Não queremos mais Marielles

Racismo e homofobia, crimes inafiançáveis e imprescritíveis, integram a estrutura política nacional

Às vésperas do Dia Internacional dos Direitos Humanos, vereadores negros de Porto Alegre foram ameaçados de morte. Na mensagem remetida para o e-mail institucional de toda a bancada de parlamentares pretos e pardos, o termo zoológico foi usado em referência aos negros, que foram comparados a macacos pelo autor do crime cibernético, segundo o qual “uma casa de leis é lugar exclusivo para homens brancos de bem”.

Ao conhecer o fato, a socióloga Reginete Bispo, suplente de senador pelo Rio Grande do Sul, pediu ao Senado acompanhamento especial da situação em razão das diversas manifestações de racismo registradas na Câmara da capital gaúcha. “Não queremos mais Marielles”, disse ela, referindo-se especificamente ao assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, em 2018.

Segundo o professor Hélio Santos, presidente do Conselho Deliberativo do Pacto de Promoção da Equidade Racial, ameaçar invadir o Legislativo com a finalidade de matar parlamentares negros é algo que “configura crime de ódio racial”. Infelizmente, fatos dessa natureza estão se tornando recorrentes no país.

Só a bancada de Porto Alegre apresentou seis denúncias neste ano, o que é absolutamente preocupante e merece a máxima atenção.

Em junho, vereadores de todo o Brasil denunciaram agressões e ameaças contra mulheres, pessoas negras e população LGBTQIA+ durante audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados e pediram apoio. Na semana passada, a presidência da CDHM solicitou investigação à Procuradoria-Geral de Justiça e à Secretaria de Segurança Pública do RS sobre as ameaças aos vereadores negros da capital.

Racismo e homofobia, dois crimes inafiançáveis e imprescritíveis, ainda integram a estrutura política nacional. Mas não é possível seguir naturalizando um cenário de ataque às liberdades e à democracia. É urgente que a sociedade se mobilize para proteger a vida de seus representantes legitimamente eleitos.

+ sobre o tema

Tchau, Dunga!!!! Ei, Jefferson, você gosta de apanhar? E você gosta de apanhar? E você, Miranda?

Em 1968, aquele timinho “ruim” do Botafogo, com Gérson,...

Jovem senegalês é agredido em novo caso de racismo na Itália

Um jovem senegalês de 20 anos, residente em Palermo,...

Mirian França é uma mulher negra cientista, que dedica-se a salvar vidas

O militante brasileiro dos Direitos Humanos  da Universidade de...

Nosso amor preto sobreviveu aos navios negreiros: invoquemos!

Memórias de agruras regem as poucas páginas destinadas a...

para lembrar

Rappers gravam vídeos contra a redução da maioridade penal

Canal do YouTube apresenta argumentos contrários a mudança em...

Holocausto brasileiro: 50 anos sem punição (Hospital Colonia) Barbacena-MG

Milhares sucumbiram de frio, fome, tortura e doenças curáveis;...

Comissão irá debater abolição da escravidão amanhã

Intenção é proporcionar inclusão de negros de maneira completa Por...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=