O Poder Transformador de um Mentor: Minha Gratidão ao Professor Helio Santos

Há momentos na vida em que nos deparamos com pessoas que se tornam faróis em nosso caminho, iluminando nossas trajetórias e transformando nossa jornada de maneiras inimagináveis. Para mim, uma dessas figuras é o Professor Helio Santos. Permita-me compartilhar como sua presença impactante moldou minha vida, tanto pessoal quanto profissionalmente.

Conheci o Professor Helio através do Instituto Cultural Steve Biko, no âmbito do projeto Portas e Mentes Abertas (POMPA). Desde o primeiro encontro, seu comprometimento com a mudança e sua crença no potencial das pessoas, independentemente de suas origens, foram palpáveis. Para alguém como eu, cuja história se originou na Saramandaia, bairro popular de Salvador e sem perspectivas de desenvolvimento e crescimento econômico, suas palavras foram como uma brisa fresca de esperança.

O impacto de Helio na minha experiência pessoal é inestimável. Ele foi um dos primeiros a enxergar além das circunstâncias habituais, acreditando firmemente que eu poderia transcender expectativas e moldar meu próprio destino. Sua mentoria foi um farol em momentos de escuridão, um guia que me ajudou a superar desafios e a abraçar meu potencial. Entretanto, seu papel transcende o acadêmico. Durante minha jornada acadêmica, do curso de graduação ao mestrado, Helio Santos não foi apenas um educador. Enquanto um mentor ativo, ele continuou desafiando-me a pensar de forma crítica, influenciando meus valores e impulsionando meu desenvolvimento enquanto um ser pensante comprometido com outras convicções e habilidades.

Para alguém como eu, sem uma rede sólida de apoio, sua contribuição foi e é o alicerce que faz toda a diferença. Helio não apenas moldou minha formação acadêmica, sendo um dos meus principais intelectuais do campo econômico. Ele contribuiu significativamente para meu crescimento pessoal. Sua orientação foi a chave que moldou parte da pessoa que sou hoje.

Estamos a menos de uma semana da entrega do título de doutor Honoris Causa ao mesmo, pela Universidade Federal da Bahia. Trata-se de uma honraria concedida a personalidades que se destacaram singularmente por sua contribuição à cultura, à educação ou à Humanidade. Sob essa ótica, refletir sobre as realizações notáveis deste é um exercício inspirador. Sua habilidade de caminhar ao lado de mulheres que desafiam e questionam, sem se sentir ameaçado, é admirável e rara. Ele é um verdadeiro exemplo de como transformar força e diversidade feminina em vantagem e elemento que as impulsionam e não que deprecia, feito que admiro profundamente.

Expressar minha gratidão ao Professor Helio Santos é um privilégio. Sua orientação foi fundamental para esculpir um futuro além das expectativas limitadas impostas a uma jovem de Saramandaia, sem redes de suporte. Sou eternamente grata por sua presença em minha jornada, por abrir portas e expandir horizontes.

Neste momento, enquanto expresso minha profunda gratidão, desejo ao Professor Helio Santos sucesso contínuo em todas as suas empreitadas. Sua dedicação incansável à luta pela igualdade e sua influência inspiradora nas vidas daqueles que cruzam seu caminho são uma bússola para um mundo mais justo e inclusivo. A vida nos presenteia com mentores que nos desafiam e nos capacitam a ser mais do que jamais imaginamos. Helio Santos é um desses presentes em minha vida, e por isso, meu agradecimento é eterno diante desta honraria tão emblemática.

Obrigada por tudo, Professor Helio Santos. Suas contribuições vão além do que palavras podem expressar.


Luciane Reis é publicitária, especialista em educação digital pela Faculdade de Educação da UFBA e mestra pela Faculdade de Administração da UFBA. Teve no professor Helio Santos, a partir do POMPA, um aliado em suas diferentes caminhadas.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Dom: a favela como fetiche de cineasta zona sul

Um filme, apesar das novas dinâmicas de transmissão, em...

Negros não viajam no tempo

Quem nunca respondeu a esta pergunta: Se você pudesse...

O controle racializado: o racismo religioso no judiciário

Primeiramente, antes das considerações jurídicas acerca do caso, faz-se...

É preciso gritar

“Preciso gritarrrr”! Foi com esta expressão vibrada da energia...

para lembrar

A importância da representatividade negra na literatura infantil

O incentivo à literatura infantil não é somente "coisa...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve...

UNFPA divulga lista de participantes da Rodas das Juventudes Já!

Durante os meses de outubro e novembro pessoas jovens...

Histórias Perdidas

Sentados em círculo, estávamos na escola eu e cerca...

Benedita da Silva: Com a Bíblia numa mão e Cinema na Outra

É impossível Benedita da Silva passar despercebida por onde quer que esteja, ainda que ela persiga a discrição no cumprimento de sua incansável agenda....

Sobre mordaças e Chicoachings Contemporâneos

Ao procurar emprego no linkedin, me deparei com essa publicação da https://www.artemisia.org.br/empregabilidade/ que trouxe o seguinte excerto: “Reitero a defesa de Saadia Zahidi, diretora-administrativa do...

A gramática corporal da capoeira: ou sim, sim, sim/ou não, não, não!

Em seu livro Sobre o Autoritarismo Brasileiro, recentemente publicado (2019), Lilia Schwarcz faz uma provocação, a meu ver, bastante pertinente: “O mito da democracia...
-+=