Na ONU, Geledés propõe ações de combate ao racismo para desenvolvimento sustentável

Artigo produzido por Redação de Geledés

Instituto da Mulher Negra apresentou a fórum relatório com recomendações para redução das desigualdades

Não há desenvolvimento sustentável sem o enfrentamento de todas as formas de racismo, defendeu o Geledés – Instituto da Mulher Negra, nesta quarta-feira (12), durante Fórum da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre sustentabilidade. O evento acontece em Nova York desde o dia 10 e vai até 19 de julho.

Fundada pela filósofa e escritora Sueli Carneiro, a organização atua no combate ao racismo e ao sexismo no Brasil. Membro do comitê permanente do Conselho Econômico e Social da ONU, o instituto apresentou um relatório à delegação brasileira nesta quarta, com recomendações para o enfrentamento ao racismo e redução das desigualdades.

Segundo a socióloga Leticia Leobet Florentino, do Geledés, as recomendações foram acolhidas em sua maioria pelo Estado brasileiro. Elas serão integradas ao posicionamento do Brasil e apresentadas na sexta-feira (14).

A socióloga Leticia Leobet Florentino

Entre os tópicos abordados estão o acesso à água potável e ao saneamento básico pela população negra e comunidades tradicionais, a oferta de energia limpa e sua distribuição em áreas periféricas, e a Política Nacional de Habitação.

A expectativa é que o Brasil proponha, por exemplo, que todos os Estados-membros se comprometam a garantir investimentos em infraestrutura, principalmente em áreas marginalizadas e ocupadas por afrodescendentes e comunidades indígenas.

Para isso, deve-se fortalecer a parceria entre os setores público e privado, além da sociedade civil, e assegurar que o acompanhamento de ações seja completo.

Nesse sentido, a avaliação de políticas públicas deverá incluir a coleta e a análise de dados com recortes de gênero, raça e etnia, para reconhecimento das disparidades e identificação de áreas onde as desigualdades são mais prevalentes.

O instituto foi anunciado como membro do comitê permanente do Conselho Econômico e Social da ONU em setembro de 2022. Desde então, produz e apresenta relatórios a partir das necessidades sociais, políticas e econômicas de mulheres negras.

A instituição propôs ainda o uso de tecnologias e práticas desenvolvidas por comunidades tradicionais indígenas e afrodescendentes como solução ecologicamente sustentável ao desenvolvimento do país, o que também contribui para a valorização da cultura desses povos e comunidades.

De acordo com o relatório, a desproporção no acesso à saúde deixou pessoas negras mais expostas ao coronavírus e, consequentemente, à mortalidade.

As condições de desigualdade social de pessoas negras também se agravaram durante a pandemia, aumentando os desníveis na educação, a baixa empregabilidade e a crise de insegurança alimentar em famílias negras.

“Tudo isso repercute no aumento das desigualdades estruturais e reforça o estigma dessa população na sociedade. Este quadro resulta de uma incapacidade do Estado brasileiro em enfrentar o racismo sistêmico, o que coloca cada vez mais distante o tão almejado desenvolvimento sustentável. Portanto, não há desenvolvimento sustentável sem enfrentamento ao racismo”, diz texto.

Para a instituição a Agenda de 2030 da ONU só será efetivamente cumprida caso os Estados-membros se comprometam a abordar e combater o racismo de forma abrangente.

O Geledés também participa do Comitê contra Tortura, do Conselho de Direitos Humanos, do Grupo de Trabalho sobre Afrodescendentes e do Fórum Permanente sobre Pessoas de Afrodescendência, ambos da ONU, além da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

+ sobre o tema

Geledés participa na ONU do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos

Geledés–Instituto da Mulher Negra segue atuando de forma forte,...

Geledés participa do Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas

Em mais uma atuação relevante no cenário internacional que...

Grupo estabelece urgência no combate ao racismo global

Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta terça-feira,...

para lembrar

ONU adota resolução sobre incompatibilidade entre democracia e racismo

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações...

Racismo e desigualdade dominam debate da ONU sobre juventude no Rio

Racismo e injustiça social foram os temas predominantes no...

Votação na ONU poderá consagrar Brasil como pária na luta global antirracista

A repercussão do caso George Floyd —homem negro norte-americano...

Grupo de mulheres brasileiras atua nas Nações Unidas contra o racismo

Em reportagem da TVT, Maria Sylvia de Oliveira, advogada e coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça de Geledés- Instituto...

Geledés reforça a diplomatas brasileiros em NY ideia de formar Major Group na ONU

Nesta terça-feira, 19, em seu último dia de participação na Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) 2023, que aconteceu em Nova York, Geledés-...

Anielle Franco defende igualdade racial na lista dos objetivos da ONU para o desenvolvimento sustentável no Brasil

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, defendeu nesta segunda-feira (18) que seja estabelecida uma meta de busca pela igualdade racial no âmbito das...
-+=