada foi solicitada pela DPF, com parecer favorável do MPF.

O MPF vem acompanhando as investigações diretamente, afim de, diante da complexidade dos fatos, garantir plenamente os direitos constitucionais, tanto da suposta vítima, quanto da tripulação sob investigação. Assim que o Inquérito for concluído, o MPF verificará se oferece ou não denúncia contra a tripulação do navio.

Fonte: Bem Paraná

+ sobre o tema

Pablo Milanés faz dueto com Maria Rita em festival de música latina em SP

Quando se pergunta ao cubano Pablo Milanés qual música...

Noivos entram em choque ao descobrir que são irmãos de pais separados em 1983

Eles estavam apaixonados e, depois de cinco anos de...

Candidata de ascendência indiana conquista vitória inédita no Miss EUA 2014

Nina Davuluri venceu o Miss EUA 2014 na noite...

Jay-Z vai comprar ilha de R$ 6 milhões em Bahamas, diz site

Conforme nota do 'The Sun', o rapper quer um...

para lembrar

‘Solteira médio’, ganja e mais de 20 passaportes: Glória Maria tem a vida que todo mundo quer

Uma das repórteres mais famosas do Brasil, Glória Maria...

Costa do Marfil organizará foro sobre diáspora africana

Abiyán, 20 set (Prensa Latina) Costa do Marfil...

A escravização de africanos

Um breve resumo do tráfico transatlântico de escravos - Parte...

‘A voz suprema do blues’ ganha primeiro trailer com Viola Davis e Chadwick Boseman

"A voz suprema do blues" ("Ma Rainey's black bottom",...
spot_imgspot_img

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...
-+=