Na cor vermelho carmim escarlate: um breve foco em escrituras das afro-brasileiras Elisa Lucinda e Nega Gizza

Esse trabalho propõe reflexão sobre escrituras criadas, respectivamente, por Elisa Lucinda e Nega Gizza. Duas mulheres afro-brasileiras. Um texto cultural de cada uma. Do livro O Semelhante foram pinçados versos de Safena. Do disco Na Humildade, a letra de Prostituta. A intenção é fazer uma incursão no tema relações de gênero, tendo em vista o seu complexo cruzamento com questões étnico-raciais. Como ferramentas básicas: análises de aspectos relacionados a mulheres negras na diáspora (Barbara Christian e bell hooks), sugestões sobre a pós-modernidade (Zygmunt Bauman), a perspectiva foucaultiana de poder.

Por Diony Maria Soares1, Fazendo Genero

 

Começo com uma breve revisão introdutória sobre a terceira onda do movimento feminista, na qual a presença de escritoras afro-descendentes é fundamental. Nascida durante os anos 80 do século XX, a terceira onda analisa criticamente a tendência das feministas das décadas de 60 e 70 de usarem um conceito generalizado de mulher. As feministas da terceira onda centram-se nas implicações práticas e teóricas das diferenças entre as mulheres relativas à distribuição desigual de bens e serviços, advinda da hierarquia do sistema mundial, à raça, à etnia, à classe e à orientação sexual. Destacam-se neste segmento, escritoras e teóricas afro-americanas, entre elas, Alice Walker, bell hooks, Gayl Jones, Ntozake Shange, Paule Marshall, Toni Morrison. Já em meados da década de 90, bell hooks analisava os percalços enfrentados por afro-americanas que se aventuram escolher trilhar por caminhos do trabalho intelectual.

Paralelo a isso, no Brasil contemporâneo ainda é baixa a visibilidade de mulheres negras reconhecidas como escritoras legítimas. Segmentos especializados eventualmente pontuam a produção realizada por Conceição Evaristo, Esmeralda Ribeiro, Geni Guimarães e Miriam Alves, entre outros poucos nomes. Provavelmente, no entanto, a obra de Carolina Maria de Jesus continue sendo o referencial mais significativo, com destaque para o célebre livro Quarto de Despejo, publicado em 1960 e traduzido em pelo menos 13 idiomas.

Dito isso, é preciso demarcar que a abordagem aqui proposta não é a dos Estudos Literários. Incursões livres por tal campo teórico podem ser bem-vindas, mas me agradam mais aproximações com os territórios dos Estudos Culturais, em especial aspectos relacionados com as produções culturais na sociedade de controle midiatizada.

Continue lendo o PDF

Na cor vermelho carmim escarlate: um breve foco em escrituras das afro-brasileiras Elisa Lucinda e Nega Gizza

 

+ sobre o tema

Mulheres negras contam sua história é lançado na 3ª Conapir

Autoras dos ensaios e redações que compõem a publicação...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal...

Violência contra a Mulher: Duque de Caxias para Estômagos Fortes

Eu comecei meu rolê na Praça do Skate de...

para lembrar

Black blocs e gênero: o que mais nos dizem as máscaras negras?

Vândalos? Revolucionários? Mimados? Não são caracterizações positivas que usualmente...

Saúde feminina e maternidade

Lançada no final de março pelo Ministério da Saúde...

Quem tem deputado machista não precisa de inimigos

Quero fazer deste artigo um ato de repúdio contra...

“Piranhas!” – gritaram os jovens de BMW prata na noite de São Paulo

Quando fui alvejado por xingamentos por jovens machistas motorizados,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=